Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Esposa de jornalista com mandado de prisão paga indenização a presidente do Equador



Acompanhada dos seus filhos, amigos e simpatizantes, Verónica Saráuz, esposa do jornalista equatoriano Fernando Villavicencio, certificou diante da Unidade Judicial Civil de Quito o pagamento de US$ 47.306 como  indenização para Rafael Correa.

O julgamento que decidiu pelo pagamento da reparação a Correa começou em 2011 quando o presidente entrou com um processo contra Villavicencio, o ex-deputado Cléver Jiménez e o médico Carlos Figueroa por injúria. Na época, os três acusados denunciaram Correa de ter cometido crimes contra a humanidade, por supostamente ter ordenado a incursão armada no Hospital de la Policía, durante a revolta policial de 30 de setembro de 2010, segundo Fundamedios.

Tanto Villavicencio, como Jiménez e Figueroa receberam ainda uma sentença de 18 meses de prisão. Mas, em agosto de 2014, um tribunal diminuiu a condenação para 12 meses. Figueroa cumpriu a sua sentença, mas Villavicencio e Jiménez se refugiaram na Amazônia até prescrever o tempo de prisão, em março de 2015, informou El Comercio.

Assim, em 17 de maio de 2015, o juiz Edwin Ceballos ratificou o pagamento de US$141.000 a Correa, dividido entre os três acusados, publicou El Comercio.

Para que os seus bens não fossem tomados, a família de Villavicencio conseguiu juntar o dinheiro por meio de uma campanha “Um dólar para Correa”, com a qual conseguiram arrecadar parte do dinheiro, completando o total com empréstimos de amigos e familiares, segundo disse Saráuz ao veículo.

Depois da indenização ter sido paga em 26 de janeiro, o advogado do jornalista, Julio César Sarango pediu à justiça que retire as medidas cautelares contra o seu cliente, informou Notimundo.

Villavicencio está na clandestinidade desde 21 de dezembro, disse Saráuz, desde que a sala do Tribunal Contencioso Tributário revogou o Hábeas Corpus que tinha sido concedido ao jornalista no final de novembro de 2016 por outro julgamento, informou El Universo.

A esposa do jornalista também disse ao site Ecuador Transparente que estão recebendo uma série de ameaças contra a sua família e que responsabiliza Correa por qualquer coisa que possa acontecer com eles ou ao seu esposo.

Em 5 de janeiro de 2017, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) pediu ao governo equatoriano que seja informada sobre o caso de Villavicencio, Jiménez e Figueroa, e as medidas cautelares que solicitou para eles em março de 2014 – as mesmas que ratificou em agosto de 2016. A comissão deu 20 dias ao governo equatoriano para que se pronuncie sobre o caso, informou o El Comercio.

Em seu informe, a CIDH disse que “a imposição da sentença penal privativa de liberdade no presente assunto gera um grave risco de dano irreparável à liberdade de expressão", publicou El Comercio.

O El Telégrafo publicou que o governo de Correa lamentou e refutou a postura da CIDH, dizendo que a comissão não tem as competências para conceder as medidas cautelares solicitadas por Villavicencio.

O jornalista e ex-sindicalista, assim como Jiménez, enfrenta ainda um julgamento desde 2013 por supoestamente ter hackeado os emails de funcionários públicos e divulgado informação confidencial do governo sobre o litígio entre o Estado e a empresa de petróleo transnacional Chevron.








Assine aqui a nossa newsletter semanal!

Nome Completo

Email *
Selecione as listas que deseja subscrever
Boletim Semanal (Português)

Boletín Semanal (Español)

Weekly Newsletter (English)
email marketing
by activecampaign

Facebook

Comentários recentes