Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Jornalistas do México, Nicarágua, Estados Unidos e Venezuela ganham prêmio Maria Moors Cabot, da Universidade de Columbia




Ao honrar trabalhos que “contribuem para o entendimento interamericano”, os prêmios Maria Moors Cabot 2019 reconheceram jornalistas de México, Nicarágua, Estados Unidos e Venezuela.

Os prêmios, concedidos pela Columbia Journalism School, em Nova York, foram para Marcela Turati, jornalista e escritora mexicana; Pedro Xavier Molina, cartunista político da Nicarágua; Angela Kocherga, repórter do Albuquerque Journal, nos EUA; e Boriz Muñoz, editor de opinião venezuelano do The New York Times em Español. O site de notícias investigativo venezuelano Armando.Info foi homenageado com uma citação especial.

Em sentido horário a partir da primeira foto: Angela Kocherga, Boris Muñoz, Marcela Turati, Armando.Info, Pedro Xavier Molina
 

Turati, fundadora do site investigativo Quinto Elemento Lab e co-fundadora da Periodistas de a Pie, cobriu os efeitos da guerra às drogas no México, muitas vezes com foco nas vítimas e sua luta pela justiça, como observado pela Columbia Journalism School. Ela “é uma força formidável no jornalismo mexicano: corajosa, determinada e talentosa. Ela tem narrado as questões mais importantes e muitas vezes perigosas no México, com ramificações em toda a região”, diz o comunicado de premiação.

Também se ressaltou o trabalho de Turati como "organizadora e líder de projetos colaborativos", destacando uma investigação da execução de 72 migrantes por narcotraficantes e policiais em Tamaulipas.

Molina, cujo trabalho aparece em várias publicações na Nicarágua e em todo o mundo, aborda figuras públicas nacionais e internacionais. Ele "foi um dos observadores mais perspicazes da Nicarágua, com um olhar crítico sobre as relações entre os Estados Unidos e a América Latina", indicou a Columbia Journalism School.

"Como comunicador, receber o Prêmio Cabot é, naturalmente, uma grande honra e um prestígio para uma longa carreira. Basta ver os nomes dos vencedores em seus 80 anos de existência para entender o porquê", disse Molina ao Centro Knight. "Como parte do jornalismo crítico e independente da Nicarágua, é um reconhecimento não apenas no nível pessoal, mas para todos os colegas que, mesmo sob ameaça, perseguição e até a ocupação de nossas redações pela ditadura (como aconteceu com Confidencial.com.ni, o meio de comunicação onde eu trabalho), teve coragem e dedicação para registrar um dos momentos mais sombrios de nossa história como país. "

“Como cartunista, agradeço e parabenizo o júri do Prêmio Cabot pelo reconhecimento da validade e importância da charge como veículo jornalístico de análise, crítica, denúncia e humor, elementos essenciais para a compreensão, enfrentamento e melhoria do mundo atual” ele adicionou.

Kocherga, cuja carreira abrange a imprensa, a rádio e a televisão, “fez de sua missão contar a história das fronteiras onde os Estados Unidos e o México se encontram, uma linha que une e divide”, segundo a Columbia Journalism School. Ela cobriu a imigração para os EUA, bem como as guerras de drogas no México.

“Estou profundamente honrada por estar entre um grupo tão distinto de jornalistas que recebeu o prêmio Maria Moors Cabot. Agora, mais do que nunca, este lendário tributo a reportagens corajosas e excepcionais nas Américas é fundamental ”, disse Kocherga ao Centro Knight. “É especialmente importante para mim como jornalista que dedicou a carreira a cobrir os dois lados da fronteira dos EUA com o México, dando testemunho da história, trabalhando para revelar a verdade em meio à retórica política cada vez mais aquecida. Meu objetivo é construir pontes de entendimento sobre o impacto das políticas na vida das pessoas e colocar um rosto humano em questões complexas. E sou grata àqueles que confiaram em mim para compartilhar suas histórias ”.

Muñoz, que também é repórter e escritor, foi reconhecido pela Columbia Journalism School por trazer diversidade e variedade em fontes e assuntos para o The New York Times nas versões em inglês e espanhol. "A riqueza e a profundidade dessas páginas editoriais estabeleceram um padrão ouro para a escrita de opinião em espanhol e fornecem modelos para uma região que agora está apenas começando a experimentar com o gênero", disse o comunicado.

“É muito gratificante pessoalmente e um prêmio pelo trabalho da seção de opinião do The New York Times en Español, que eu ajudei a fundar há três anos”, disse Muñoz ao Centro Knight. “É um reconhecimento da dedicação da equipe editorial do NYT en Español e do time editorial que contribuiu com perspectivas que desafiam o incessante ruído da informação para ajudar os leitores de língua espanhola a entender a realidade cambiante que os rodeia. Tudo isto é um grande estímulo para manter um novo olhar, o rigoroso rigor e a mente alerta, porque estes são os pilares de um editoria de opinião dinâmica e atual. ”

A Armando.Info foi homenageada com a citação especial em reconhecimento de sua perseverança e cobertura da crise sociopolítica venezuelana. “Com os colegas, eles continuam cobrindo a crise política e humanitária na Venezuela, denunciando a corrupção, as violações dos direitos humanos e os crimes ambientais, entre outros”, escreveu a Columbia Journalism School.

Quatro dos jornalistas do site deixaram a Venezuela em 2018 depois de terem sido processados criminalmente por difamação e lesão corporal grave. A denúncia ocorreu depois da publicação de uma reportagem investigativa sobre supostos vínculos entre um empresário e o governo venezuelano na importação de alimentos como parte de um programa social. Eles continuaram suas investigações do exterior.

"É uma honra que o site tenha sido reconhecido, pois é o reconhecimento de um trabalho em equipe que não tem sido fácil", disse Joseph Poliszuk, editor-chefe da Armando.Info, ao Centro Knight. “É também um compromisso para seguir em frente em meio aos desafios para continuar, já que nos últimos dias tentaram nos censurar e nos ameaçar”.

Durante uma cerimônia no dia 16 de outubro na Universidade de Columbia, os jornalistas reconhecidos receberão uma medalha de ouro e US$ 5.000. O vencedor da citação receberá um certificado.

O prêmio Maria Moors Cabot foi criado em 1938 e é o mais antigo prêmio internacional de jornalismo, de acordo com a Columbia Journalism School. Embora reconhecendo carreiras que contribuem para o entendimento dentro das Américas, o prêmio também considera contribuições para promover a liberdade de imprensa na região.

Nota do editor: Rosental Alves, diretor do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, faz parte do Conselho do Prêmio Cabot.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook