Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Defensores da liberdade de imprensa assinam manifesto em solidariedade a jornalistas venezuelanos que saíram do país



Depois de quatro jornalistas do site de jornalismo investigativo Armando.info deixarem a Venezuela devido a um processo de difamação iminente, um importante grupo de jornalistas e organizações que defendem a liberdade de expressão e a imprensa em toda a América Latina assinaram um manifesto alertando sobre a grave deterioração das condições enfrentadas pela imprensa venezuelana.

O manifesto publicado pelo Instituto Imprensa e Sociedade da Venezuela (IPYS, por suas iniciais em espanhol) se solidariza com a situação de exílio em que se encontram atualmente os jornalistas Ewald Scharfenberg, Joseph Poliszuk, Alfredo Meza e Roberto Deniz, do site Armando.info.

"As ações penais que estão sendo aplicadas contra jornalistas e diretores de meios agravam ainda mais a situação de liberdade de expressão na Venezuela e agravam os riscos que já existem contra o jornalismo profissional", diz o documento. "Na Venezuela, não existe um sistema judiciário independente, e os tribunais são freqüentemente usados ​​para punir a imprensa que reporta os fatos".

Entre as organizações que assinaram a declaração estão a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), a Associação Nacional de Imprensa da Bolívia (ANP), o Centro de Arquivos e Acesso à Informação Pública do Uruguai (CAInfo), a Fundação para a Liberdade de Imprensa da Colômbia (FLIP), o Fórum de Jornalismo Argentino (FOPEA), a Fundação Andina para Observação e Estudos de Mídia no Equador (Fundamedios), o Instituto de Imprensa e Liberdade de Expressão da Costa Rica (IPLEX), os Institutos de Imprensa e Sociedade do Peru e da Venezuela (IPYS).

Além disso, mais de uma dezena de jornalistas assinaram a carta até agora, incluindo Carlos Dada, do El Faro (El Salvador), Mónica Almeida, do El Universo (Equador) e Rosental Alves, diretor do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas.

Os jornalistas de Armando.info deixaram seu país depois de serem processados ​​por um empresário colombiano ligado ao presidente Nicolás Maduro e ao governo venezuelano. As acusações contra eles são penais e cada um pode receber uma pena de prisão de um a seis anos e uma multa de aproximadamente US$ 59 mil.

Um dos jornalistas, Alfredo Meza, disse ao Centro Knight que "uma das coisas que nos obrigou a sair é que nos disseram que não tínhamos nenhuma chance de ganhar o julgamento. A juíza encarregada do caso nunca ditou uma sentença contra o governo, e nós sabemos disso por causa de nossas investigações e da base de dados que temos ".

Desde que esta denúncia criminal foi apresentada pelo colombiano Alex Saab, em setembro de 2017, os jornalistas receberam várias ameaças e ouviram rumores sobre sua situação legal que os levaram, aconselhados por seus advogados, a deixar a Venezuela por um período de tempo indefinido.

Saab processou-os por difamação agravada continuada e injúria agravada após a publicação de dois artigos escritos por Deniz. Ambos os artigos, publicados em abril e setembro de 2017 em Armando.info, apontam que Saab tem vínculos financeiros com o programa do governo venezuelano para combater a fome e a escassez, os Comitês Locais de Abastecimento e Produção (CLAP).

De acordo com os artigos “Empresarios cuestionados en Ecuador y EE.UU. le venden comida al Gobierno venezolano”, e “De Veracruz a La Guaira: un viaje que une a Nicolás Maduro con Piedad Córdoba”, Saab é dono de um empresa registrada em paraísos fiscais que superfatura esses produtos, se beneficiando da troca de dólares preferenciais.

De acordo com a declaração assinada por defensores da imprensa e jornalistas, este ataque judicial contra os quatro jornalistas de Armando.info é a 31ª ação penal que o IPYS registrou para crimes de difamação e injúria. A maioria dessas ações foi iniciada por funcionários públicos e empresários contratados pelo Estado.

"Exigimos do Estado venezuelano o cumprimento de normas que garantam o pleno exercício do jornalismo profissional e independente para oferecer informações confiáveis ​​sobre questões de interesse público e proteger o direito de os cidadãos serem informados", afirmou a carta. "Esses crimes devem ser eliminados da legislação nacional de acordo com o pedido do Comitê de Direitos Humanos da ONU feito ao Estado venezuelano em julho de 2015. Este mesmo apelo foi reiterado pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos em várias oportunidades".

Os jornalistas de Armando.info fazem parte de uma lista crescente de jornalistas que deixaram o país nos últimos anos.

Jesús Medina, jornalista do site Dolar Today, postou no Twitter em 7 de fevereiro que havia voltado para a Venezuela depois de sair em novembro de 2017 devido a ameaças contra ele por seu trabalho. O jornalista ficou dois dias desaparecido no início de novembro e disse se tratar de um seqüestro em represália a sua reportagem sobre a prisão de Tocorón.








Assine aqui a nossa newsletter semanal!

Nome Completo

Email *
Selecione as listas que deseja subscrever
Boletim Semanal (Português)

Boletín Semanal (Español)

Weekly Newsletter (English)
email marketing
by activecampaign

Facebook