Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Cinco anos de MOOCs: jornalistas e estudantes contam como os cursos online do Centro Knight lhes ajudaram em suas carreiras



Para comemorar o 5º aniversário do nosso programa de cursos massivos abertos online (MOOCs), pedimos a nossos estudantes que nos contassem como nossos MOOCs ajudaram em suas carreiras.

Ficamos impressionados com os testemunhos que recebemos e, como o consentimento dos alunos, gostaríamos de compartir algumas das respostas.

Estaremos acrescentando mais depoimentos nos próximos dias.

Se você cursou um dos nossos MOOCs e deseja contar sua história, por favor envia uma mensagem para o email knightcenter(arroba)austin.utexas.edu


Participar dos MOOCs me dá a chance de aprender técnicas com profissionais que são referência em jornalismo de dados, além de me conectar e trocar experiências com jornalistas do mundo todo. O que aprendi nos cursos, uso no meu dia a dia na redação e repasso os conhecimentos aos colegas de profissão e estudantes de comunicação na cidade. É um grande programa, que multiplica conhecimento! Hoje consigo manipular grandes bases de dados e fazer o cruzamento de informações, graças às técnicas que aprendi no MOOC Data Exploration and Storytelling: Finding Stories in Data with Exploratory Analysis and Visualization. Sou uma grande entusiasta do programa! Parabéns à equipe pelo alcance nestes cinco anos!

Jamile Santana

Mogi das Cruzes (SP), Brasil

Repórter do G1


Ter descoberto os cursos do Knight Center foi algo encantador. Para quem mora distante das grandes capitais e tem uma rotina corrida seja nas redações ou com a vida acadêmica (no meu caso a combinação de ambos), nem sempre é simples encontrar cursos voltados para jornalistas, com professores de qualidade reconhecida e que se adaptam aos nossos horários. Imagina tudo isso e ainda sem uma cobrança de mensalidade: a combinação perfeita. Quando conheci o trabalho do Knight Center, em 2008, ainda não estavam no ar os MOOCs. Naquela época, fiz um curso com o Roberto Toledo sobre Reportagem com Auxílio do Computador. Era uma discussão ainda inicial, porém extremamente importante e que trouxe contribuições fundamentais para refletir e compreender como o jornalismo estava se transformando com a multiplicidade de recursos trazidos pela era digital.

Algo interessante que vi se repetir ao longo dos 10 cursos e MOOCs que tive a oportunidade de concluir foi como o Centro Knight se preocupa em nos mostrar as ferramentas, mas também em desenvolver o potencial humano, desenvolvendo nossas habilidades com a narrativa audiovisual, exercitando nosso olhar crítico diante dos dados públicos aos quais temos acesso, nos fazendo duvidar das declarações oficiais, incentivando o fact-checking e combatendo as fake news.

O mais legal é que o aprendizado não está só nas aulas disponibilizadas, mas também (e uma das melhores partes) nas trocas que são feitas com os colegas nos fóruns. Tenho orgulho em dizer que conheci muita gente legal nesses processos. Muita gente que colaborou para o meu crescimento profissional e cujo trabalho, realizado em diferentes cantos do país ou até fora dele, possivelmente eu não conheceria sem os Moocs.

Preciso falar (e agradecer mais uma vez) ainda de duas oportunidades muito especiais que tive graças ao Centro Knight: realizei duas viagens que também me trouxeram uma carga importante de conhecimento. Em 2014, fiz um curso de Introdução a Visualização de Dados e Infografia buscando aprimorar meus conhecimentos na área, melhorando meu olhar de repórter diante das possibilidades trazidas por esses recursos e assim levando um conteúdo melhor e mais interativo para os leitores do Diário de Santa Maria, veículo no qual trabalhava. Meu trabalho final “Onde o crime faz morada” foi um dos oito selecionados para uma viagem a São Paulo, onde participamos do 10º Congresso Brasileiro de Jornais e ainda tivemos a oportunidade de visitar as instalações do Google Brasil.

No ano seguinte, fui uma das seis brasileiras selecionadas para participar do Isoj, no Texas, com a reportagem A prisão do ex-padre João Marcos Porto Maciel, em Caçapava do Sul, no curso de jornalismo móvel. Não preciso nem dizer como participar do ISOJ é uma experiência única. Conhecer a Universidade do Texas e acompanhar de seu epicentro as principais discussões sobre o futuro do jornalismo é maravilhoso.

Só tenho a agradecer ao Knight Center todas as contribuições que tem trazido para o meu crescimento profissional. Vida longa ao Knight Center e a essa sua maravilhosa “teimosia” em batalhar por um jornalismo mais humano e de maior qualidade.

Marilice Daronco

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutoranda em comunicação na Universidade Federal de Santa Maria, analista de comunicação da Fundação Eny e freelancer da Folha de S. Paulo.


Meu nome é José Paulo Kupfer, sou jornalista profissional há 50 anos e tenho me sentido estimulado pelos cursos MOOC do Knight Center a, ao mesmo tempo, não só me manter atualizado com as novas ferramentas utilizadas na profissão, mas também tomar contato com a visão de colegas sobre essas ferramentas e seus usos.

Fiz o curso de Fact Checking ministrado pela Cristina Tardágquila, da Agência Lupa, e pude constatar que são propostas flexíveis e acessíveis, sem perda de qualidade informativa e com profundidade adequada para abordagens básicas.

Com base nessa experiência positiva, acabei de me inscrever no MOOC "Introdução à Programação: Python para Jornalistas".

Recomendo os MOCC do Knight Center para velhos, como eu, e jovens jornalistas.

Abraços.

José Paulo Kupfer

colunista - O Globo/Estado de S. Paulo


Um dia recebi um convite para fazer um curso no Centro Knight para o Jornalismo. Veio a dúvida afinal o que iriam me ensinar eu já faço no meu trabalho. Só que ninguém sabe de tudo, então resolvi fazer o curso. A partir da 3ª semana veio a confirmação: novidades surgiram, novas ideias, meus vídeos ficaram diferentes, voltaram os elogios, e eu tive a coragem de falar “retornei para a sala de aula”. Novos equipamentos, novas ideias, novos ângulos, um novo olhar, uma nova abordagem, um novo roteiro, o mesmismo sumia na propulsão que o curso chegava ao fim. Hoje, fico feliz por ter tomado a atitude certa, a de me reciclar ao fazer o curso do MOOC.

Abraços Carlos Senna Jr

Jornalista


O meu nome é Ricardo França de Gusmão, jornalista, no mercado há 26 anos, com passagens por redações de jornais impressos, TVs e assessorias de imprensa. Atualmente trabalho na Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro. Nesse tempo muita coisa mudou. Surgiram as plataformas digitais e novos produtos. Mudou tudo: a linguagem, a edição, os equipamentos. Surgiram novos cargos e funções.

Me atualizar era uma questão de sobrevivência profissional. Muitos colegas da minha geração foram demitidos por conta dessa revolução tecnológica e do enxugamento das redações. Então, fui apresentado aos cursos abertos online (MOOCs) do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas da Universidade do Texas, em Austin, pelo meu irmão, Fábio Gusmão, editor do jornal Extra (RJ).

Mas foi após um convite do Professor Rosental Alves que fiz o meu primeiro curso: ‘Videojornalismo: narrativas visuais para plataformas digitais’. Após este, fiz o curso ‘Introdução ao Jornalismo Imersivo: Realidade Virtual e Vídeo 360’. Aos poucos, minha visão mudou do analógico para o digital. Comprei equipamentos, softwares, uma câmera 360º . E ainda estou trilhando o caminho de mudança da minha ‘plataforma’ profissional.

Os cursos MOOCs do Centro Knight foram cruciais para essa mudança de paradigmas. A qualidade dos professores, o material didático atualizado ministrado em vídeos, textos e infográficos são de primeira linha. Os cursos abordam as mais recentes tendências do jornalismo mundial. E a chancela do Google News Lab agrega valor às minhas certificações.

O ambiente participativo e integrado da plataforma MOOC (com fóruns, videoconferências, mesas-redondas virtuais no Google Hangouts) promove um network de qualidade. Me possibilita integrar uma grande comunidade internacional de jornalistas, fazer amigos e conhecer a realidade da nossa profissão em mais de 170 países, de todos os continentes. Trocar experiências e me colocar como um ‘agente’ com status globalizado. Deixei de ser ‘local’. E isso está sendo determinante para a minha carreira.

Ricardo França

Rio de Janeiro, Brasil

Jornalista


Sou profissional da área de comunicação e há 4 anos venho enfrentando um desafio muito comum em meu país, o Brasil, que é a manutenção da empregabilidade após os 50 anos. Recentemente conheci os cursos massivos e abertos online (MOOCs) oferecidos pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas da Universidade do Texas em Austin. Uma grata surpresa, pois me permite ter acesso a aprendizados de primeira classe e de ponta sem custos. Para quem está fora do mercado formal, com investimentos restritos ou nulos para aprimoramentos, esta oportunidade tem sido de grande valia. No mais, só tenho a agradecer e parabenizar a todos os que estão envolvidos nesse grande projeto de democratização de acesso à educação de qualidade e sem fronteiras.

Muito obrigada!

Rosa Fonseca


O aprendizado é uma necessidade humana e  profissionalmente a formação continuada é um pilar essencial para podermos conhecer mais nossa prática e transformá-la para melhor. Foi com essa motivação que comecei minha aventura pelos cursos online do Knight Center. Após a graduação, os cursos surgiram como um modo de continuar aprendendo mais sobre o jornalismo, aplicando na minha prática profissional e fundamentando minhas leituras de materiais jornalísticos. Agradeço pela oportunidade oferecida por estar em contato com profissionais que são referência e por continuar aprendendo diariamente! Parabéns ao Knight Center e aos profissionais envolvidos no desenvolvimento dos cursos. Vamos continuar na luta em busca de um jornalismo que atue em prol da cidadania.

Luiza Mylena Costa

Florianópolis - Brasil

Jornalista - Cantos de Goiás  


Fiz, pela primeira vez, o MOOC sobre "Fact-checking", neste ano, pelo Knight Center. Agradeço muitíssimo a generosidade desta importante (e renomada) instituição, bem como seu caráter democrático e ético no trato com o público-alvo dos cursos oferecidos.

O curso "Fact-checking" foi, para mim, uma grande (e grata) novidade, uma prova de inovação na prática jornalística, em consonância com a realidade atual de um mundo cada vez mais informatizado. O curso me proporcionou, sobretudo, um aumento de consciência quanto a primar pela qualidade de pesquisa e do texto que redijo, e tenho feito este esforço. Dá trabalho, mas o resultado final é gratificante, nosso trabalho fica original. Gostaria de continuar estudando este tema, que acabou por ficar sedimentado no meu coração.

Obrigado a todos/as do Knight Center!

José Moutinho (jornalista freelancer)

Brasil, Rio de Janeiro


Em 2016 realizei o MOOC Produção de Vídeos Jornalísticos para a Internet, com João Wainer, e o curso foi absolutamente incrível.

A dinâmica de aprendizagem foi muito boa, as dicas de um profissional super experiente foram preciosas e todo o material preparado para o curso foi excelente.

Gostei muito de ter tido essa oportunidade, pois não havia feito nenhum curso massivo anteriormente.

Acredito que o MOOC é uma forma bastante futurista de adquirir conhecimento, promovendo a democratização do saber de um jeito prático, fácil e cômodo.

Parabéns Knight Center! Gratidão pela oportunidade

Mylena Petrucelli Brun

Cuiabá, Mato Grosso, Brasil


Como jornalista formada em textão para jornalão, em transição de carreira, os MOOCs do Knight Center me ajudaram a me atualizar e acompanhar a transição pela qual o jornalismo está passando. Aprendi novas habilidades, um novo jeito de fazer, adquiri novos conhecimentos e isso já é muito importante, mas o mais relevante para mim foi recuperar a paixão pelo jornalismo. Graças aos MOOCs de jornalismo de dados redescobri o que quero para minha carreira daqui para frente, que é me dedicar ao jornalismo investigativo. Atualmente, como freelancer, faço pesquisas de due diligence mergulhando em base de dados públicas que agora sei ler, e sei preparar e isolar dados que preciso no meu trabalho de forma mais eficaz e rápida. Quem diria: fiquei proficiente em planilhas. É muito bom fazer parte dessa comunidade tão generosa em compartilhar conhecimentos e ajudar na qualificação ou requalificação, como é meu caso, no jornalismo. Obrigada Knight Center, Rosental Alves e toda a equipe pelo trabalho de vocês.

Rosângela Lotfi

São Paulo

Freelancer - ExitBase


Conheci os cursos oferecidos pelo Centro Knight apenas neste ano e posso dizer que foi uma das melhores descobertas para a minha carreira. Fiz um curso incrível de videojornalismo e ainda tive a chance de conhecer a sede do Youtube no Rio de Janeiro após a conclusão. É a melhor plataforma de cursos onlines que já experimentei e tem uma dinâmica incrível, na qual o aluno participa ativamente nas trocas de conhecimento. Já estou me matriculando no próximo curso. Obrigada, Centro Knight!

Fernanda Garcia

Goiânia, Brasil  

Jornalismo - Rádio Bandeirantes 820, Gaya Comunicação


Esta narrativa é, definitivamente, um agradecimento.  Em 2014, vi no MOOC “Introdução ao Jornalismo Mobile” a possibilidade de me aperfeiçoar em uma área que considerava necessária e com a qual tinha afinidade, principalmente em relação a vídeo.  Minha intenção era galgar uma oportunidade profissional para produzir reportagens audiovisuais na redação do jornal O Popular, onde eu trabalhava na época como repórter na editoria de Esportes.  

Meu projeto de vídeos de um minuto, em que apresentava opções de turismo e lazer em Goiânia - uma capital vista como pacata e desinteressante pelos próprios moradores -, foi selecionado como um dos melhores trabalhos finais no curso. Os vídeos foram produzidos com um celular ultrapassado, fones de ouvido e distribuídos por WhatsApp. Como prêmio, acompanhei o Simpósio Internacional de Jornalismo Online (ISOJ), em Austin (TX), em abril de 2015.  

Acompanhar o ISOJ foi a experiência mais fantástica que poderia acontecer.  Vi abrir diante de mim um leque de possibilidades de comunicar, novas maneiras de contar histórias e praticar jornalismo. Tudo direto da fonte, relatado por representantes das mídias mais respeitadas no mundo. Criei uma nova perspectiva da profissão e tive muita vontade de dividir e praticar o que aprendi.

Mal voltei a Goiânia, após a viagem aos Estados Unidos, e estreava no Popular o primeiro produto jornalístico pensado em termos de formato e execução para as mídias sociais. Ele finalmente invertia a lógica que colocava o impresso em um patamar mais valorizado. O jornal daquele dia tinha uma matéria que explicava um produto digital: o “Aproveite a cidade”, uma série de quatro vídeos apresentando Goiânia, inspirado no meu projeto final do MOOC.

A receptividade do Aproveite nas redes sociais foi ótima. Foi bem assistido para o parâmetro que tínhamos, gerou engajamento e comentários positivos. Mas a preocupação da redação era basicamente fluxo e audiência para o site. Só consegui mudar de função e trabalhar com vídeos para internet seis meses depois. Fui a primeira jornalista do Popular com a função de pensar o multimídia.

Foi desafiador estruturar a lógica produtiva para que o vídeo fosse visto como um conteúdo independente, mas que agregava valor ao material produzido rotineiramente. Antes, os vídeos reproduziam o que já estava disponível em texto. Foi necessário mobilizar fotógrafos para a nova linguagem, ir para a rua como videomaker, indicar como deve ser feito, editar, conversar com editores, repórteres.

Em certo ponto, a produção se voltou mais para programas fixos do que para reportagens. Até que o MOOC “Produção de vídeos jornalísticos para internet” em julho de 2016 clareou o que deveríamos aplicar para entregar conteúdo em vídeo de qualidade. Houve boa mobilização dos profissionais da redação em torno deste curso.

Pela segunda vez, tive um trabalho premiado e fui uma entre os 15 alunos do MOOC que visitaram o Youtube Space, em São Paulo. Foi importantíssimo saber utilizar as funcionalidades da plataforma da melhor maneira. Mais que do que isso, conhecer como a produção de vídeos para a internet funcionava em outros veículos, trocar experiências e aprender com João Wainer detalhes da rotina produtiva que não entraram no MOOC... totalmente enriquecedor!

Em novembro de 2016, com orientação de uma amiga que trabalha há anos no mercado publicitário, consegui enxergar o potencial de negócio do “Aproveite a cidade”. Eu não tinha de voltar a fazer meu produto dentro da redação. Talvez, eu devesse construir a oportunidade de aplicar o que aprendi em MOOCs, cursos de especialização e na pós-graduação de gestão em mídias digitais estruturando meu próprio negócio, com uma perspectiva diferente do “ser jornalista” que tinha vivido até ali.

Demorou um pouco, muita coisa aconteceu pelo caminho, mas em junho de 2017 coloquei a plataforma de conteúdo “Aproveite a cidade” no ar. Claro, um belo time trabalhou para fazer acontecer. Com o propósito de mudar a maneira como as pessoas se relacionam com as cidades por meio da informação, o veículo trabalha com linguagem adequada aos cinco meios em que se apresenta: site (aproveiteacidade.com), Youtube, Instagram, Facebook e Twitter.

Entendemos que promover a conexão real de pessoas com lugares é uma missão cidadã. Isso as torna mais conscientes de sua história, da aplicação de dinheiro público, da necessidade de conservar, cobrar melhorias e como fazê-lo. Ainda estamos no começo, mas o negócio mostra-se com perspectiva sustentável. Também queremos aplicar a partir de 2018 formas inovadoras de monetização.

Não é fácil. Minha dedicação é integral. Mas a relação com as pessoas que seguem o “Aproveite a cidade” é incrível!  Acho que estou no caminho certo e ele começou com conhecimento de um MOOC do Knight Center, um celular, um fone de ouvido e a ajuda da minha irmã, então com 17 anos e nenhuma técnica, gravando vídeos numa manhã de terça-feira nos bosques de Goiânia.

Muito obrigada!

Paula Falcão

Goiânia – Brasil

Aproveite a Cidade


Meu nome é Amós Fernando Zacarias. Sou jornalista freelancer, residente na cidade de Tete,  centro de Moçambique. Através do MOOC participei de uma formação em 2014 sobre Jornalismo Móvel. O curso foi muito interessante, moldou a minha forma de ver e de olhar para um telemóvel. A partir daquele curso, o telemóvel para mim deixou de ser um simples instrumento de comunicação e passou a ser, para mim, um instrumento de trabalhos jornalísticos.

Com o curso aprendi a produzir e editar vídeos através de um telemóvel. Ao mesmo tempo aprendi a editar áudios pelo telemóvel.

Na minha carreira, com o curso, consegui fazer coisas maravilhosas usando o telemóvel, para produção de vídeos e fotografias. Por exemplo, com o meu telemóvel consegui fazer as primeiras fotografias e vídeos que foram publicados por vários órgãos de comunicação sobre a tragédia de Caphirizange, ocorrida em novembro de 2016.

O que significa que o telemóvel é hoje um dos meus preferidos instrumentos de trabalho, porque com ele consigo fazer as coisas muito rapidamente.

De resto, pelos cinco anos da MOOC, vão meus parabéns e espero que ofereçam mais cursos e quiçá conferências envolvendo jornalistas e estudiosos de comunicação dos diversos pontos do mundo. Por outro lado, que os cursos sejam mais focados para os países subdesenvolvidos, nos quais prevalecem ainda inúmeras dificuldades para os jornalistas, principalmente para aqueles que querem ser freelancers.

Um abraço!

Obrigado, Tabonga, Kanimambo, Thank You

Amós Fernando Zacarias

Licenciado em Jornalismo

Escola de Comunicação e Artes Universidade Eduardo Mondlane

Jornalista freelancer/Correspondente DW-África

Oficial de Comunicação e Marketing do FCID




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook