Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

ECOlab, do El Colombiano, reimaginou um jornal tradicional de dentro para fora




*Esta reportagem faz parte de um projeto especial do Centro Knight sobre Inovadores no Jornalismo Latino-Americano e Caribenho.


Quando Martha Ortiz aceitou a oferta para reformular completamente El Colombiano, um jornal centenário em Medellín, na Colômbia, ela resolveu questionar tudo aquilo em que a indústria jornalística acreditava. E ela fez isso com resultados notáveis.

Ortiz, 48 anos, viveu perto do jornalismo durante toda a sua vida. Sua família era co-proprietária do grupo de mídia El Colombiano, então seu avô e seus pais esperavam que ela se tornasse jornalista. Ela se rebelou e se formou em design industrial em uma universidade de Bogotá, embora mais tarde tenha estudado mídia na Espanha, inglês na Inglaterra e negócios nos Estados Unidos.

Ortiz conhecia bem a história do declínio da mídia tradicional, com a diminuição da circulação, a queda na receita e o surgimento de novos leitores que se mostraram difíceis de cativar.

Em 2009, ela estava trabalhando como consultora independente de mídia, pensando e criando sites de corporações e universidades, quando recebeu uma ligação de Medellín. Jorge Hernández, chefe da outra família que era co-proprietária do grupo El Colombiano, queria que ela redesenhasse um jornal financeiro menor, o La República, o que ela fez com muito sucesso.

Mas quando eles pediram a ela para reformular El Colombiano, a marca centenária, ela sabia que não seriam apenas alguns pequenos ajustes que resolveriam os problemas que continuavam a confundir grandes meios de comunicação em todo o mundo.

Então, em vez de uma proposta para redesenhar El Colombiano, ela entregou uma proposta para convocar uma equipe em tempo integral para reimaginar o que o jornal poderia ser.

"Eu disse que eles precisavam parar de ter medo, sentar para pensar e desenvolver novas ideias", disse Ortiz, que agora é editora-chefe do jornal, ao Centro Knight. "É uma mudança do modelo jornalístico como um todo, uma mudança de conteúdo, do cabeçalho do jornal, de toda a estratégia de comunicação visual".

Martha Ortiz, fundadora do ECOLab (Divulgação)

Para conseguir isso, ela fundou o ECOLab, batizada em homenagem à abreviação de El Colombiano, um laboratório interno de inovação que desde então reformulou uma ampla gama de peças do grupo de mídia El Colombiano.

ECOLab representa um modelo de negócios distinto para o jornal, um órgão interno encarregado de identificar constantemente o potencial de inovação na empresa, para então fazê-lo acontecer. Em um mercado de notícias tão dinâmico, disse Ortiz, os meios precisam estar preparados para se adaptar constantemente.

Em 2015, ECOLab ganhou o prêmio principal do Global Media Awards da International News Media Association (Associação Internacional de Meios de Notícias, em tradução livre), e foi semifinalista em 2016 no concurso da Society for News Design (Sociedade para o Design de Notícias, em tradução livre) de jornal com melhor design do mundo. Os juízes da INMA disseram que ECOLab “abordou centenas de inovações de longo prazo. Capacitou os funcionários a mudar suas rotinas diárias e inovar ”.

“A mudança no formato, no design e na distribuição do jornal foi um desafio para um jornal tradicional e regional”, disse Juan Luis Aristizabal, presidente do conselho de diretores do grupo de mídia El Colombiano. “Este projeto foi bem-sucedido e permitiu que o jornal continuasse sendo um negócio lucrativo neste momento em que toda a mídia impressa está lutando para sobreviver”.

“Martha é inquieta e curiosa em relação ao que está acontecendo com a mídia em nível global, e ela entende os desafios enfrentados pela indústria para se reinventar em um ambiente onde é complicado monetizar o valor agregado da informação e da investigação jornalística”, acrescentou.

Nos seis anos desde a sua criação, ECOLab passou seis meses redesenhando o jornal impresso, seis meses redesenhando o aplicativo móvel, dois anos redesenhando o site, além dos jornais e revistas do grupo.

Antes de criar ECOLab, Ortiz apresentou algumas condições ao seu diretor, Hernández. Se a equipe iria trabalhar tão tediosamente em um projeto tão grande, então Ortiz precisava de uma garantia de que as mudanças propostas seriam implementadas. Ela não queria que a gerência entrasse no último momento com suas próprias ideias. E ela precisava tirar os funcionários dos jornais de suas tarefas por pelo menos seis meses de cada vez.

A equipe do ECOLab no El Colombiano (Divulgação)
 

Ortiz escolheu a equipe de nove pessoas, atraindo funcionários de todas as seções do jornal, da fotografia e da redação ao design e à publicidade. Depois, pediu aos membros que abandonassem a hierarquia - no ECOLab, gerentes e funcionários estavam no mesmo patamar - e todas as outras responsabilidades que tinham no jornal.

"Foi um compromisso muito patriótico", disse Paula Andrea Montoya, uma funcionária de design de revistas que foi escolhida para o primeiro projeto do ECOLab. "Fiquei surpresa com o rigor e a disciplina."

A equipe achou que enfrentaria grandes riscos ao renovar El Colombiano. O jornal, com mais de um século, era uma instituição em Medellín. Eles temiam que mudanças radicais pudessem prejudicar a marca. Independentemente disso, eles começaram a trabalhar.

O processo começou com a análise do mercado de notícias e do lugar de El Colombiano nele, identificando as características importantes ou distintivas de seus meios e seus pontos fortes e fracos. Cada pessoa teve que investigar e analisar 30 jornais ou meios do mundo todo.

Eles realizaram pesquisas e conversaram com os moradores da cidade sobre o jornal, compilaram suas próprias capacidades tecnológicas e de pessoal e contrataram antropólogos para ajudá-los a traçar o perfil de seu público.

Em seguida, a equipe listou todos os objetivos que tinham para o novo El Colombiano e iniciou o árduo processo de lançar ideias. Todo problema requer três soluções potenciais no ECOLab - uma solução natural, geralmente a óbvia; uma solução “contemporânea”, um pouco mais radical; e uma solução “artística”, mais radical ainda. A tática forçou as pessoas a estimular sua criatividade, disse Ortiz.

"Nós mudamos tudo", enfatizou ela.

Seus estudos mostraram que seu novo público tinha uma mentalidade global e queria saber como as tendências internacionais se relacionam com questões locais. A equipe determinou que o jornal impresso não deveria conter apenas as notícias disponíveis na internet; ele tinha que ser "pós-web", analítico. ECOLab expandiu a seção de opinião e acrescentou mais pontos de vista. Eles acrescentaram um contraponto ao editorial diário e inseriram pequenas caixas de fatos por todo o jornal.

Eles dedicaram mais espaço para fotos, que compareceriam em menor quantidade, porém maiores e melhores, focando na criação de um produto mais bonito. Eles inclusive redesenharam o clássico cabeçalho do jornal.

Eles mudaram do formato standard para tablóide grampeado e selecionaram o que consideravam cores dignas da web. Eles mudaram os nomes das seções e eliminaram as letras das seções nos números das páginas.  

"É como quando você organiza sua casa", disse Andrea. “Você pinta as paredes, depois percebe que o chão parece feio e a mobília é velha. As revistas começaram a parecer feias.”

Então a equipe redesenhou as duas revistas semanais, além de um jornal semanal para crianças, El Colombianito. Após seis meses de trabalho, a equipe entregou seu trabalho para a gerência do jornal e se desfez. No ECOLab, novas equipes se reúnem para cada projeto.

Em 2014, o ECOLab começou a trabalhar no redesenho do site do jornal, um empreendimento de dois anos. Os usuários do site aumentaram em 20% após o lançamento da nova página, informou o ECOLab. Redesenhos subsequentes do grupo de jornais de bairro de El Colombiano provocaram um salto de 40% em circulação.

Mais do que gerar produtos com aparência agradável e moderna, Ortiz disse que o principal impacto do ECOLab em El Colombiano é transmitir uma sensação de energia criativa entre os funcionários, em um momento em que a indústria de notícias sente a pressão constante para inovar. Mais de 25 funcionários de El Colombiano passaram pelo laboratório de inovação e participaram do processo pelo qual a mídia tradicional pode, embora lentamente, reformatar-se para atender um público moderno. Os funcionários levam suas experiências no ECOLab de volta para suas mesas quando retornam.

"Estou com a mentalidade e a metodologia do ECOLab tatuadas na minha alma", disse Andrea.


A série "Inovadores no Jornalismo", que é possível graças ao generoso apoio da Open Society Foundations, abrange as tendências e as melhores práticas da mídia digital na América Latina e no Caribe. Ele continua nossa série anterior, transformada em ebook, Jornalismo Inovador na América Latina, ao analisar as pessoas e equipes que lideram iniciativas inovadoras de reportagem, narrativa, distribuição e financiamento na região.

Veja outras histórias da série:




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook