Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

ISOJ: em ambientes polarizados, mídia deve se aproximar do público e trabalhar de forma colaborativa



Em sociedades polarizadas que também abrigam governos autoritários ou populistas, jornalistas e meios de comunicação de um mesmo país devem trabalhar juntos e evitar cair em uma narrativa de ódio vinda de autoridades.

(Erika Rich/Knight Center)

Esta é uma das principais lições compartilhadas pelos jornalistas no painel "Mesa redonda: Jornalismo na era dos autoritários, populistas e polarização", durante o segundo dia do 20º Simpósio Internacional de Jornalismo Online (ISOJ), que ocorreu no 12 e 13 de abril na Universidade do Texas em Austin.

Cinthia Membreño, diretora de estratégia digital do site independente Confidencial, da Nicarágua, abriu a conversa. A jornalista disse à platéia que o governo do atual presidente de seu país, Daniel Ortega, se caracteriza por impor uma política de medo e se tornou uma ameaça à liberdade de expressão.

A jornalista nicaraguense relatou a maneira pela qual a redação do Confidencial foram invadidos pela polícia em 14 de dezembro de 2018 e depois ocupados pelo governo.

Membreño lembrou uma frase do diretor do site, Carlos Fernando Chamorro, depois de perder o acesso a seu escritório: "Eles podem roubar todos os computadores do mundo que quiserem, todo o equipamento de televisão que quiserem, mas não estão impedindo os repórteres de fazerem nosso trabalho".

Esse foi o comentário que Chamorro deu em uma entrevista à jornalista do canal independente 100% Noticias, Lucía Pineda, que junto com o diretor do canal, Miguel Mora, foi presa por seu trabalho jornalístico alguns dias depois, em 21 de dezembro.

Ortega não dá coletivas de imprensa ou entrevistas, não há acesso à informação pública e os jornalistas são afetados por assédio e repressão, explicou Membreño.

Chamorro, Membreño e cerca de 60 jornalistas nicaraguenses foram forçados a deixar o país nos últimos meses por razões de segurança.

Hoje, muitos jornalistas e jornalistas da Nicarágua reportam do exílio e colaboram com seus colegas de outras mídias.

Durante sua apresentação, a jornalista venezuelana Julett Pineda, do site digital independente Efecto Cocuyo, começou com a seguinte pergunta: "Como é ser jornalista na Venezuela? Pode ser muito problemático, especialmente se houver um blecaute e não houver água corrente para tomar um banho".

A jornalista descreveu a difícil situação de reportar nos hospitais, onde o atendimento médico adequado é limitado, assim como o acesso dos jornalistas a hospitais.

“Esses traços e características autoritários do governo não afetam apenas os jornalistas, mas também afetam nossas fontes. As pessoas têm medo de falar porque podem ser chantageadas”, disse Pineda.

A situação piora em um ambiente polarizado, continuou a jornalista.

"Os governos autoritários têm esse roteiro. Eles dizem, ou você está comigo ou contra mim", explicou Pineda.

Essa polarização resultante da narrativa do governo contamina outros espaços, como as redes sociais, disse Pineda, plataformas nas quais vários usuários constantemente atacam jornalistas e meios independentes.

Segundo Pineda, essa aversão é nutrida pelo governo. A jornalista mostrou um vídeo em que o segundo homem mais poderoso do governo, Diosdado Cabello, presidente da Assembleia Constituinte da Venezuela, fala sobre a fundadora e diretora do Efeito Cocuyo, Luz Mely Reyes, chamando-a de "a rainha das 'fake news'".

Segundo Pineda, a situação dos jornalistas em seu país piorou ainda mais em 2019, devido à polarização que se vive. De acordo com um estudo do Instituto Imprensa e Sociedade (IPYS) da Venezuela, em 2018 houve 266 casos de violação da liberdade de expressão na Venezuela, enquanto entre janeiro e meados de março de 2019 havia 155 casos.

Isso teria se acentuado em março deste ano, quando a organização venezuelana documentou 50 agressões contra jornalistas apenas nos primeiros 18 dias de março.

A jornalista e colunista de opinião do jornal Folha de S. Paulo, Patricia Campos Mello, destacou a forma como as redes sociais, principalmente o WhatsApp, foram usadas para manipular a opinião pública com notícias falsas e bots durante as eleições de 2018 em que o populista presidente Jair Bolsonaro foi eleito.

Campos Mello disse que a Folha de S. Paulo deu ampla cobertura ao passado do então candidato Bolsonaro, investigando seu patrimônio. Eles, segundo a jornalista, descobriram que sua riqueza não era compatível com sua renda financeira dos últimos anos.

A Folha de S. Paulo, um dos maiores jornais do Brasil, é constantemente atacada pelo novo presidente. Ele os chamou abertamente de maiores produtores de “fake news”.

Campos Mello disse que os jornalistas brasileiros achavam que esses ataques à imprensa de Bolsonaro e seus seguidores eram apenas sua retórica de campanha. No entanto, em uma de suas primeiras entrevistas televisivas como presidente, na TV Globo, Bolsonaro voltou a atacar a imprensa, principalmente a Folha.

"Isso foi sem precedentes de várias maneiras. Nunca um presidente esteve no principal programa de notícias do país para dizer que um jornal deixaria de existir", disse a jornalista.

Um dos efeitos dessas agressões diretas, disse Campos Mellos, é que a base de assinantes da Folha aumentou consideravelmente, em "solidariedade".

E uma das lições aprendidas pela Folha, segundo o jornalista, é que a filosofia do jornal é continuar fazendo o que sabe fazer, não como adversário, mas como publicação jornalística independente, sem se intimidar.

Na África do Sul, também escolheram responder com mais e melhor jornalismo em 2017, quando fontes que permaneceram anônimas revelaram supostos atos de corrupção de uma família proeminente no país com laços com o primeiro-ministro Jacob Zuma e sua família, disse Susan Comrie, investigativa jornalista do site amaBhungane, com sede em Joanesburgo.

Colaborativamente, diversos meios jornalísticos sul-africanos se uniram para processar e publicar todos os dados recebidos, sob o nome #GuptaLeaks.

"Isso não apenas nos permitiu responsabilizar os políticos, havia também várias empresas multinacionais que estavam implicadas nos GuptaLeaks, bem como em vários outros vazamentos que ocorreram ao mesmo tempo", disse Comrie. Como consequência, houve muitas campanhas de difamação nas mídias sociais contra o trabalho jornalístico, que eles combateram usando mais informações.

Blanka Zöldi, da Hungria, jornalista do site de jornalismo investigativo Direkt36 disse no ISOJ: “Se você olhar para a Hungria, não temos nenhum jornalista morto, não temos nenhum jornalista preso, não estamos sendo ameaçados diretamente e nós não temos censura direta”.

No entanto, ela enfatizou, a situação que foi criada nos últimos anos em seu país, desde que o primeiro-ministro Viktor Orban assumiu o poder em 2010, é caracterizada pela falta de pluralidade de informações e autocensura.

Depois de um episódio de repressão contra o meio de comunicação privado em que ela costumava trabalhar, seus colegas formaram seu próprio jornal focado em investigações de longo prazo.

“Percebemos que, se queremos fazer jornalismo independente, queremos ter uma organização completamente independente. Independente dos políticos, independente dos proprietários e também independente das receitas publicitárias”, concluiu.

Para superar as dificuldades apresentadas pelo atual ambiente de mídia, ela disse, sua organização criou uma comunidade de leitores, eles trabalham duro como jornalistas e se esforçam para interessar as pessoas no que publicam.

 




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook