Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Autoridades mexicanas prendem suspeito de matar jornalista Javier Valdez quase um ano após assassinato



A Polícia Federal prendeu um dos suspeitos do assassinato do jornalista mexicano Javier Valdez Cárdenas em 23 de abril em Tijuana, Baja California, segundo Ríodoce. O Comissário de Segurança Nacional (CNS) Renato Sales Heredia anunciou formalmente a prisão em uma conferência de imprensa na Cidade do México no dia seguinte.

O jornalista Javier Valdez foi assassinado em Sinaloa, México, em 15 de maio de 2017.

Sales Heredia disse à imprensa que a pessoa presa é um homem de 26 anos, a quem chamaram Heriberto "N", conhecido como "Koala", ligado ao crime organizado e ao tráfico de drogas, informou Ríodoce. O uso da força foi necessário na operação conjunta para capturar "Koala", disse Sales Heredia.

A notícia da prisão foi divulgada em 23 de abril, quando o secretário do Interior, Alfonso Navarrete, parabenizou via Twitter a Polícia Federal, a Procuradoria-Geral da República (PGR) e o CNS pela bem-sucedida operação.

O Procurador Especial para a Atenção aos Crimes Contra a Liberdade de Expressão (Feadle), Ricardo Sánchez Pérez del Pozo, disse em uma entrevista à revista de jornalismo investigativo Ríodoce, que Valdez co-fundou, que há outro mandado de prisão em andamento relacionado ao assassinato de jornalista. De acordo com o chefe da Feadle, foi estabelecido que três pessoas estavam no Versa cinza que foi usado para assassinar o jornalista, e que Heriberto "N" foi quem o dirigiu.

No Twitter, a Polícia Federal referiu-se a Heriberto “N” como “um dos prováveis ​​autores materiais do assassinato do jornalista Javier Valdez. O trabalho continua para deter os outros responsáveis. ”

Sánchez Pérez del Pozo também disse a Ríodoce que o motivo do assassinato de Valdez Cárdenas está relacionado a informações que o jornalista publicou semanas antes de seu assassinato.

Segundo a PGR, Koala trabalhou na célula do Cartel de Sinaloa, chefiada por Dámaso López Nuñez, vulgo "El Licenciado", preso há um ano na Cidade do México, publicou El Universal.

Meses antes da morte de Valdez, uma onda de violência varreu Sinaloa devido a facções do Cartel de Sinaloa que estavam lutando pelo poder. Os filhos de Joaquín Guzmán Loera, conhecido como "El Chapo", chefe do referido cartel que foi recapturado em janeiro de 2016, e os filhos de Dámaso López Núñez estavam em guerra, segundo Ríodoce.

Nesse contexto, lembrou Ríodoce, Valdez entrevistou Dámaso López Nuñez via mensagens telefônicas sobre a situação e publicou a entrevista na revista em fevereiro de 2017. Os filhos de Chapo pressionaram sem sucesso Valdez a não publicar a entrevista, segundo Ríodoce.

Em 15 de maio de 2017, às 12h, Valdez foi morto perto de seu escritório por um grupo de indivíduos encapuzados que o tiraram do carro e atiraram nele 12 vezes à queima-roupa em Culiacán, Sinaloa.

"A prisão de um suspeito no assassinato de Javier Valdez Cárdenas é um passo bem-vindo, mas pedimos às autoridades mexicanas que identifiquem todos os responsáveis ​​pelo assassinato, incluindo o autor intelectual", disse o representante do CPJ no México, Jan-Albert Hootsen, de acordo com um comunicado de imprensa. "Muitas vezes, as investigações sobre os assassinatos de jornalistas mexicanos ficam paralisadas depois que suspeitos de baixo escalão foram presos, o que permite que a impunidade prospere."

O México é um dos países mais perigosos do Hemisfério Ocidental para se praticar jornalismo, de acordo com o Índice Global de Impunidade do CPJ, no qual o México ocupa o sexto lugar.








Assine aqui a nossa newsletter semanal!

Nome Completo

Email *
Selecione as listas que deseja subscrever
Boletim Semanal (Português)

Boletín Semanal (Español)

Weekly Newsletter (English)
email marketing
by activecampaign

Facebook