Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Assédio do governo contra jornalistas independentes aumenta na Nicarágua



Nos últimos dias, pelo menos sete jornalistas independentes da Nicarágua relataram ter sofrido ameaças de morte, perseguição e assédio de paramilitares, invasões em suas propriedades, prisões e detenções arbitrárias.

O colunista editorial do jornal La Prensa, Luis Sánchez Sancho (76), está detido arbitrariamente há mais de três dias em uma cela comum, após um acidente de trânsito, informou a revista Confidential. Sánchez caiu em 24 de novembro com um motociclista que passou um sinal vermelho, causando ferimentos leves, segundo a revista.

A promotoria acusou Sánchez de ter causado danos imprudentes contra um motociclista, segundo o La Prensa. De acordo com o meio, o juiz encarregado do caso não permitiu que a esposa de Sánchez assinasse um acordo extrajudicial com a família da vítima para resolver o caso e ordenou que o jornalista fosse mantido sob prisão preventiva.

A presidente do Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (Cenidh), Vilma Núñez, disse que essa decisão é uma "aberração jurídica" porque o juiz tem a obrigação de respeitar os acordos entre as partes, informou o La Prensa.

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) manifestou-se fortemente contra o aumento dos ataques a jornalistas independentes na Nicarágua e exigiu a libertação imediata de Sánchez Sancho.

Em outro caso recente, o jornalista Carlos Salinas Maldonado, da revista Confidencial, colaborador do jornal espanhol El País e apresentador do programa "Esta Noche", informou que na terça-feira, 27 de novembro, e na quarta-feira, 28 de novembro, ele foi seguido por paramilitares motorizados, informou o La Prensa. Os paramilitares não apenas o seguiram de sua casa até seu local de trabalho, disse Salinas, mas também fizeram sinais ameaçadores durante a viagem.

O jornalista também é vítima de campanhas de difamação nas redes sociais que o acusam de ser violento em relação a outras pessoas.

Também nesta semana, o dono e diretor da Rádio Mi Voz na cidade de León, Álvaro Montalván, denunciou através do Facebook que várias patrulhas policiais, sem qualquer explicação, invadiram o terreno de sua propriedade onde as antenas transmissoras de rádio estão instaladas.

Por sua parte, o jornalista Miguel Mora, proprietário do meio 100% Noticias, disse em uma entrevista ao Canal 10 que quando chegou em casa em 24 de novembro, foi preso junto com sua esposa Verónica Chávez e seu motorista por um "grupo de oficiais paramilitares" armados. Segundo o jornalista, os paramilitares ordenaram que eles levantassem as mãos e revistaram Chávez de maneira vulgar. Durante a intervenção, Mora disse, eles também foram ameaçados de morte.

O responsável pela operação gravou os jornalistas durante a detenção, segundo mostrou o canal 10 durante a entrevista com Mora. O jornalista alertou que um fragmento do vídeo da prisão circula nas redes sociais, editado ao lado da imagem de um policial que foi incinerado meses atrás. Para Mora, o objetivo deste ataque é culpá-los por esse crime e, assim, fechar a 100% Noticias.

Em 24 de novembro, o jornalista esportivo Gustavo Jarquín, da Radio Corporación, disse que foi agredido por policiais. Jarquín denunciou via Twitter que foi espancado porque não quis entregar o celular para eles.

Neste mesmo fim de semana agitado, o jornalista Jaime Arellano, comentarista político do programa "Jaime Arellano en la Nación" do canal 100% Noticias, foi ameaçado de morte e de prisão, publicou o portal 100% Noticias.

Segundo a SIP, Arellano deixou o país no domingo, 25 de novembro, devido às ameaças.

Roberto Rock, presidente do Comitê de Liberdade de Imprensa e Informação da SIP, acusou o regime nicaraguense de se tornar juiz e partido para reprimir e silenciar a imprensa crítica.

O Relator Especial para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), Edison Lanza, disse em sua conta no Twitter que o assédio contra a imprensa e a mídia por agentes do Estado e simpatizantes do governo na Nicarágua "é algo raramente visto com essa intensidade".

No início de novembro, a Fundação Violeta Barrios de Chamorro (FVBCH) indicou em um relatório que desde abril deste ano quando os protestos contra o presidente reeleito Daniel Ortega e seu governo começaram até meados de outubro houve 420 violações contra a liberdade de expressão no país.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook