Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Brasileiro e mexicano têm o nome inscrito no memorial do museu da liberdade de expressão em Washington




João Miranda do Carmo, do Brasil, e Marcos Hernández Bautista, do México, estão entre os 14 nomes adicionados no dia 5 de junho ao Memorial dos Jornalistas no Newseum, em Washington, D.C.

Estes jornalistas representam "todos aqueles que morreram em busca da notícia em 2016", de acordo com o museu, que promove a liberdade de expressão e a Primeira Emenda dos EUA. Tanto o México quanto o Brasil estão entre os países mais mortíferos para jornalistas em 2016, de acordo com o Comitê para Proteção dos Jornalistas (CPJ).

Carmo foi morto no dia 24 de julho de 2016, em sua casa em Goiás. Na época, seus amigos disseram que o jornalista, dono do site SAD Sem Censura, recebeu ameaças de morte. De acordo com o Newseum, o chefe de segurança da prefeitura e seu filho foram presos pelo assassinato.

João Miranda do Carmo (Foto do Facebook)

Hernández, correspondente do Noticias Voz e Imagen de Oaxaca, foi morto enquanto entrava em seu carro, no dia 21 de janeiro de 2016, na região de Costa, no estado de Oaxaca. Em 2017, o ex-comandante de polícia Jorge Armando Santiago Martínez foi considerado culpado pelo assassinato e sentenciado a 30 anos de prisão.

Os outros jornalistas adicionados ao memorial neste ano morreram no Afeganistão (2), na Índia, no Iraque (2), na Líbia, na Somália, na Síria (4) e na Ucrânia.

"Os jornalistas do ano passado enfrentaram perigos sem precedentes enquanto se esforçavam para reportar as notícias, muitas vezes em países onde a liberdade de imprensa está em perigo ou é inexistente", disse Gene Policinski, diretor de operações do Instituto Newseum, de acordo com um comunicado de imprensa.

Ao todo, os nomes de 2.305 repórter, fotojornalistas, trabalhadores de rádio e TV e executivos da mídia têm o nome no Memorial dos Jornalistas, monumento com dois andares e registros que começam em 1837. Entre os nomes homenageados, 535 foram mortos na América Latina.

Para coincidir com a inclusão dos nomes no memorial, o Newseum apagou a exibição das primeiras páginas de jornais de todo o mundo, que geralmente são uma das mostras diárias mais populares. Pelo terceiro ano seguido, também será promovida a campanha #WithoutNews (Sem Notícias) nas redes sociais para “chamar a atenção para as ameaças contra jornalistas em todo o mundo.”

Assim como este ano, os latino-americanos adicionados à lista em 2016 eram do México e do Brasil. O fotojornalista Rubén Espinosa Becerril foi morto em um apartamento na Cidade do México em 31 de julho de 2015. Gleydson Carvalho foi morto a tiros no dia 6 de agosto de 2015, enquanto gravava seu programa no Ceará.

O jornalista paraguaio Pablo Medina foi homenageado no Newseum no ano anterior. Ele e sua assistente, Antonia Almada, morreram em outubro de 2014 enquanto apuravam uma pauta perto da fronteira brasileira.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook