Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Pesquisadores discutem a situação e os limites das práticas jornalísticas na América Latina e no Caribe no ISOJ




Por Shuning Lu

Durante o painel de pesquisa “Mídia digital e democracia nas Américas” no Simpósio Internacional de Jornalismo Online (ISOJ), em 12 de abril, três acadêmicos compartilharam suas pesquisas e revelaram os limites do jornalismo na responsabilização dos poderosos no Uruguai, Cuba e Chile.

(Erika Rich/Knight Center)

"Um dos papéis mais importantes do jornalismo é responsabilizar os poderosos", disse Eugenia Mitchelstein, professora associada e diretora do curso de Comunicação da Universidade de San Andrés, na Argentina, que mediou o painel de pesquisa.

Federico Comesaña, da Universidade Católica do Uruguai, iniciou a discussão compartilhando sua pesquisa com Matías Dodel e Daniel Blanc, que analisa o efeito da Copa do Mundo de 2018 sobre a cobertura jornalística uruguaia de questões políticas.

A pesquisa de Comesaña e seus colegas, “Um caso de configuração de agenda reversa: como a cobertura da Copa do Mundo de 2018 reduziu as reportagens da revisão anual do projeto de lei do orçamento uruguaio”, rastreou reportagens em três conglomerados de mídia uruguaios: El País, El Observador e Montevidéu. Eles investigaram se e como a Copa do Mundo responde por mudanças na cobertura de notícias da revisão anual da lei do orçamento nacional.

De acordo com as descobertas, os sites de mídia no Uruguai reduziram sua reportagem sobre o envio do orçamento ao parlamento durante a Copa do Mundo, disse Comesaña.

Uma teoria chave associada ao seu trabalho foi o agenda setting, que tradicionalmente analisa como a mídia noticiosa define a agenda do público.

Comesaña disse que sua pesquisa mostrou um efeito de configuração de agenda inversa. “A mídia poderia ter mudado sua agenda antecipando ou estimando o interesse público em dois eventos concorrentes.”

Shearon Roberts, professora assistente de Comunicação de Massa na Universidade Xavier de Louisiana, em Nova Orleans, discutiu sua pesquisa “Misturando o antigo com o novo por meio da mídia digital: representação política, raça e vozes millennial em uma Cuba em mudança”.

Ela entrevistou 35 jovens jornalistas cubanos em nove organizações de mídia em 2017 e documentou como eles usam a mídia digital para tratar de questões que estão mudando Cuba.

"Esses jovens jornalistas, que apesar de trabalharem para as organizações de mídia estatais", disse Roberts, "querem ser neutros, aspiram a ter um trabalho equilibrado e aspiram a buscar a verdade".

Roberts atribui suas aspirações ao impacto dos blogs cubanos, que cresceram com mais da metade tendo operações de fora do país.

"Eles querem desenvolver carreiras como os blogs mais proeminentes", disse Roberts.

“A maioria deles usava blogs. Eles os usavam anonimamente ou contribuíam com outros blogs para postar e escrever tópicos que eles não podiam falar diretamente em seus trabalhos na mídia estatal”.

Os jovens jornalistas também usaram as mais economicamente acessíveis redes sociais, PDFs e e-mail para divulgar seu conteúdo, disse Roberts.

"O principal tópico que eles podem abordar diretamente digitalmente é a questão da política", disse ela. “Eles também discutem questões culturais, raciais e outras questões que estão em discussão na mudança de Cuba.”

Magdalena Saldaña, professora assistente na Escola de Comunicações da Pontifícia Universidade Católica do Chile, e pesquisadora júnior do Instituto Millenium de Pesquisa Fundamental sobre Dados (IMFD), fechou o painel discutindo sua pesquisa sobre como os jornalistas cobriram o terremoto no norte do Chile em 2014.

Ao contrário da cobertura de um desastre natural em 2010, os jornalistas chilenos abordaram o terremoto de 2014 de maneira altamente politizada, disse Saldaña.

"O governo tenta levar seus quadros à atenção dos jornalistas", disse Saldaña. “Ao mesmo tempo, a mídia retrata a gestão bem-sucedida do desastre.”

A principal cobertura noticiosa não foram histórias baseadas em interesse humano, mas sim em ponto de vista político, acrescentou ela.

Saldaña entrevistou 15 jornalistas políticos que cobriram o terremoto de 2014 para explicar por que eles reportaram as notícias dessa maneira.

"Foi principalmente editorial", disse Saldaña, acrescentando que um jornalista admitiu que o editor decidiu o ângulo das notícias.

Outra razão pela qual os jornalistas cobriram o terremoto como questão política é a intenção de expor a presidente Michelle Bachelet, disse Saldaña.

Saldaña explicou ainda que tais intenções são moldadas pelas diferentes ideologias entre a presidente de centro-esquerda e os meios de comunicação de direita.

“Às vezes, fontes políticas precisam que você escreva sobre elas, mesmo que não seja digno de notícia”, disse Saldaña, “porque você precisa manter o relacionamento com elas”.

No final do painel, Saldaña afirmou que os jornalistas políticos no Chile não viam os leitores habituais de notícias como seu público. Em vez disso, eles escrevem para analistas políticos, elites políticas e colegas jornalistas políticos.

A pesquisa desses acadêmicos apareceu na revista #ISOJ.

O livestreaming do ISOJ em inglês e espanhol pode ser acessado em isoj.org.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook