Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Violência contra jornalistas aumentou nas Américas durante 2015, segundo Relatoria Especial da CIDH



Ao menos 27 jornalistas e outros trabalhadores da imprensa foram assassinados no continente americano por razões que poderiam estar relacionadas com seu trabalho durante 2015. Assim registrou a Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos em seu Relatório Anual 2015, divulgado no dia 23 de março.

Além destes casos, o escritório registrou os homicídios de outros 12 jornalistas “em que não é possível determinar sem uma investigação exaustiva o vínculo com o trabalho informativo”.

Precisamente é o aumento da violência contra os trabalhadores da imprensa uma das maiores preocupações da Relatoria Especial, que afirmou ser este o terceiro ano consecutivo em que a situação piora. Em 2014, foram documentados 25 assassinatos e em 2013, o número chegou a 18.

De acordo com a Relatoria, o continente se tornou uma das regiões mais perigosas do mundo para exercer o jornalismo. No hemisfério, o assassinato e o sequestro se tornaram uma das “piores formas de censura”, considerando os efeitos que têm não apenas para as vítimas, mas para a sociedade em geral.

Brasil, Honduras, México, Colômbia, Guatemala, República Dominicana, Estados Unidos e Paraguai foram os países onde houve mais casos de assassinatos de jornalistas. A maioria dos repórteres cobriam temas como crime organizado, corrupção política ou representavam suas comunidades, segundo o documento da CIDH.

No Brasil foram registrados 11 assassinatos, incluindo os casos de Evany José Metzker, Djalma Santos da Conceição, Gleydson Carvalho, Israel Gonçalves Silva e Ítalo Eduardo Diniz Barros. Também entrou na lista o caso de Gerardo Servián, um jornalista paraguaio assassinado em uma cidade brasileira fronteiriça. A Relatoria recomendou ao Paraguai colaborar com as investigações do caso.

Os altos níveis de violência que afetam Honduras encontraram nos jornalistas um alvo. No primeiro semestre de 2015, a Relatoria Especial já havia registrado o assassinato de oito comunicadores, casos em que ainda não foi possível determinar a motivação do crime. Entre eles estão Erick Arriaga, Artemio Deras Orellana, Juan Carlos Cruz Andara, Deibi Adali Rodríguez e Joel Aquiles Torres.

Em um relatório sobre Honduras publicado antes do relatório anual, a CIDH além de apontar este aumento da violência contra jornalistas, afirmou que cerca de 96% desses crimes permanecem impunes.

Por sua vez, o México se tornou na última década um dos lugares mais perigosos para exercer o jornalismo, segundo a Relatoria Especial. Foram assassinados seis jornalistas por motivos possivelmente relacionados com seu trabalho, e em outros quatro casos não se conseguiu determinar se a motivação para o crime estaria ligada à atividade jornalística da vítima.

Dentre os registros estão os assassinatos de José Moisés Sánchez Cerezo e do fotojornalistas Rubén Espinosa.

Em um estudo prévio sobre o México, a CIDH enfatizou os altos índices de impunidade e as falhas do mecanismo de proteção de jornalistas e defensores de direitos humanos.

Na Colômbia foram apontados quatro homicídios: Luis Peralta, Édgar Quintero, Flor Alba Núñez e Dorancé Herrera. Já na Guatemala houve três assassinatos: Danilo López, Federico Salazar e Guido Villatoro. A Relatoria lembrou que o país ainda tem a necessidade de implementar um mecanismo de proteção especial para jornalistas, o que se pede desde 2012.

Nos Estados Unidos, a Relatoria registrou dois assassinatos, e na República Dominicana, um.

A Relatoria Especial le recomendou aos Estados adotar medidas de prevenção e de proteção para comunicadores que se encontram em especial perigo. Também lembrou da necessidade de realizar investigações “sérias, imparciais e efetivas” sobre os crimes contra jornalistas, julgar e condenar os responsáveis, e reparar as vítimas e seus familiares.

Este tipo de violência, contudo, não é a única que afeta a liberdade de expressão e o trabalho dos repórteres no continente. Segundo a Relatoria Especial, também se registrou um aumento no número de ameaças, intimidações e agressões físicas.

O relatório assegurou que durante 2015 houve um “uso desproporcional da força” por autoridades de alguns Estados no momento de responder ao grande número de protestos e manifestações. Esta resposta não apenas afetou manifestantes, mas também membros da imprensa que foram agredidos, detidos e/ou tiveram seus equipamentos danificados, roubados ou apreendidos.

Tais situações ocorreram em países como Argentina, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Cuba, Equador, Estados Unidos, México e Venezuela. O relatório citou protestos reprimidos na Nicarágua e no Paraguai.

Uma das restrições à  liberdade de expressão observada nos últimos anos pela Relatoria Especial foi o uso do direito penal. De acordo com o último relatório, várias das denúncias apresentadas por funcionários públicos ou candidatos a cargos públicos terminaram em “condenações a penas de prisão de comunicadores ou ativistas políticos ou sociais por crimes contra a honra, como difamação, injúria ou calúnia”.

Foram citadas no relatório a condenação dos dois diretores do periódico El Ciudadano de Chile, acusados de difamar um ex-deputado; a detenção e condenação a trabalho comunitário de um adolescente no Equador por ter feito “várias vezes um gesto obsceno e insultante” ao presidente do país, Rafael Correa; a ação por difamação do então presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Diosdado Cabello, contra os meios El Nacional, La Patilla e Tal Cual, e seus diretores.

O relatório critica a Lei Orgânica de Comunicação (LOC) do Equador, aprovada em 2013, e destaca que durante 2015, sob esta nova lei, “foram impostas numerosas sanções de comunicação de forma incompatível com os padrões internacionais em matéria de direito à liberdade de expressão”.

Para a Relatoria Especial, preocupam “as sanções desproporcionais” do organismo criado pela LOC – a Superintendência de Informação e Comunicação (Supercom).

Em junho do ano passado, quando a Supercom completou dois anos de atividades, a entidade havia executado mais de 500 processos contra meios de comunicação, sancionado 313 empresas midiáticas e imposto multas que chegaram perto de 274 mil dólares. Algumas de suas sanções mais polêmicas foram impostas ao chargista do jornal El Universo Xavier Bonilla ‘Bonil’, que chegou a ser obrigado a retificar um de seus trabalhos.

Argentina, Equador e Venezuela também foram apontados comos países onde altos funcionários governamentais atacam jornalistas e meios de comunicação “que publicam informação que não é do agrado das autoridades” com declarações estigmatizantes.

O relatório fala também dos avanços em matéria de liberdade de expressão em cada país. Um deles foi a condenação a 36 anos de prisão do ex-deputado colombiano Ferney Tapasco, acusado de ser o autor intelectual do assassinato do jornalista Orlando Sierra, ocorrido em 2002. Outro destaque foi a aprovação da Lei Geral de Transparência e Acesso à Informação Púbica no México.

O trabalho da Relatoria faz parte do Relatório Anual 2015 da Comissão Interamericana de Direitos Humanos




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook