Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Arcebispo denuncia criminalmente jornalista peruana por difamação



A jornalista peruana Paola Ugaz foi denunciada criminalmente por difamação agravada pelo arcebispo de Piura e Tumbes, José Antonio Eguren Anselmi. O religioso acusa Ugaz de ter prejudicado sua honra e reputação em sete tuítes publicados pela jornalista em 20 de janeiro de 2018 sobre supostos abusos sexuais e tráfico de terras supostamente cometidos por sua comunidade eclesiástica.

Paola Ugaz. (Arquivo pessoal)

Eguren, que pertence ao Sodalitium Christianae Vitae (SVC) como membro da geração que fundou a comunidade, pediu três anos de prisão para Ugaz e 200 mil soles (cerca de US$ 60 mil) em reparações civis. A SVC é uma comunidade eclesiástica ligada à Igreja Católica.

Um documentário que Ugaz produziu para o canal árabe Al Jazeera sobre o caso do Sodalitium também foi incluído no processo, que foi aceito pelo Quinto Tribunal Penal Individual de Piura.

Ugaz disse ao Centro Knight que inexplicavelmente no processo contra ela, Eguren também inclui que ele foi denunciado em 2016 por cinco ex-Sodalits por sequestro agravado, ferimentos graves e associação criminosa. "Eu não tive nada a ver com essa questão, salvo que expresso solidariedade aos reclamantes", disse Ugaz.

Quanto aos tuítes no processo, Ugaz disse que parecia importante reportar quem era Eguren já que ele iria receber o papa Francisco em sua viagem a Piura em 20 de janeiro, como parte de sua visita ao Peru. "Ninguém sabia que Eguren era um Sodalit, que ele fazia parte da liderança do Sodalitium e que ele foi investigado por acobertamento. Cada tuíte é acompanhado de informações, vídeos e fotos", disse Ugaz.

Sobre o documentário, "The Sodalitium Scandal", além do suposto abuso sexual de menores, traz entrevistas, bem como documentos de investigações policiais e judiciais que envolvem o Sodalitium e sua imobiliária sobre o suposto tráfico de terras.

"Estou sendo processada pelo documentário, no qual participei como produtora e cerca de 20 pessoas trabalharam por vários meses", disse Ugaz, "mas só eu fui denunciada por ele".

De acordo com Ugaz, como protocolo jornalístico, Eguren recebeu mais de dez emails e telefonemas a seu assessor de imprensa em Piura. "[O jornalista investigativo peruano] Daniel Yovera procurou por ele [e o encontrou] deixando uma missa em Piura e ele se recusou a responder e enviou-lhe uma bênção. Isso aparece no documentário, no minuto 21", disse Ugaz.

O documentário foi feito com base no livro "Half Monks, Half Soldiers", que o jornalista Pedro Salinas escreveu com a colaboração de Ugaz e que foi publicado em 2015, segundo a EFE.

Em meados de agosto, Salinas foi o primeiro a ser denunciado pelo arcebispo por difamação agravada. A queixa de Eguren se refere a uma coluna de opinião que o jornalista escreveu em 20 de janeiro sobre alegações contra o Sodalitium. De acordo com o jornal El Comercio, Eguren denunciou Salinas por "prejudicar sua dignidade como ser humano" em sua coluna de opinião, acrescentando que há uma campanha contra ele.

"O processo de Eguren contra mim e Pedro Salinas surgiu três anos após a publicação do livro 'Half Monks, Half Soldiers', o que é uma reação tardia do Sodalitium contra a imprensa livre para processar os jornalistas que revelaram a investigação mais importante contra a Igreja Católica no Peru", declarou Ugaz.

Salinas, para quem Eguren também pediu três anos de prisão e 200 mil novos soles de compensação civil, tem sua primeira audiência em Piura em 14 de novembro e será acompanhado por seu advogado, Carlos Rivera, do Instituto de Defesa Legal (IDL). Rivera também servirá como defesa no caso de Ugaz.

Segundo Ugaz, as denúncias contra os supostos abusos do Sodalitium começaram a surgir em 1986. "O Sodalitium é uma organização na qual foi estabelecida uma cultura de abuso de poder onde o fundador e superior geral por 40 anos, Luis Fernando Figari, não agiu sozinho. Toda a geração fundacional construiu, junto com ele, uma máquina de abuso sexual, físico e psicológico contra seus membros ", denunciou Ugaz.

No processo por difamação contra os jornalistas, de acordo com Ugaz, Eguren se protege dizendo que atualmente não há investigações contra ele. Ugaz disse que "o argumento que ele usa é que quando a primeira denúncia é feita contra a liderança do Sodalitium, que foi trazida pela promotora María del Pilar Peralta, ele foi excluído do caso".

Peralta foi suspensa por um mês pelo escritório do promotor por supostas infrações administrativas na execução de seu trabalho relacionado à investigação do caso Sodalitium.

O Centro Knight tentou se comunicar com o arcebispo Eguren, mas não recebeu resposta até a publicação deste post.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook