Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Justiça mantém censura a Estadão, que não pode noticiar sobre Sarney desde 2009



Desembargadores do Distrito Federal decidiram nesta quarta-feira, 22 de maio, manter a censura prévia ao Estado de S. Paulo, que continua sem poder publicar notícias sobre operação da Polícia Federal que envolve a família Sarney, noticiou o jornal.

Em 2009, o desembargador Dácio Vieira acatou o pedido do empresário Fernando Sarney --  filho do senador José Sarney -- de impedir o jornal de noticiar sobre a Operação Boi Barrica, na qual era investigado. O desembargador alegou que a investigação era sigilosa.

Diversas organizações rechaçaram publicamente a censura ao Estadão. Paula Martins, diretora da Artigo 19 para a América do Sul, considerou a decisão dos desembargadores de "absolutamente desproporcional, (...) que ignora totalmente o caráter intrinsecamente público do tema em discussão: possíveis atos de ilegalidade e corrupção".

O presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da Sociedade Interamericana de Imprensa, Claudio Paolillo, também lamentou o fato. "É incrível, a esta altura, que a censura prévia siga existindo no Brasil por decisão de alguns tribunais", disse ao Estadão. A Associação Nacional de Jornais também considerou a decisão "um grande equívoco".

Embora a liberdade de expressão seja um direito fundamental garantido constitucionalmente, a via judicial tem se mostrado um meio eficaz de inviabilizar o funcionamento de veículos informativos, especialmente os pequenos, e de calar a crítica de jornalistas e blogueiros no Brasil. Uma linha do tempo produzida pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas mostra que, apenas em 2012, o país registrou 16 casos em que os tribunais foram utilizados como instrumentos de censura.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook