Knight Center
Knight Center

NOTICIAS DO CENTRO KNIGHT

Se inscreva no novo curso em espanhol sobre cobertura jornalística com perspectiva de gênero


Um novo curso do Centro Knight de Jornalismo nas Américas, em parceria com a International Women's Media Foundation e apoiado pelo Google News Initiative, fornecerá estratégias e dicas para cobrir diferentes gêneros e identidades.

O curso em espanhol, “Cobertura inclusiva: perspectiva de gênero na redação”, será realizado de 2 a 29 de março e será liderado pelas instrutoras Silvia Trujillo e Daniel Villatoro.

 

Qualquer pessoa interessada no tema da perspectiva de gênero nas redações é convidada a se inscrever até 9 de março. Embora o curso seja voltado para editores, é relevante para todos que trabalham em redações. Analisaremos as inscrições nas próximas duas semanas e aceitaremos os alunos de forma contínua.

“Estamos muito animados por oferecer, pela primeira vez, um curso sobre perspectiva de gênero. Queremos ajudar as redações a aprofundar sua compreensão de como cobrir diferentes gêneros e identidades e fornecer dicas práticas e planos de ação ao longo do caminho ”, disse Rosental Alves, diretor do Centro Knight. "Com o apoio do Google News Initiative e a parceria da IWMF, podemos tornar isso possível".

O objetivo do curso é aprender os conceitos básicos sobre gênero e entender a metodologia de aplicação de uma abordagem de gênero ao jornalismo. Os alunos vão desenvolver um plano de ação para identificar áreas de melhoria e vão propor iniciativas para aplicar uma perspectiva de gênero em suas próprias redações.

O curso é dividido em quatro módulos semanais.

  • Módulo 1: Conceitos básicos de gênero e por que falamos sobre o foco de gênero na redação e na cobertura
  • Módulo 2: Cobertura de mulheres e como não produzir jornalismo sexista
  • Módulo 3: Cobertura das comunidades LGBTIQ+
  • Módulo 4: Cobertura da violência de gênero

"O conteúdo da mídia tem uma relação de mão dupla com a sociedade: as histórias nos jornais são um reflexo da nossa realidade e dos nossos valores culturais... mas, ao mesmo tempo, nossa cultura é influenciada pelas histórias que vemos na mídia", disse Villatoro.  “Saber que as pessoas LGBTIQ existem (através do contato com outras pessoas ou com uma história sobre elas na mídia) incentiva a compreensão e combate a desinformação baseada em preconceitos, como foi comprovado em vários estudos.”

Os instrutores vão ministrar o curso usando vídeos, apresentações multimídia, leituras, fóruns de discussão e testes.

Trujillo está na equipe de comunicação da publicação feminista LaCuerda. Anteriormente, trabalhou no Centro Civitas e na revista Sala de redacción, onde coordena o Observatório da Mulher e da Mídia e monitora a representação da mulher na mídia. Ela também é autora de Espejos rotos (espelhos quebrados), que analisa a situação das mulheres jornalistas na Guatemala. Ela também foi colunista de vários meios de comunicação, incluindo Sala de Redacción, Esquisses, Plaza Pública e ContraPoder, entre outros.

"A mídia constitui um filtro a partir do qual as pessoas interpretam a 'realidade' e, nesse contexto, é muito importante que as perspectivas apresentadas aos seus públicos sejam equitativas e respeitem a diversidade social que os cerca", disse Trujillo. “Em outras palavras, a mídia, e as narrativas que as pessoas que trabalham na mídia constroem, têm o potencial de contribuir para a formação de sociedades que questionam os papéis de gênero e respeitam identidades diferentes.”

Villatoro é o instrutor principal da Exprésate, uma iniciativa latino-americana de jornalismo sobre as comunidades LGBTIQ+, da International Women's Media Foundation. Ele também é diretor executivo do Visibles, um projeto de comunicação sobre populações LGBTIQ + na agenda pública da Guatemala. Ele escreveu para meios de comunicação como ProPublica, Univisión, Radio Ambulante, Factum, Convoca e mais. Ele foi instrutor do SocialTIC e coordenou o programa Data School para a América Latina. Ele também desenvolveu investigações baseados em análise de dados no site guatemalteco Plaza Pública.

“Quando edito, meu papel me faz mudar de ideia e deixar de ser o produtor para ser o revisor e polidor da reportagem de outra pessoa. Muitas vezes nessa troca entre a proposta de quem fez a matéria e quem a editou, ocorrem mudanças em que a perspectiva de gênero não é considerada ”, afirmou Villatoro. “Muitas dessas ações também são inconscientes; portanto, ao longo do curso, oferecemos conselhos, damos exemplos de boas práticas e vemos recursos que podem ser úteis para que eles dotem seu trabalho com essa perspectiva. Além disso, é por isso que, ao longo do curso, os [estudantes] vão desenvolver planos de ação.

O curso é assíncrono, o que significa que não há datas e horários definidos para participar. No entanto, existem prazos semanais sugeridos para que os alunos não fiquem para trás. Os alunos precisam apenas de um computador com conexão à Internet para participar.

Google News Initiative

Google News Initiative (GNI) é uma iniciativa do Google de promover o crescimento do jornalismo na era digital. O GNI é um marco dentro do compromisso de 15 anos do Google com o setor de notícias e reflete os esforços de colaboração da empresa para ajudar o setor a construir um futuro mais forte.

International Women’s Media Foundation

A IWMF trabalha para liberar o poder das jornalistas para transformar a mídia global. Nossos bolsistas e donatários - jornalistas freelancers e funcionários - se tornam especialistas em reportagens em regiões carentes, geram histórias de leitura obrigatória, alinham-se com os principais meios de comunicação e trazem à tona assuntos críticos que afetam mulheres e outros. Somos a única organização que fornece treinamento de segurança, oportunidades adicionais e suporte de emergência personalizado para mulheres jornalistas e fotógrafas de todo o mundo.

Knight Center

O Centro Knight de Jornalismo nas Américas foi criado em 2002 pelo professor Rosental Alves, titular da Cátedra Knight em Jornalismo da Moody College of Communication da Universidade do Texas, graças às doações generosas da Fundação John S. e James L. Knight. O programa de ensino à distância do Centro Knight começou em 2003 e é financiado em parte pela Fundação Knight. Nos últimos seis anos, os MOOCs do Centro Knight atingiram mais de 195.000 pessoas em 200 países e territórios.




"Bookmark


Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign