Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Primeiro jornalista assassinado no México em 2019 denunciou ameaças à sua vida e estava sob proteção federal




Um jornalista que denunciou ter recebido ameaças foi encontrado morto em Baja California Sur depois de ter sido anunciado que ele havia desaparecido no início do mesmo dia.

Rafael Murúa Manríquez (Facebook)

O corpo de Rafael Murúa Manríquez, diretor geral da rádio comunitária Radiokashana no município de Mulegé, foi encontrado em Santa Rosalía, na costa do Golfo da Califórnia, em 20 de janeiro. Ele foi visto pela última vez na noite anterior, de acordo com El Universal.

Ele estava sob proteção federal por meio do Mecanismo de Proteção de Defensores e Jornalistas de Direitos Humanos desde 2017, conforme relatado pela Repórteres sem Fronteiras (RSF).

Em um post de 14 de novembro de 2018 no Facebook intitulado “Censura prévia em Mulegé”, o jornalista escreveu: “Em 52 dias do governo de Felipe Prado, sofri mais agressões e abusos de autoridade do que nos seis anos anteriores, desde que passei a exercer o jornalismo na minha terra natal, Santa Rosalía. Felipe Prado Bautista é o prefeito de Mulegé.

No entanto, ele escreveu que "está longe do propósito deste artigo acusar alguém pelos incidentes".

"Comentar sobre questões políticas [na minha página no Facebook] causou agressões à minha pessoa, minha família e meu patrimônio", escreveu ele, referindo-se a um post de 29 de outubro na plataforma de mídia social no qual ele criticou as ações do prefeito sobre o que ele via como um questão de segurança pública.

“Naquela mesma noite, eles estavam me avisando que iam me matar em breve. Coincidentemente, a informação veio da casa de um dos funcionários da atual administração municipal, com um cargo de coordenador,” escreveu ele.

Ele também detalhou outros incidentes, incluindo uma multidão batendo em sua garagem e uma bala quebrando uma janela. Ele disse que autoridades do conselho da cidade disseram que ele era paranóico por chamar a atenção para os incidentes.

Diversas organizações nacionais e internacionais, como o Artigo 19 México, AMARC e RSF, lamentaram a morte do jornalista e pediram justiça.

"As autoridades em Baja California Sur devem realizar uma investigação exaustiva sobre este assassinato em estilo de execução e devem priorizar a hipótese de que a vítima foi morta em conexão com seu trabalho jornalístico", disse Emmanuel Colombié, chefe da secretaria da RSF na América Latina, segundo comunicado da organização.

“Em vista deste último fracasso por parte do mecanismo federal de proteção, pedimos ao Presidente López Obrador que realize uma revisão completa das disposições para proteger os jornalistas no México.”

Murúa Manríquez é o primeiro jornalista assassinado este ano no México, um dos países mais mortíferos do mundo para a prática do jornalismo. O último assassinato foi de Alejandro Márquez, diretor do semanário Orión Informativo, em 1º de dezembro de 2018 em Nayarit.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook