Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Jornalista mexicana Elena Poniatowska recebe prêmio Cervantes




Na quarta-feira, 23 de abril, a escritora e jornalista mexicana Elena Poniatowska recebeu o Prêmio Cervantes pela Universidade de Alcalá de Henares, perto de Madrid, na Espanha, informou o jornal El Universal.

O Prêmio Miguel de Cervantes é considerado o mais prestigioso na língua espanhola. Poniatowska é a quarta mulher a ganhar o prêmio nos seus 38 anos de história, e a primeira mulher mexicana, de acordo com El País .

O jornalista escreveu mais de três dezenas de livros ao longo de sua carreira, incluindo romances de ficção, coleções de ensaios e obras de não-ficção , incluindo seu famoso livro “La Noche de Tlatelolco”, sobre o massacre de 1968 em que vários estudantes que protestavam na Cidade do México foram mortos pelo exército, de acordo com o Los Angeles Times.

Em seu trabalho jornalístico, Poniatowska focou-se em reportagens sobre pobres e ativistas que enfrentaram o poder do Partido Revolucionário Institucional (PRI), que governou o México durante a maior parte do século passado.

Depois de receber o prêmio, a jornalista e escritora fez um discurso, publicado pela revista Proceso, em que afirma que o Prêmio foi sua conquista profissional mais importante. Poniatowska também declarou que, embora não possa escrever sobre moinhos de vento – como o fez o escritor que dá nome ao prêmio – ela escreveu sobre a vida de "andarilhos ordinários e comuns".

"As crianças, as mulheres, os idosos, os presos, os que sofrem e os estudantes caminham ao lado desta repórter que procura [ ...] ‘ir além de sua própria vida e fazer parte de outras vidas", disse Poniatowska . "Eu pertenço ao México e à vida nacional, que é escrita todos os dias e todos os dias é apagada porque as páginas de um jornal duram apenas um dia".

Antes de receber o prêmio, a jornalista falou com a imprensa na Biblioteca Nacional em Madrid, onde disse que o jornalismo no México é "uma lição de modéstia e humildade" porque os repórteres lá "vivenciam situações difíceis e terríveis", especialmente perto da fronteira com os Estados Unidos, devido à violência ligada ao tráfico de drogas, informou o jornal on-line Animal Político.

 "Um jornalista na América Latina é muito diferente porque a realidade entra em sua casa, o estrangula. É difícil escrever em sua casa sobre o que você quer quando as coisas estão acontecendo do lado de fora e puxando para você", disse Poniatowska .

Ela acrescentou que o jornalismo latino-americano é de "indignação e denúncia", e que os jornalistas têm um compromisso com causas "grandes e nobres " e não deveriam vender-se para as empresas.

Poniatowska também lembrou o escritor e jornalista colombiano, e ganhador do Prêmio Nobel, Gabriel García Márquez, que morreu em 17 de abril, de acordo com La Prensa.

"Antes Gabo estávamos condenados na Terra. Mas seus "Cem Anos de Solidão” deu asas a América Latina", disse a jornalista". E é esse grande voo que nos rodeia hoje e faz com que as flores crescem em nossas cabeças. "



No comments

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
By submitting this form, you accept the Mollom privacy policy.






Assine aqui a nossa newsletter semanal!

Nome Completo

Email *
Selecione as listas que deseja subscrever
Boletim Semanal (Português)

Boletín Semanal (Español)

Weekly Newsletter (English)
email marketing
by activecampaign

Facebook

Comentários recentes