Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Mais de 2 mil jornalistas assassinados em 25 anos no mundo; México é o terceiro país mais mortífero, segundo a FIP



México é o terceiro país mais mortífero para jornalistas e outros trabalhadores de mídia no mundo, com 120 assassinatos nos últimos 25 anos, segundo um relatório da Federação Internacional de Jornalistas (FIP, na sigla em espanhol) publicado em 3 de fevereiro.

No relatório sobre jornalistas e trabalhadores da mídia assassinados desde 1990, a FIP faz uma análise do agravamento da violência contra jornalistas nos últimos 25 anos e da responsabilidade da impunidade.

De acordo com o documento, 2.297 jornalistas e comunicadores foram mortos durante a cobertura de diferentes eventos como guerras, revoluções, crimes e atos de corrupção, entre outros.

Este número inclui os 112 jornalistas assassinados em 2015; destes, 27 ocorreram no continente americano.

A lista global é encabeçada pelo Iraque, com 309 muertes, a maioria ocorrida em 2003. Depois dele aparecem Filipinas, com 146 assassinatos, e México, com 120, que nos últimos anos se tornou um dos países mais perigosos para o exercício do jornalismo por ter “caído nas mãos da violência do crime organizado, dos barões da droga e seus cúmplices nas administrações dos estados”, diz o relatório.

Só em 2015, no México foram registrados 8 assassinatos de jornalistas.

Mas ele não é o único país do hemisfério na lista. De fato, o continente americano é o terceiro mais perigoso do mundo com um total de 472 trabalhadores da imprensa assassinados desde 1990.

Brasil, por exemplo, ocupou o décimo lugar da lista com 62 assassinatos. Colômbia (56 homicídios), Honduras (39), Peru (36) e Guatemala (36) também foram apontados como perigosos para o exercício da profissão.

O conflito armado da Colômbia, que atingiu o ápice nos anos 90, tornou o país “um campo de morte” quando os jornalistas “foram atacados por grupos paramilitares, pelos rebeldes e inclusive pelas próprias forças de segurança do governo que chegaram a extremos na tentativa de silenciar a liberdade de imprensa”, destaca o relatório.

Desde o golpe de Estado de 2009 de Honduras, “a violência colocou os olhos em jornalistas e trabalhadores de mídia a medida que o clima político se tornava dramaticamente tenso e agressivo”, afirmou o estudo. O país manteve em 2015 o segundo lugar de 2014 no ranking de assassinatos de jornalistas na América Latina, com 5 casos registrados.  

Maior violência, maior impunidade

O nível de violência contra a imprensa e seus profissionais vem piorando desde que a FIP começou a registrar os assassinatos. Durante esse primeiro ano, 1990, a FIP registrou 40 mortes.

Os últimos 10 anos foram especialmente perigosos para os trabalhadores da imprensa. O pior foi 2006, com 155 assassinatos, 37 deles no continente americano. E desde 2010 o número anual nunca foi menor que 100.

Se a maioria destas mortes ocorre em contextos de guerra ou de conflitos armados – que incluem “assassinatos premeditados, atentados com bomba, fogo cruzado ou sequestros cada vez mais violentos” – os altos números têm outras causas.

Países mais mortíferos para jornalistas nos últimos 25 anos. Reprodução da infografia do relatório da FIP.

“Uma das conclusões recorrentes de nossos relatórios é que se registram muito mais assassinatos em situações de paz que em países atingidos pela guerra”, disse Anthony Bellanger, secretário-geral da FIP, no portal da organização. Segundo ele, os jornalistas são “vítimas dos barões do crime organizado e de oficiais corruptos”. Uma conclusão que ganha força na análise dos dez primeiros países mais mortíferos, a maioria fora de um contexto de guerra ou conflito armado.

A segunda grande conclusão é que a impunidade é um agente catalisador da violência contra jornalistas.

“Ironicamente, o número mais impactante pode ser o de investigações nos casos de assassinatos de jornalistas e da prisão de seus autores materiais e intelectuais”, diz o relatório. “A FIP calcula que só um em cada 10 assassinatos é investigado”.

Cabe mencionar que cada organização de defesa da liberdade de expressão e de imprensa utiliza diferentes mecanismos para registrar os assassinatos de jornalistas e sua relação com o exercício de sua profissão. Por esse motivo, os números apresentados pela FIP não coincidir com os apresentados por outras organizações. 




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook