Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Jornalistas e líderes comunitários recebem ameaças no sudoeste da Colômbia




Autoridades colombianas estão novamente investigando ameaças contra jornalistas e líderes comunitários feitas por meio de panfletos distribuídos e assinados com o nome de um grupo criminoso.

Em 28 de março, um e-mail com um panfleto anexado foi enviado para 25 endereços, incluindo os de muitos jornalistas de meios de comunicação locais e nacionais, no estado de Cauca, no sudoeste da Colômbia. Foi assinado por "Águilas Negras".

"Os seguintes bastardos são alvos militares declarados, juntamente com suas famílias e associados", dizia o panfleto. "Os jornalistas servis ao castro-chavismo que conhecemos estão escondidos em todos os meios que servem a um processo de paz do qual o traiçoeiro [presidente colombiano, Juan Manuel] Santos está entregando o país a narco-terrorismo".

A nota passava então a listar alvos, incluindo professores e ativistas sociais, e dava aos ameaçados de uma semana para deixar Cauca.

A Fundação para a Liberdade de Imprensa (FLIP, na sigla em espanhol) rejeitou as ameaças e solicitou às autoridades nacionais que investiguem o incidente. Além disso, a organização pediu ao governo nacional "que garanta a liberdade de expressão durante o diálogo com as FARC."

Segundo a Rádio W, Todd Howland, representante na Colômbia do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, disse que está “levando este panfleto a sério, estamos analisando a linguagem para tentar ajudar o Ministério Público e a polícia na investigação."

O jornal colombiano El País informou que Howland visitava a cidade de Popayán, em Cauca, para apresentar um relatório sobre os direitos humanos quando saiu a notícia do panfleto.

As autoridades estão avaliando a autenticidade das ameaças, de acordo com o Proclama del Cauca, um dos meios de comunicação que receberam o e-mail. A empresa de notícias disse que houve ataques contra líderes comunitários e indígenas em Cauca nos últimos meses.

Panfletos com ameaças similares contra jornalistas e líderes sociais circularam por todo o país nos últimos anos.

Na maior parte do século passado, a Colômbia tem sido o lar de combates entre as forças estaduais de segurança, guerrilhas de esquerda, cartéis de drogas, gangues criminosas e paramilitares.

Apesar da assinatura de um acordo de paz entre o governo colombiano e uma das maiores organizações paramilitares, Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) em 2003, e a subsequente desmobilização dos grupos paramilitares, alguns continuam a operar no país. Grupos criminais, conhecidos como bacrim, também estão ativos.

O governo colombiano e o maior grupo guerrilheiro do país, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), começaram as negociações de paz em outubro de 2012. No entanto, o prazo de 23 de março de 2016 para a assinatura do tão esperado acordo de paz passou sem acordo.

Em 30 de março, o governo e os líderes de outro grupo guerrilheiro, o Exército de Libertação Nacional (ELN), anunciaram a abertura de negociações de paz depois de 50 anos de luta.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook