Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

23 jornalistas foram assassinados na América Latina em 2012, aponta relatório



Nos primeiros seis meses de 2012, 72 jornalistas foram mortos no mundo – número 33% acima dos assassinatos de repórteres registrados em 2011, segundo um relatório publicado na segunda-feira, 2 de julho, pela Press Emblem Campaign (PEC), organização suíça que monitora liberdade de imprensa, noticiado pelo jornal Estado de S. Paulo. A maior parte das mortes ocorreu na América Latina, onde 23 jornalistas foram mortos de janeiro a junho.

O México ocupa a 2ª posição entre os países onde mais jornalistas foram assassinados nesse período, com 8 mortos. Já no Brasil, 5º lugar no ranking, seis jornalistas foram mortos. Em Honduras, houve quatro mortes. Na Bolívia, dois jornalistas foram assassinados. Há também o registro de um jornalista assassinado na Colômbia, no Panamá e no Haiti.

A morte do jornalista mexicano Victor Baez, em 14 de junho, foi o caso mais recente. Suspeita-se que o crime tenha sido vítima do crime organizado de Veracruz. No sábado, 30 de junho, a polícia prendeu 9 suspeitos do assassinato.

O relatório da PEC abrange registros de assassinatos de jornalistas em 21 países. A Síria ficou em primeiro lugar no ranking, com 20 jornalistas mortos em 2012. Também foram registrados seis mortes na Somália e no Paquistão, quatro nas Filipinas, três na Nigéria, e uma no Afeganistão, em Bahrein, Bangladesh, Indonésia, Iraque, Nepal, Uganda e na Tailândia




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook