Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Comissão Nacional de Direitos Humanos no México lança campanha para educar público sobre violência contra jornalistas



"Com violência não há liberdade de expressão." Este é o nome da campanha lançada pela Comissão Nacional de Direitos Humanos do México (CNDH), com o propósito de aumentar a conscientização sobre os riscos enfrentados por jornalistas, a importância que seu trabalho cumpre na sociedade, a necessidade de sua proteção e as altas taxas de impunidade em casos de violência contra eles.

Durante conferência de imprensa para lançar a campanha, realizada no dia 8 de agosto, o presidente da CNDH, Luiz Raúl González Pérez, apresentou a campanha e disse que o país "tem uma dívida pendente com as vítimas que não podem ser quantificadas ou compensadas" devido aos altos índices de impunidade que as negaram "a verdade, a justiça e a reparação à qual têm direito", de acordo com declaração da instituição.

Segundo dados registrados pela CNDH, 138 assassinatos de jornalistas aconteceram no país desde 2000, enquanto 21 comunicadores desapareceram desde 2005, acrescentou o comunicado.

Esteban Román, vice-diretor de Opinião para o jornal El Universal, que também estava no lançamento, disse que a "campanha é muito relevante" ao levar em conta que cidadãos não consideram essa questão importante.

"Infelizmente o público, as pessoas não levam a questão do risco contra jornalistas, a violência contra jornalistas, os crimes pelos quais são acusados para intimidá-los em seu trabalho, como uma questão prioritária. Os assassinatos, nem mesmo o de Javier Valdez, que tem sido o mais conhecido, está entre as 100 histórias mais lidas do mês", disse Román.

"É um problema sistemático considerar porque a mídia teria que destacar informações relacionadas a ataques contra jornalistas, se acontece com todos os cidadãos; esses são os comentários que nós vemos no dia a dia pelas páginas."

Para Román, é importante sensibilizar o público sobre o papel dos jornalistas em uma democracia e o problema que surge quando não há reparação. De fato, ele apontou como "emblemático" o caso da jornalista Lydia Cacho. A Comissão de Direitos Humanos da ONU recentemente reconheceu a violação de seus direitos humanos. "Nunca houve reivindicação nos tribunais [do México] com nossa companheira", disse.

Balbina Flores, representante do Repórteres Sem Fronteiras no México, destacou como mulheres jornalistas estão propensas a um nível "mais cruel" de violência no país. Há pelo menos 15 casos de mulheres jornalistas que foram mortas ou estão desaparecidas, disse. Uma das críticas de Flores é a falta de "perspectiva de gênero" por procuradores durante a condução das investigações. Ela também criticou que a atividade jornalística das vítimas não seja levada em conta.

Para Leopoldo Maldonado, vice-diretor do Article 19 México, a questão mais séria no país é a normalização da violência "e em particular, a violência contra jornalistas". Ele disse ainda que há casos em que as vítimas acreditam que é normal serem atacadas.

Maldonado destacou os diferentes tipos de ataques contra a imprensa, que não são apenas assassinatos - os casos mais extremos de violência - mas também incluem ameaças, uso da lei criminal, ataques através de redes sociais, entre outros.

Pôster da nova campanha da CNDH

"O que [a violência] está tentando fazer é matar a verdade. O que tenta fazer é com que aqueles que buscam a verdade sejam perseguidos, perseguidos, silenciados através de métodos legais e ilegais", disse Maldonado. "Esta é a situação da liberdade de expressão no México. E sem verdade, se nós não alcançarmos a verdade sobre atos de corrupção, de extrema violência, nós não alcançaremos a paz."

Os cidadãos, no entanto, não são os únicos que devem prestar atenção a essas agressões, como diz María Idalia Gómez, da Eje Central. Segundo ela, é importante que jornalistas se juntem, como uma guilda, na luta contra a violência. Para Gómez, é muito importante que uma campanha como a do CNDH exista, porque "já era hora" e porque a situação "pode se tornar muito pior".

"Nós falhamos, mesmo com todos os esforços [...] mas eles [os cidadãos] se tornaram isolados, mal articulados e sem consciência plena do que está sendo vivido", disse Gómez. "Devemos saber os nomes de cada um dos jornalistas mortos, sequestrados, desaparecidos ou agredidos, e nós não sabemos. Nós esquecemos facilmente. Nós deveríamos saber o que aconteceu com as famílias, deixadas em completo abandono. E deveríamos saber o que as empresas de jornais fizeram. E não sabemos. Nós conhecemos os casos mais emblemáticos, mas não os casos menores."

Gómez também chamou a atenção dos jornalistas para a necessidade de abordar o assunto junto à sociedade. Segundo ela, a sociedade não apoia os comunicadores "porque não nos identificam como parte de sua vida cotidiana". Para Gómez, é importante dar esse passo para que a sociedade se machuque quando um jornalista for machucado.

A campanha tem vídeos com testemunhos de jornalistas e seus parentes, que foram afetados pela realização de seu trabalho, assim como vinhetas de rádio que podem ser baixadas da página especial da CNDH. Também há infográficos e animações (GIFs).




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook