Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Jornalista brasileiro recebe Prêmio Internacional de Liberdade de Imprensa do CPJ



O jornalista brasileiro Mauro König foi homenageado pelo Comitê para a Proteção dos Jornalistas com o Prêmio Internacional de Liberdade de Imprensa 2012, um reconhecimento anual a profissionais que enfrentaram represálias e arriscaram a vida para revelar abusos de poder e violações dos direitos humanos, segundo a própria organização.

König trabalha atualmente como repórter especial na Gazeta do Povo e é um dos jornalistas investigativos mais respeitados do Brasil. Em 20 anos de carreira, já recebeu 21 prêmios de jornalismo, entre eles dois Esso, dois Embratel, três Vladimir Herzog, dois Lorenzo Natali e um Prêmio de Direitos Humanos da Sociedade Interamericana de Imprensa. Publicou em 2008 o livro "Narrativas de um correspondente de rua", reunindo 15 de suas maiores reportagens.

Suas investigações já abordaram temas como o tráfico sexual de crianças e adolescentes, o sequestro de menores e até a violência na tripla fronteira entre Argentina, Brasil e Paraguai. "São trabalhos que lhe custaram agressões e ameaças e que o levaram a ser vítima de seu trabalho", afirmou o coordenador para as Américas do CPJ, Carlos Lauria, de acordo com a Agência Efe.

No final de 2000 e em 2001, o jornalista documentou o recrutamento e sequestro de crianças brasileiras para o serviço militar no Paraguai, reportagem que o levou a ser brutalmente espancado com correntes, estrangulado, e abandonado para morrer. Em 2003, trabalhando na região fronteiriça do Brasil, Paraguai e Argentina, ele enfrentou uma onda de ameaças de policiais.

Como tantas outras agressões a jornalistas, esses episódios ainda não foram solucionados, o que explica a inclusão do Brasil no Índice de Impunidade do CPJ. O país ainda é considerado 5º pior para o exercício da profissão, segundo levantamento feito pela entidade suíça Press Emblem Campaign (PEC), com sete jornalistas mortos em 2012.

Os outros três jornalistas homenageados são Mae Azango (FrontPage Africa e New Narratives, Libéria) e os jornalistas encarcerados Dhondup Wangchen (Filming for Tibet, China) e Azimjon Askarov (Ferghana News e Golos Svobody, Quirguistão), todos vítimas de agressões, ameaças ou detenções em virtude de sua atuação jornalística.

"Nós nos sentimos inspirados por estes jornalistas que tiveram que pagar um alto preço por sua dedicação à verdade", disse em comunicado o diretor-executivo do CPJ, Joel Simon, ao anunciar o nome dos vencedores.

O comitê fará a entrega dos prêmios no dia 20 de novembro durante uma cerimônia em Nova York. A organização ainda anunciou que vai oferecer a Alan Rusbridger, editor do jornal the Guardian no Reino Unido, o Prêmio em Memória de Burton Benjamin por sua trajetória de realizações pela causa da liberdade de expressão.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook