Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Ex-paramilitares não serão beneficiados com sentenças reduzidas em relação a ataque contra jornalista colombiana Jineth Bedoya



A Suprema Corte de Justiça da Colômbia confirmou a exclusão dos benefícios oferecidos pela Lei de Justiça e Paz a dois ex-chefes paramilitares por considerar que eles não disseram a verdade na investigação sobre o caso de sequestro, tortura e violência sexual contra a jornalista Jineth Bedoya Lima, ocorrido há 17 anos, informou o jornal El Tiempo.
 
Jineth Bedoya Lima creó en 2009 la campaña 'No es hora de callar' para combatir la violencia contra las mujeres. Foto: cortesía diario El Tiempo.
A recente decisão da Suprema Corte confirmou a sentença de agosto de 2016 da Sala de Justiça e Paz do Tribunal Superior de Bogotá, que decidiu excluir Mario Jaimes Mejía, conhecido como 'El Panadero', e Alejandro Cardenas Orozco, ou 'JJ', por considerar que, conforme reportou o jornal El Espectador na época, "evidentemente mentiram quando narraram sua participação e conhecimento dos fatos em relação ao plano para sequestrar a jornalista."
 
A Lei de Justiça e Paz, ou Lei 275 de 2005, foi aprovada no âmbito do processo de paz realizado entre o governo e o grupo paramilitar Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC). Alguns dos benefícios oferecidos pela lei incluem a possibilidade de pagar uma pena alternativa de oito anos de prisão, em lugar das penas mais longas que poderia dar a Justiça comum.
 
Na decisão deste 9 de agosto, a Suprema Corte declarou que quem quiser se beneficiar das penas alternativas deve "em todos os momentos dizer a verdade, não só sobre os fatos dos quais tomou parte como autor ou partícipe, mas também sobre aqueles dos quais tomou conhecimento durante o exercício de sua actividade à margem da lei", acrescentou El Tiempo.
 
Bedoya Lima foi sequestrada, torturada e estuprada enquanto realizava um trabalho jornalístico na prisão Modelo de Bogotá, no dia 25 de maio de 2000, onde entrevistaria um ex-chefe paramilitar.
 
Tanto Jaimes Mejía como Cardenas Orozco disseram em suas primeiras declarações à Justiça que não tinham tido qualquer participação nos crimes cometidos contra a jornalista. No entanto, mais tarde, mudaram sua versão e admitiram seu envolvimento.
 
Uma vez divulgada a decisão da Suprema Corte, Bedoya escreveu em sua conta no Twitter: "Agradeço de coração suas mensagens e apoio. Agora, seguimos! Temos muito que fazer e sonhar. #NãoÉHoraDeCalar #SeValeSerFeliz".
 
No dia 18 de março de 2016, Jaimes Mejía foi condenado a 28 anos de prisão depois de ter se declarado culpado pelas acusações de sequestro simples, tortura e relação sexual violenta contra Bedoya Lima. Durante a audiência, ele também pediu perdão à jornalista por suas ações.
 
Em fevereiro de 2016, Cardenas Orozco se tornou o primeiro condenado neste caso e recebeu 11 anos e 5 meses de prisão pelos crimes de sequestro simples e tortura. O ex-paramilitar não aceitou a acusação de ato sexual violento, razão pela qual continua sendo julgado e poderia receber uma nova sentença, informou El Tiempo.
 
Em uma conversa com o Centro Knight em outubro de 2016, Bedoya Lima afirmou que pelo menos 27 pessoas estiveram envolvidas no crime, mas que apenas três foram levadas à Justiça e duas foram condenadas.
 
A jornalista também expressou frustração porque as pessoas diante da Justiça estão relacionadas com a autoria material do crime, mas não houve avanços no indiciamento dos autores intelectuais, que supostamente incluem agentes do Estado colombiano.



Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook