Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Violência aumenta e Brasil termina 2012 entre países mais perigosos do mundo para os jornalistas



A liberdade de imprensa no Brasil ficou refém da violência contra os jornalistas em 2012. A poucos dias do término do ano, mais um caso emblemático demonstra a escalada de agressões e ameaças ao exercício de informar. O premiado jornalista investigativo Mauri Konig, diretor da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e repórter especial da Gazeta do Povo, do Paraná, precisou abandonar sua residência e se refugiar em um local seguro após receber ameaças de morte.

Konig e sua família foram alvos de intimidações por meio de ligações telefônicas feitas à redação do jornal após a publicação de reportagens que denunciaram casos de corrupção e abusos policiais no estado. Em um dos telefonemas, um desconhecido advertiu que cinco agentes do Rio de Janeiro estavam em Curitiba para metralhar a casa do repórter.

Um dia antes de Konig precisar se esconder longe de casa, o jornalista André Caramante, da Folha de S. Paulo, havia retornado após três meses de exílio. O jornalista passou a ser perseguido e teve que sair do país depois de escrever uma matéria sobre como Paulo Telhada, o ex-comandante da Rota (uma controversa unidade de elite da polícia paulista) e vereador eleito por São Paulo usava sua página no Facebook para pregar a violência contra suspeitos de crimes.

Estes dois casos recentes ilustram o crescente risco enfrentado por jornalistas brasileiros, principalmente os que cobrem temas sensíveis como narcotráfico e corrupção. Em meio a este cenário de hostilidade, a Secretaria de Direitos Humanos anunciou que estuda a criação de um programa federal específico para a proteção de jornalistas ameaçados no Brasil, segundo informou o Uol.

Relatórios apontam aumento das mortes de jornalistas

O Brasil desponta em 2012 entre os mais letais do mundo para os jornalistas nas análises das principais organizações internacionais defensoras da liberdade de imprensa. Todas elas registram um aumento expressivo da violência em relação a anos anteriores.

De acordo com o relatório anual da Repórteres Sem Fronteiras, o Brasil fecha o ano como o 5º país mais perigoso do mundo para os profissionais da imprensa, com cinco assassinatos relacionados à profissão. Em 2011, foram três.

Já a Press Emblem Campaign destaca que nunca antes houve tantas mortes de jornalistas no Brasil e classifica o país como o 4º pior do mundo, empatado com o México, para o exercício do jornalismo. A organização registrou 11 casos de homicídios de jornalistas este ano; no ano passado, quase a metade, 6.

A análise de fim de ano do Comitê para a Proteção dos Jornalistas sobre jornalistas mortos no exercício da profissão cita quatro episódios ocorridos no Brasil, o maior número anual em uma década. Segundo a entidade, o país é historicamente um dos mais perigosos para a imprensa, mas havia sido o cenário de poucas mortes entre 2005 e 2010, fazendo com que esta recente elevação no número de casos seja especialmente preocupante.

A divergência entre os números divulgados decorre dos diferentes critérios usados por cada uma das organizações para determinar se o crime está ou não relacionado à atividade jornalística das vítimas.

Entre os jornalistas assassinados citados pelas organizações estão Laecio de Souza (Bahia), Mario Randolfo Marques (Rio de Janeiro), Paulo Roberto Cardoso Rodrigues (Mato Grosso do Sul), Divino Aparecido Carvalho (Paraná), Onei de Moura (Paraná), Decio Sa (Maranhão), Valerio Luiz de Oliveira (Goiás), Luis Henrique Georges (Mato Grosso do Sul), Anderson Leandro da Silva (Paraná), Edmilson de Souza (Sergipe) e Eduardo Carvalho (Mato Grosso do Sul).

A maioria deles perdeu a vida após denunciar a influência de máfias criminosas nos setores políticos e econômicos, casos de corrupções de autoridades locais e crimes ligados ao narcotráfico.

A falta de uma apuração rigorosa destes crimes é uma das razões para que eles se perpetuem. No Brasil, apenas 10% dos homicídios são solucionados, segundo estudo divulgado pelo jornal O Globo. Esse baixo índice reflete a inclusão do país no Índice de Impunidade do CPJ.

O período das eleições municipais, ocorridas em outubro, também contribuiu para o clima de insegurança dos jornalistas, que sofreram tentativas de censura e agressões por parte de candidatos ou de seus correligionários.



No comments

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
By submitting this form, you accept the Mollom privacy policy.


Assine o boletim semanal

Receba nosso boletim semanal sobre jornalismo nas Américas.

Escolha seu idioma:

English
Español
Português

Por favor, digite seu e-mail:

Facebook

Comentários recentes