Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Animal Político sacode a classe política mexicana com inovações em conteúdo, apresentação e trabalho colaborativo



*Esta história foi atualizada em 29/03/2018.

*Esta reportagem faz parte de um projeto especial do Centro Knight sobre Inovadores no Jornalismo Latino-Americano e Caribenho.


No México é comum escutar a frase “um passarinho me contou” quando alguém compartilha uma informação cuja fonte não pode - ou não quer - revelar.

Essa frase nunca havia feito tanto sentido para o jornalismo no país como quando o jornalista e empresário de mídia Daniel Eilemberg escolheu um pássaro de cabeça verde como o personagem central do que se tornaria um dos meios nativos digitais de notícias mais influentes do México.

O pássaro surgiu no Twitter como @pajaropolitico (“pássaro político”) em outubro de 2009, época em que a mídia nativa digital ainda não havia decolado no México e o consumo de notícias na internet era quase exclusivamente por meio de sites de jornais, que eram essencialmente réplicas das versões impressas.

Eilemberg convidou o jornalista mexicano Daniel Moreno para estar à frente do projeto de @pajaropolitico. A ave tinha um objetivo específico: ser um personagem que informasse e mantivesse uma conversa direta com os usuários dessa rede social. Isso evoluiu para o que é hoje um meio de comunicação digital nativo que se propôs a inovar em forma e conteúdo com temas que estavam praticamente ausentes da mídia tradicional mexicana.

A inovação de @pajaropolitico começou com esse diálogo direto que poucos da mídia tradicional tinham com seus leitores. É por isso que, desde o início, Moreno colocou uma equipe de jornalistas no comando da conta do Twitter.

"É uma equipe que confirma as informações", disse Tania Montalvo, editora-geral de Animal Político, ao Centro Knight. "Se você envia uma mensagem ou uma reclamação para qualquer meio neste país, a verdade é que você raramente tem uma resposta, e nós trabalhamos de uma maneira totalmente oposta. Eu não estou trabalhando para o político ler, mas para os cidadãos. Acho que isso nos distingue e também acho que os leitores valorizam muito ”.

Esse diálogo foi um fator determinante um ano depois, quando @pajaropolitico lançou seu site. Moreno e sua equipe perceberam que os temas que mais interessavam a seus seguidores no Twitter eram a corrupção, o ambiente, a violência e a falta de responsabilização dos políticos, tópicos que a mídia tradicional abordava, mas não investigava com atenção.

Ao longo de sua carreira de quase 30 anos no jornalismo, e seu tempo nos jornais mais influentes do México, como Reforma, El Universal, Milenio, Excelsior, El Financiero e El Economista, Moreno pôde ver que essas questões eram abordadas pela mídia tradicional, mas não completamente investigado.

"O fato de termos abordado de maneira quase obsessiva as questões de corrupção e direitos humanos fez uma diferença importante em um país onde o jornalismo tende a ser muito político. Acho que tivemos a virtude de abordar essas questões por cima das fontes tradicionalmente políticas", disse Daniel Moreno, agora diretor geral de Animal Político, ao Centro Knight. "As investigações para revelar casos de corrupção não são - nem de longe - algo comum na mídia mexicana. E no caso dos direitos humanos, a norma é contar os mortos, reproduzir a versão oficial, revitimizar as vítimas."

Animal Político, considerado um dos primeiros meios exclusivamente digitais no México, foi lançado em novembro de 2010 com a intenção de trabalhar sobre estas questões. Naquela época, os meios digitais nativos de notícias baseados nos EUA como o The Huffington Post e o Politico estavam em modo de expansão total.

Animal Político notou que a maioria de seu público tinha entre 25 e 35 anos, e perceberam que este setor da audiência não estava satisfeito com o jornalismo de declarações, mas exigia provas mais concretas. Por esse motivo, o site baseou-se no jornalismo de dados para apoiar suas reportagens. Os editores sabiam que era importante saber como transmitir essa informação ao público.

Daniel Moreno, diretor-geral de Animal Político (Divulgação)

"Basear uma investigação jornalística em dados, informações concretas, provas e documentos deve ser um requisito a ser cumprido por qualquer investigação jornalística", disse Moreno. "Estou convencido de que os jornalistas do Animal Político aprenderam como usar bancos de dados, processar informações, extrair dos documentos informações jornalísticas altamente relevantes, cruzar os dados para encontrar coincidências e revelações."

A equipe do site tornou o gerenciamento de dados parte de sua rotina diária. Montalvo liderou o projeto NarcoData em 2015, um dos mais representativos do jornalismo de dados no México. É a primeira plataforma digital interativa que explica a presença e a evolução do crime organizado no México desde os anos 70.

Graças a esta gestão do jornalismo de dados, o trabalho do Animal Político teve um impacto na realidade de seu país em mais de uma ocasião. Uma de suas reportagens mais emblemáticas é "Las Empresas Fantasma de Veracruz", publicada em 2016, que revelou como o governo do Estado de Veracruz utilizou uma rede de corporações fictícias para desviar milhões de pesos.

O projeto tem uma série de artigos, infográficos, vídeos e documentos que foram usados ​​para explicar em detalhes o esquema de corrupção usado pelo então governador Javier Duarte, atualmente preso.

"Eu digo isso sem nenhuma dúvida: sem a reportagem, Javier Duarte nunca teria sido investigado", disse Montalvo. "Ele inicialmente negou tudo, mas continuamos a publicar as provas, e a pressão foi tão grande que ele renunciou e fugiu do país".

Como resultado de "As Empresas Fantasma de Veracruz", realizada em colaboração com a organização Mexicanos contra a Corrupção e a Impunidade, Animal Político colocou a questão da corrupção no centro da cobertura política da mídia, em grande parte graças à forma em que eles apresentavam informações tão complexas, tornando-as fáceis de entender.

Captura de tela da reportagem “Las Empresas Fantasma de Veracruz”

Para a distribuição da reportagem nas redes sociais, os editores decidiram usar emojis, o que não era comum para um meio de comunicação sério, especialmente com um assunto tão pesado quanto a corrupção. O resultado foi que o conteúdo também reverberou em públicos que não leem hard news com frequência.

"Foi uma decisão editorial que acabou tendo resultados muito bons", disse Yosune Chamizo, designer de informação do site, ao Centro Knight. "Esse tipo de coisa nos ajudou a nos aproximar de novos setores, porque no fim do dia Animal Político tem informações muito sérias, e há um grupo de pessoas que talvez não estejam interessadas nesse tipo de conteúdo."

A reportagem rendeu ao autor Arturo Ángel Mendieta o prestigioso Prêmio Alemão de Jornalismo Walter Reuter, que celebra o jornalismo mexicano. O anúncio do prêmio disse que o júri considerou a reportagem "um dos trabalhos de maior impacto nos últimos anos no México" e que foi "fundamental para expor os excessos e abusos de um governo como o de Javier Duarte de Ochoa". Ángel e o jornalista Víctor Hugo Arteaga também ganharam o Prêmio Nacional de Jornalismo Mexicano em 2016 na categoria de Reportagem Investigativa. No anúncio dos vencedores, o júri salientou o “trabalho rigoroso de cruzamento de informações, verificação de dados oficiais e investigação no local, apresentado em formato multimídia”.

Mas a equipe por trás das reportagens especiais do Animal Político vai além das pessoas cujas assinaturas aparecem no topo do artigo. O site aprendeu que o escopo de uma reportagem é multiplicado quando membros de todas as áreas da redação estão envolvidos na sua execução desde o início.

"Trabalhamos nas investigações como uma equipe, nunca é uma pessoa apenas fazendo isso, é uma equipe de oito ou dez pessoas", disse Montalvo. "Há dois repórteres com habilidades totalmente diferentes que trabalham juntos e que desde o começo estão trabalhando com o editor com uma perspectiva externa, mas também com uma equipe de vídeo, uma equipe de design e um editor de público. Portanto, o impacto é muito maior. "

"É uma necessidade atual da mídia ter essas equipes de três partes: programador - jornalista / comunicador - designer de informação", disse Chamizo. "Essa combinação de três pessoas com esses perfis é o que possibilita fazer especiais como esse".

A arte de saber apresentar a informação

Ao trabalhar com grandes quantidades de dados para um produto jornalístico, o design da informação torna-se fundamental. Por isso, o site decidiu fortalecer sua equipe de jornalistas multimídia em janeiro de 2017 com uma nova estratégia de vídeo e design e também criou a posição de designer de informação para Chamizo, que possui experiência em visualização de dados e um mestrado em design de informação. O objetivo era criar equipes multidisciplinares para atender a demanda por formatos que os leitores de mídias digitais nativas exigem, algo mais visual, compreensível e fácil de compartilhar nas redes sociais.

Jornalistas do site aprendem que embora o conteúdo seja o mais importante, a maneira em que ele é apresentado também é fundamental. (Captura de tela)

La Estafa Maestra” (“A fraude mestre”), outro dos projetos especiais do Animal Político que teve um impacto significativo, utilizou o poder de Chamizo com a organização da informação, bem como as habilidades de apresentação da equipe de multimídia. É uma investigação complexa que revela um esquema de desvio que envolve dependências do governo federal, universidades públicas e empresas fantasmas.

A reportagem, que foi publicada em 10 de janeiro de 2018, envolveu a análise e organização de múltiplos bancos de dados e informações de três repórteres.

"Cada repórter trabalha de uma maneira diferente e, depois, você precisa coletar as informações, porque não é necessariamente uma informação padronizada", disse Chamizo. "Foram vários meses - dois ou três - para nada mais do que reunir as informações dos três repórteres em um banco de dados unificado para poder medir o que estava acontecendo. Foi um passo fundamental, e sem essa etapa não teríamos publicado até hoje."

Graças à aplicação do design de informação, essa enorme quantidade de dados pode ser traduzida em elementos muito mais fáceis de consumir. A investigação foi apresentada em várias reportagens em texto, vídeo e infográficos e até mesmo em quadrinhos. Cada um desses elementos visava as preferências de diferentes tipos de público.

"É uma maneira de simplificar as informações, simplificá-las sem banalizá-las", disse Montalvo. "Com os vídeos de 'La Estafa Maestra, você viu e entendeu a fraude perfeitamente. Mas isso não significa que perdemos visualizações em reportagens de texto longo. Havia públicos completamente diferentes que procuravam maneiras diferentes de descobrir o que foi ‘La Estafa Maestra’”.

De acordo com Moreno, a atenção aos formatos e o fortalecimento da equipe de multimídia traduziu-se em um aumento significativo no público de Animal Político em 2017, ano em que o site viu seu maior número de leitores em seus quase oito anos de existência.

"No ano passado, acabamos com mais que o dobro dos números de 2016", disse Moreno. "Estou convencido de que foi a soma de todas essas coisas, e uma delas é o trabalho da equipe de vídeo".

“La Estada Maestra” incluiu um quadrinho que explicava um completo esquema de desvios de fundos públicos. (Captura de tela)
 

Apostar tudo no Facebook e no Twitter é um erro

Para uma mídia digital nativa, uma estratégia poderosa nas redes sociais é de extrema importância. A equipe de Animal Político está ciente disso, e é por isso que criou o cargo de editor de audiência como uma posição-chave em sua redação.

O editor de audiência não é apenas responsável pelos dois gerentes de comunidade do site, mas também participa ativamente da criação do conteúdo, planejamento de especiais e propostas para a apresentação das informações.

"Falar sobre Animal Político e falar sobre isso apenas como uma estratégia de mídia social não dá o panorama completo", disse o editor de audiência, Jorge Ramis. "É uma estratégia 360. É pensar um pouco em termos de marketing, não apenas nos concentrando em redes, mas vendo todos os tipos de canais pelos quais um público quer receber informações e tentar estar lá."

Um desses canais é a newsletter, que os leitores podem assinar gratuitamente. Uma das prioridades de Animal Político para 2018 é fortalecer essa ferramenta para atrair tráfego para seu site por e-mail. Além disso, eles estão considerando a implementação de canais de distribuição para o seu conteúdo por meio do WhatsApp ou Telegram.

No entanto, cerca de 60% do tráfego de Animal Político vem de pesquisas orgânicas, 25% é de acesso direto ao site e apenas 15% vem de redes sociais. Ramis atribui esses números à sua equipe certificando-se de que seu SEO é altamente otimizado. O site confirmou que basear uma estratégia apenas no Facebook e no Twitter é um erro.

"Você tem que olhar para outros canais, as redes não são tudo, você tem que pensar fora da caixa", disse Ramis. "Meios que baseavam tudo em posts pagos no Facebook agora estão perdendo tráfego. Nós não, porque olhamos para outros lados."

Em fevereiro de 2018, Animal Político registrou um total de mais de 8,8 milhões de visitas e atraiu 4,4 milhões de usuários únicos. Nos smartphones - a principal plataforma em que o Animal Político é consumido -, o site ficou entre os três meios digitais nativos de notícias mais lidos do México, com 3,6 milhões de visitantes únicos, logo abaixo de UNOTV.com (7,7) e de SDP News (6,1).

A equipe atribui os bons números em janeiro e fevereiro em grande parte ao seu especial "La Estafa Maestra", que tem sido a história mais consumida do site nas redes sociais até agora este ano, e ao fato de ter envolvido a equipe de audiência no projeto desde o começo. Eles também observam a diversificação dos formatos em que o projeto foi apresentado.

"Quando você envolve um editor de audiência, um gerente de comunidade, a conversa muda e eles podem ter ideias diferentes das que normalmente são feitas", disse Ramis. "A equipe de editores de audiência propôs o título 'La Estafa Maestra' e a hashtag. Foi um grande brainstorming em que muitas mentes com diferentes perfis estão envolvidas e isso garantiu que o trabalho em equipe tenha sido tão produtivo e que o produto tenha sido um sucesso. ”

Pioneiros em fact-checking

Desde janeiro de 2015, Animal Político abraçou a tarefa de avaliar o discurso dos políticos para encontrar inconsistências e informações falsas. El Sabueso (“O cão farejador”) é o nome do projeto de fact-checking do site, que usa uma metodologia inspirada pelos principais sites de fact-checking: Politifact e Chequeado, dos Estados Unidos e da Argentina, respectivamente.

Verificado 2018 é um projeto entre AJ+ en Español, Animal Político, Pop-Up Newsroom e outros meios aliados. (Facebook)

Depois de três anos, El Sabueso é um dos poucos esforços de verificação de fatos que sobreviveram no México, e é o único com reconhecimento do Poynter Institute.

No momento da eleição, a checagem de fatos torna-se uma ferramenta fundamental para jornalistas que buscam expor informações falsas ou o uso de dados manipulados por candidatos. É por isso que Animal Político juntou-se à AJ+ e Pop-Up Newsroom para convocar mais de 60 mídias, tanto digitais quanto tradicionais, para disseminar seu projeto de fact-checking.

Foi assim que o Verificado 2018 surgiu em preparação para a eleição presidencial no país. O projeto, lançado em 12 de março, tem seu próprio site e contas nas redes sociais. Desde aquele dia, dezenas de notas foram publicadas com o selo #Verificado2018, o que significa que são informações que foram analisadas e classificadas de acordo com seu nível de veracidade.

"Estou convencido de que o Verificado 2018 é uma evolução do El Sabueso", disse Moreno. "O espírito tem sido servir o leitor de um formato diferente que consiste em aumentar o custo da mentira, não permitindo que a classe política possa mentir para as pessoas impunemente".

O site uniu forças com redações como Mexicanos Contra a Corrupção e a Impunidade ou AJ+, bem como com jornalistas independentes, para realizar investigações. Eles também ministraram cursos sobre metodologia e jornalismo investigativo para cerca de uma dúzia de meios.

"Com relação às inovações de Animal Político, eu também acrescentaria que optamos pelo trabalho colaborativo", disse Moreno. "Parto da base de que o trabalho colaborativo é indispensável para os desafios que a mídia independente e os jornalistas em todo o país têm."

O site também fez alianças estratégicas para divulgar seu conteúdo com meios do interior do México e redações menores. E a colaboração ocorreu até mesmo em compartilhar o espaço físico para sua redação.

Após o terremoto na Cidade do México em 19 de setembro de 2017, o prédio onde ficava a sede de Animal Político sofreu danos significativos e teve que ser evacuado. Apesar de não ter uma redação física, a equipe intensificou seu trabalho e desenvolveu a cobertura #Sismo19S, com o apoio da Mexicanos Contra a Corrupção e a Impunidade, que os hospedou em suas instalações.

Alianças com outros meios também têm vantagens comerciais e de negócios. Em 2018, Animal Político ingressou no Grupo Editorial Criterio, que publica a revista Newsweek en Español e opera diversos jornais em diferentes Estados do país. O objetivo é aproveitar a força comercial de um meio de comunicação tradicional bem posicionado e, ao mesmo tempo, aproveitar novos canais para disseminar conteúdo.

"Eles têm muito mais experiência para fazer negócios, vendas, o que foi muito complicado e não tínhamos tanta capacidade para fazer", disse Montalvo. "Newsweek é um enorme canal de transmissão. Ler o conteúdo do Animal Político na Newsweek dá a você um plus."

Antes dessa aliança, Animal Político teve que fazer grandes esforços para seu financiamento, como a maioria dos meios de comunicação independentes. A maior parte de sua receita - 45% - vem de propaganda via publicidade programática e outra parcela importante - 25% - de cursos e consultoria para outras empresas.

Frame do vídeo da campanha de corwdfunding #ElijoAnimal

Desde o início, o site tinha subsídios para projetos específicos, embora recentemente esse tipo de financiamento correspondesse a 25% de seu financiamento total, graças a contribuições de organizações como a Open Society Foundations e a Ford Foundation. Além disso, graças à campanha #ElijoAnimal, 5% de sua receita é proveniente de crowdfunding.

Grande parte de sua publicidade vem do Animal Gourmet, seu site vertical que foca em comida e gastronomia, o que é mais atraente para os anunciantes. Dessa forma, eles conseguiram evitar a publicidade do governo, o que lhes permite reforçar sua imagem como mídia independente.

"Não somos o único meio que não recebe publicidade do governo federal, mas acredito que somos um dos poucos que exigem abertamente a regulamentação da publicidade oficial", disse Montalvo. "Estamos com organizações civis que estão promovendo uma regularização da questão para que não seja usada no resto da imprensa como uma forma de controle e censura, e acredito que os leitores também distinguem isso."

Com o crescimento alcançado ao longo de quase oito anos, e depois de ter se posicionado como um meio com credibilidade, Animal Político pretende continuar ampliando seu alcance com a criação de redações em outros estados mexicanos, ou até mesmo levar sua marca jornalística para outros países latino-americanos.

Além disso, eles continuarão a explorar novas linguagens e formas de trazer informações para seus leitores.

"Hoje Animal Político é mais do que eu um dia imaginei", disse Moreno. "Tivemos a capacidade de nos adaptar ao tempo, de reimaginar o conteúdo, as linguagens, de repensar a maneira de conversar com os leitores. Tudo isso tem sido repensado todos os dias. Então, sim, dizemos que estamos no espírito de imaginar um futuro ambicioso.

 

A série "Inovadores no Jornalismo", que é possível graças ao generoso apoio da Open Society Foundations, abrange as tendências e as melhores práticas da mídia digital na América Latina e no Caribe. Ele continua nossa série anterior, transformada em ebook, Jornalismo Inovador na América Latina, ao analisar as pessoas e equipes que lideram iniciativas inovadoras de reportagem, narrativa, distribuição e financiamento na região.


A série "Inovadores no Jornalismo", que é possível graças ao generoso apoio da Open Society Foundations, abrange as tendências e as melhores práticas da mídia digital na América Latina e no Caribe. Ele continua nossa série anterior, transformada em ebook, Jornalismo Inovador na América Latina, ao analisar as pessoas e equipes que lideram iniciativas inovadoras de reportagem, narrativa, distribuição e financiamento na região.

Veja outras histórias da série:




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook