Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Como inovadores argentinos criaram Chequeado e o tornaram um dos líderes mundiais em fact-checking



*Esta reportagem faz parte de um projeto especial do Centro Knight sobre Inovadores no Jornalismo Latino-Americano e Caribenho.


Em um dia ensolarado de maio, membros da equipe do Chequeado cuidadosamente instalaram um grande jogo de tabuleiro na Plaza Moreno em La Plata, na Argentina. Toda a cena tinha um ar de fantasia: dados que requerem duas mãos para segurar, peões com mais de um metro de altura e artistas de circo que chamavam passantes a tentar a sorte na versão do site de fact-checking para "La Oca", ou o Jogo do Ganso.

Mas, havia algo mais importante além da diversão e do jogo. O tabuleiro contava a história do progresso (ou da falta dele) por trás das obras do poder público na cidade três anos após uma inundação histórica. As descobertas foram resultado de investigações jornalísticas de Chequeado, de alguns meios de comunicação e jornalistas locais e de um hackathon que contou com a participação de vizinhos, engenheiros, programadores e estudantes do ensino médio.

Ao longo daquele mês, o mesmo processo foi repetido nas praças de outras quatro cidades ao redor do país, com foco em problemas locais. Os resultados das investigações jornalísticas tradicionais também foram publicados em meios locais.

O projeto, produzido com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Democracia (UNDEF), foi um dos maiores do site até agora, de acordo com a coordenadora de projetos de Chequeado, Olivia Sohr. O site de fact-checking, hoje em seu sétimo ano, está "sempre tentando pensar em novas formas de apresentar informações para que seja mais acessível e chegue ao mundo inteiro", explicou.

Durante eventos em cinco cidades argentinas, o Chequeado montou um jogo de tabuleiro para veicular descobertas de investigações locais recentes. (Facebook)

Este tipo de apresentação inovadora e investigação rigorosa é o que fez de Chequeado, o site pioneiro de fact-checking na América Latina, uma referência e um mestre para a verificação de dados na região e em todo o mundo.

"O Chequeado é uma organização notável. Eles estiveram entre os primeiros projetos digitais de fact-checking do mundo e agora podem ser considerados um dos líderes mundiais", disse Alexios Mantzarlis, diretor da Rede Internacional de Fact-Checking (ICFN, na sigla em inglês), ao Centro Knight. "Eles têm inovado continuamente seus formatos, canais e abordagens com o objetivo de buscar o maior impacto possível em benefício de sua causa: aumentar a precisão na esfera pública".

O site argentino, lançado em outubro de 2010, tornou-se o grande promotor de uma aposta jornalística que vem ganhando popularidade rapidamente e agora conta com quase 15 meios de diferentes países latino-americanos em suas fileiras.

Os fundadores

A história do nascimento de Chequeado é atípica. Especialmente porque seus três fundadores não se encaixam no perfil esperado para este tipo de projeto jornalístico: eles não eram jornalistas, não vinham do mundo da política e não tinham experiência no setor de organizações sem fins lucrativos.

Eram três profissionais - um físico, Julio Aranovich; um economista, José Alberto Bekinschtein, e um químico, Roberto Lugo - já veteranos em suas áreas, com mais de 60 anos de idade, prestes a se aposentar ou já aposentados. Todos os três estudaram e viveram por anos fora da Argentina, mas como a diretora Laura Zommer explica, eles "eram consumidores com uma necessidade não satisfeita pelos meios de comunicação tradicionais; cidadãos informados que identificaram uma deficiência ".

Olivia Sohr, que foi a primeira funcionária de Chequeado e atualmente é diretora de projetos do site, disse ao Centro Knight que Aranovich "viveu muito tempo nos Estados Unidos, onde estabeleceu sua carreira, e lá conheceu o FactCheck.org". Quando voltou para a Argentina, ele pensou que uma iniciativa como essa "poderia funcionar muito bem" em seu país em um momento - o ano de 2009, com Cristina Fernández de Kirchner como presidente - em que o ambiente político e de comunicação era muito rarefeito. "A depender do que eles liam na Argentina", acrescentou Zommer, "eles eram informados sobre duas Argentinas muito diferentes". E isso não era muito aceitável para profissionais que vinham do mundo científico.

A atual equipe do Chequeado (Cortesia)

Sohr, que se formou em Sociologia, chegou ao site após apenas breves incursões no jornalismo. Chequeado era interessante por dois motivos: "o desafio de começar algo do zero", explica, e "a idéia de ajudar a construir um debate público mais rico" com base em dados verificáveis ​​e não apenas em opiniões que não são contestadas. "Esse espírito de Chequeado - Sohr acrescentou -, que era a forte ideia dos fundadores, é que se queremos cidadãos que participem ativamente da democracia, precisamos que eles sejam informados com os dados básicos para poder armar suas opiniões."

Um pouco mais de um ano e meio após o lançamento público, o site passou por um episódio crucial para seu futuro: a incorporação de uma diretora com ampla experiência jornalística.

A jornalista e advogada Laura Zommer é diretora executiva e jornalística de Chequeado desde maio de 2012, embora tenha estado em contato com o projeto por um bom tempo antes disso.

Zommer estudou Comunicação e Direito e tem ensinado durante duas décadas sobre Direito à Informação na Universidade de Buenos Aires com foco no acesso à informação e dados abertos. Aos 22 anos, ela começou no jornal La Nación, onde cobria questões judiciais, direitos civis, corrupção ou transparência na política, entre outros temas. Após um período temporário como chefe de gabinete no Ministério da Segurança Interna, ela voltou ao La Nación e também começou a trabalhar como diretora de comunicação no think tank argentino CIPPEC. Lá ela conheceu Chequeado e se apaixonou pelo projeto.

 Laura Zommer ministra uma palestra na Latam Chequea, evento regional de fact checking patrocinado pelo Chequeado. (Cortesia)

Apesar de ter uma pequena equipe editorial quando lançaram Chequeado publicamente em outubro de 2010, os fundadores mantiveram Zommer informada sobre o progresso da iniciativa para saber a opinião da jornalista e porque havia uma convicção mútua de que "mais cedo ou mais tarde eu iria trabalhar com eles", explicou Zommer.

Segundo Zommer, um ex-diretor de arrecadação de fundos da CIPPEC que Chequeado contratou como consultor disse a eles "que as pessoas apoiam, além de boas ideias, pessoas que podem realizá-las". O problema com Chequeado era de duas frentes: por um lado, seus promotores já eram muito veteranos; por outro, a equipe jornalística era muito jovem, mesmo que fosse brilhante. Para ganhar dinheiro, eles precisavam contratar uma diretora, "e foi aí que eu entrei", disse Zommer.

A aposta tinha seus riscos econômicos, mas Zommer explica que aceitou o desafio porque "estava bastante convencida de que queria voltar ao jornalismo e nenhum dos espaços de jornalismo na Argentina tinha a liberdade com a qual eu esperava trabalhar".

Desde que se juntou à empresa, Zommer tem liderado a gestão executiva combinada com a coordenação jornalística, na esperança de poder se concentrar um dia exclusivamente no jornalismo.

Seus primeiros objetivos: tornar Chequeado independente de seus fundadores, aumentar seu impacto e torná-lo mais profissional.

O crescimento de Chequeado

Tornar Chequeado um projeto mais profissional envolveu muitas coisas. Por exemplo, estabelecer um método de trabalho rigoroso e compartilhá-lo com leitores e outros sites interessados ​​na verificação de dados. Além disso, definir melhor o tipo de checagens a serem realizadas, aprimorando os formatos de apresentação ou aumentando a equipe com novos perfis profissionais.

O site nasceu com dois jornalistas muito jovens com pouca experiência profissional. Como Sohr explica, "foi muito difícil aparecer e dizer que o que o presidente diz é falso", então, desde o início, para ganhar a credibilidade do público, eles aplicaram muita transparência ao seu trabalho. Eles desenvolveram um método que, quando Laura Zommer chegou, foi escrito e publicado na web para todos verem. "O método em Chequeado", acrescentou Sohr, "ajudou-nos a organizar melhor o que já estávamos fazendo. Se seguíssemos todos os passos, seria difícil cometer um grande erro".

Agora, esse método de fact-checking foi compartilhado com sites do mundo todo. Também é usado por Chequeado em hackathons e por suas equipes de voluntários - estudantes ou graduados em comunicação, economia, direito ou ciência política, que são treinados por Chequeado e ajudam nas investigações jornalísticas.

A equipe atual de Chequeado é composta por 16 profissionais (no momento são 15, mas há uma vaga aberta para um novo editor). É uma equipe jovem. Três pessoas têm mais de 30 anos de idade, mas as outras têm menos de 30 e Chequeado é o primeiro emprego de muitas delas. "Temos uma equipe pequena, mas é muito eficiente e muito boa", disse Zommer.

Checagens, artigos diários ou explicações são a parte central do trabalho jornalístico do site. É a devoção central da redação, que consiste em cerca de seis pessoas, embora a maioria da equipe colabore de uma forma ou de outra no trabalho diário. Conforme explicado no próprio site, "checamos as declarações de políticos, economistas, empresários, figuras públicas de mídia e outras instituições formadoras de opinião, e as classificamos como ‘verdadeiro’ a ‘falso’ de acordo com o quão consistentes são em relação aos fatos e aos dados a que se referem". Chequeado também trabalha eventualmente com jornalistas de outros meios em determinados projetos.

"Seja através de seus GIFS, seus programas educacionais incrivelmente bem-sucedidos, ou suas visualizações de debates ao vivo, Chequeado sempre tem o leitor (o cidadão informado) em mente", disse Mantzarlis, da ICFN. "Além disso, eles têm sido generosos no apoio a novos projetos de fact-checking em toda a América Latina".

Investindo na inovação

A aposta do site em encontrar novas formas de informar o público é mais evidente na designação de um diretor de inovação.

Pablo M. Fernández começou a trabalhar na mídia em 2002 aos 20 anos de idade, cobrindo tecnologia. Depois de atuar em cargos de liderança nas revistas Information Technology e Apertura, trabalhar como editor da homepage do La Nación e completar um breve período no empreendimento ElMeme, Fernández ingressou na Chequeado em 2015, primeiro atuando como coordenador de inovação e se tornando diretor um ano depois. Ele é, na prática, o número dois da equipe de Chequeado.

Um dos principais desafios da equipe de inovação é "pensar em termos de novos formatos" para apresentar a informação e alcançar um público mais amplo "mantendo a qualidade jornalística", como Fernández explicou ao Centro Knight. Além disso, ele também desenvolve ferramentas tecnológicas para tornar o conteúdo de Chequeado mais atraente.

Chequeabot (Courtesy)

Mas um dos campos mais inovadores em que a equipe de inovação de Chequeado está trabalhando é inteligência artificial e o uso de algoritmos para automatizar tarefas. "Estamos criando um sistema de checagem automatizado que nos ajudará a verificar mais rápido. É nosso próprio desenvolvimento com ferramentas abertas. Se chama Chequeabot", explicou Fernández. O nome foi escolhido pela comunidade de leitores entre várias opções propostas pela equipe de Chequeado.

Diariamente, esta ferramenta localiza frases verificáveis ​​em cerca de 30 meios e as apresenta em uma reunião de pauta que Chequeado realiza todas as segundas-feiras, "como se fosse um jornalista", disse Fernández. Desta forma, a equipe de Chequeado pode revisar muitos outros meios, especialmente em áreas da Argentina que não foram cobertas anteriormente. Chequeabot produz um ranking das frases que considera mais testáveis. "De um modo geral, é correto", disse Fernández, "mas também há um componente de aprendizado automático", uma vez que a equipe editorial pode indicar se o bot está certo ou errado.

A tecnologia que a equipe de inovação de Chequeado está desenvolvendo também permite que ela ganhe em velocidade. "O robô", explicou Fernández, "nos informa quando encontra uma frase similar que já verificamos. Em tempo real. Essa é uma grande vantagem." Assim, a equipe pode reagir com grande velocidade e "isso gera muitas visitas, muito engajamento".

A diretora de Chequeado também está convencida de que eles precisam ser o mais rápidos quanto for possível. "Os geradores de conteúdo sempre serão mais rápidos do que nós", argumenta Zommer, "porque é mais fácil inventar do que informar". Ela acrescentou: "Assim como eles usam a tecnologia para viralização, temos que ser capazes de usar a inteligência artificial em todos os processos de checagem onde podemos fazer isso sem humanos." Fernández acrescenta que isso "permitirá que os humanos se concentrem na parte de explicar e colocar os dados em contexto, o que a inteligência artificial ainda não faz melhor do que a gente".

Outra função do robô Chequeado, que ainda está em desenvolvimento, é fornecer os melhores dados possíveis sobre um tema atual. Por exemplo, se o presidente do país fala sobre pobreza, o robô pode apresentar os melhores dados disponíveis sobre esse assunto ao jornalista.

A equipe deixa muito claro que este robô será uma ajuda importante, mas nunca terá a última palavra. Esta sempre pertencerá à equipe editorial.

Fernández enfatizou que atualmente "nada está sendo feito em espanhol a esse respeito, e acreditamos que pode ser algo que outras redações podem replicar". Em inglês, este mesmo projeto está sendo desenvolvido pelo meio britânico Full Fact.

O Chequeado trabalha com o veículo de mídia UNO para compartilhar checagens por meio de GIFs. (Chequeado)

Independentemente do trabalho tecnológico baseado em algoritmos, talvez o mais claro - ou pelo menos o exemplo mais ousado - exemplo de inovações em formatos que Chequeado produziu até agora tenha sido a apresentação de resultados na forma de GIFs com desenhos animados, um projeto feito em colaboração com o meio argentino UNO, que é voltado principalmente a millennials e está totalmente orientado para telefones celulares e redes sociais. Zommer explica que "a leitura dos artigos originais que possuem GIFs aumenta porque eles circulam mais".

Fernández explicou que "foi bastante revolucionário para Chequeado porque vínhamos trabalhando de maneira muito rígida". A prática de apresentar um resumo das checagens por meio de ilustrações animadas "funcionou muito bem", disse ele. Também funcionou porque "muitas pessoas nos liam nas redes sociais" e para um meio sem fins lucrativos como Chequeado "é muito importante alcançar as pessoas por meio das redes, mesmo que elas permaneçam lá".

Modelo de negócio de Chequeado

Chequeado faz parte da fundação La Voz Pública para a verificação do discurso público, uma organização sem fins lucrativos.

A diversificação dos canais de renda é uma das chaves do seu modelo de negócio. O site tem quatro fontes principais de renda.

O mais importante, por volume, é a cooperação internacional, que em 2017 representou 59% da receita total. De acordo com Zommer, a cada ano Chequeado conta com entre nove e 13 bolsas ou doações institucionais. Os principais são da Omydiar Network e das Open Society Foundations, mas também receberam auxílio das embaixadas de Nova Zelândia, Canadá, Holanda, Grã-Bretanha ou Estados Unidos, bem como outras entidades.

A segunda fonte de renda é de empresas (17% em 2017). Como uma decisão estratégica, Chequeado não veicula publicidade em suas páginas. A ajuda das empresas vem por meio de eventos como "La Noche de Chequeado", o principal evento de angariação de fundos do site que acontece todos os anos na segunda-feira antes do Dia do Jornalista (7 de junho). As empresas pagam para participar com o objetivo de expandir o reconhecimento de suas marcas entre jornalistas, acadêmicos e líderes sociais presentes. A participação tem aumentado anualmente (cerca de 350 jornalistas compareceram em 2017). Existem também empresas que apoiam projetos específicos dos programas de educação ou inovação de Chequeado.

As próprias atividades de Chequeado são a terceira fonte de renda (14% em 2017). Zommer acredita que organizações sem fins lucrativos como Chequeado devem "ser capazes de monetizar o capital social que geram". Neste caso, por exemplo, eles cobram pela publicação do conteúdo do Chequeado em outros meios ou pela realização de cursos online.

Finalmente, doações individuais representam 10% da renda total. Elas variam de US$ 5 por mês a US$ 10 mil por ano - estes últimos doados pelo fundador e CEO do site de comércio eletrônico Mercado Livre, Marcos Galperin. Atualmente, existem cerca de 400 doadores individuais e o número aumenta a cada ano.

Noche de Chequeado (Facebook)

Atualmente, embora "alguns anos sejam mais tranquilos do que outros", explica Zommer, "estamos equilibrados". Nesses anos, eles conseguiram acumular um excedente em algumas ocasiões.

O site recebe aproximadamente 300 mil visitas mensais, mas, de acordo com Zommer, "nossa audiência excede um milhão de pessoas" quando todas as plataformas e meios em que o conteúdo está presente são levadas em consideração. "E com certeza", acrescenta, "nesse milhão estão todos os políticos, acadêmicos e jornalistas relevantes" da Argentina.

Do ponto de vista da audiência, o salto principal ocorreu durante o primeiro debate presidencial na Argentina em 2015. "O tráfego cresceu 700% naquele ano, e então nosso desafio foi não perdê-lo", disse Zommer.

Mas, um dos maiores - e mais difíceis - desafios que a equipe de Chequeado atualmente enfrenta é medir seu impacto. Não é simplesmente saber quantos cliques uma determinada história atinge, ou como um tema circula pelas redes sociais, ou quantas vezes um trabalho específico é citado em outros meios. Isso é importante, mas os responsáveis ​​pelo projeto querem avançar muito mais para "trabalhar sobre as coisas que realmente têm o maior impacto" na sociedade, como explica Olivia Sohr.

É um projeto no qual a equipe está constantemente trabalhando, em várias frentes. Por exemplo, eles realizam pesquisas e grupos focais com o público. Eles também participam da Rede Internacional de Fact-Checking (IFCN, na sigla em inglês) - o Chequeado faz parte do comitê de direção da entidade -, onde ferramentas comuns são desenvolvidas para serem usadas pelas diferentes organizações que fazem parte da rede "para tornar [a checagem de fatos] mais barata para todos e também para poder comparar o impacto alcançado com essas ferramentas em diferentes lugares ".

Fazendo um balanço dos primeiros sete anos do site, a diretora Laura Zommer reflete sobre as conquistas alcançadas. Eles desenvolveram um modelo financeiro que permite jornalismo de qualidade, estabeleceram uma marca associada à confiança e criaram uma equipe muito auto-exigente que trabalha para responsabilizar as pessoas em nome de sua audiência.

Mas Zommer ainda vê espaço para melhorias. Eles precisam descobrir como divulgar melhor sua pesquisa "e olhar mais" para o que Chequeado produz, não se movendo tão rapidamente para o próximo projeto.

A emoção sentida pela equipe da Chequeado quanto às possibilidades oferecidas pela verificação de dados, juntamente com seu compromisso permanente com a inovação, predizem um futuro brilhante para este projeto. Não se limite a acreditar no que estamos dizendo. Confira você mesmo.


A série "Inovadores no Jornalismo", que é possível graças ao generoso apoio da Open Society Foundations, abrange as tendências e as melhores práticas da mídia digital na América Latina e no Caribe. Ele continua nossa série anterior, transformada em ebook, Jornalismo Inovador na América Latina, ao analisar as pessoas e equipes que lideram iniciativas inovadoras de reportagem, narrativa, distribuição e financiamento na região.

Veja outras histórias da série:








Assine aqui a nossa newsletter semanal!

Nome Completo

Email *
Selecione as listas que deseja subscrever
Boletim Semanal (Português)

Boletín Semanal (Español)

Weekly Newsletter (English)
email marketing
by activecampaign

Facebook

Comentários recentes