Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Ministério brasileiro denuncia revista feminista por reportagem sobre aborto



O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos do Brasil (MMFDH) encaminhou denúncia ao Ministério Público de São Paulo sobre uma reportagem publicada pela revista feminista AzMina sobre aborto, por considerar que a matéria “pode incentivar a prática clandestina” da interrupção da gestação.

Além da denúncia encaminhada pelo governo brasileiro, as jornalistas da revista dizem estar sendo alvo de ataques online com ameaças e incitação à violência contra elas, segundo relata nota da Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

A reportagem “Aborto seguro: como é feita a interrupção da gestação com misoprostol” foi publicada no dia 18 de setembro e traz informações sobre o aborto realizado com medicamentos, segundo recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) que são seguidas pelo Ministério da Saúde do Brasil nos casos de aborto legal, como explica a reportagem.

A matéria explica que a interrupção voluntária da gestação é considerada crime no Brasil e só é legalizada em casos de gestação decorrente de estupro, anencefalia fetal e quando há risco de morte para a gestante.

A revista publicou um tuíte no dia 18 com o link da reportagem, que logo passou a receber respostas de usuários da rede social com insultos às jornalistas responsáveis pela matéria. Muitos também marcaram os perfis da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e de outras autoridades pedindo que a revista fosse sancionada por divulgar informações sobre aborto com medicamentos.

No dia 19, a ministra Alves se referiu à reportagem como “absurdo” e “uma apologia ao crime” em um post em seu perfil no Twitter. “Já demos encaminhamento à denúncia”, escreveu ela.

Ao Centro Knight, o MMFDH disse que “recebeu denúncia e encaminhou à Ouvidoria do Ministério Público de São Paulo, à qual cabe análise”. O Ministério também afirmou que “a matéria inclui receitas de como praticar um aborto, o que pode incentivar a prática clandestina”.

“A publicação explica detalhadamente como utilizar abortivos, dando nomes dos medicamentos e as doses a serem tomadas”, continuou o Ministério. A pasta não explicitou de quem recebeu a denúncia, mas disse que “segundo os denunciantes, tal iniciativa pode levar jovens a tentarem aplicar a receita por conta própria”.

Além da denúncia encaminhada pelo MMFDH em São Paulo, Sara Winter, coordenadora nacional de políticas para maternidade do Ministério, apresentou denúncia contra a revista AzMina junto ao Ministério Público do Rio de Janeiro, conforme publicou em seu perfil no Twitter. “Vamos colocar as feministas em seu devido lugar: atrás das grades!”, escreveu ela.

“Nós apenas divulgamos informações que já eram públicas, da Organização Mundial da Saúde, assim como informações que ouvimos de fontes médicas, e transmitimos essas informações. Acreditamos que isso é fazer jornalismo, um direito garantido na Constituição”, disse Carolina Oms, diretora da revista AzMina, ao Centro Knight.

Segundo ela, os perfis da revista no Twitter, no Facebook e no Instagram têm recebido comentários e mensagens com insultos às jornalistas. Usuários do Twitter também divulgaram endereços de profissionais da equipe, mas os posts foram denunciados por outros usuários e derrubados pela rede social.

Em nota publicada no dia 20, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) afirmou que “em um ambiente democrático, todos devem ser livres para cobrir qualquer assunto, da forma como considerarem adequada”. 

“A crítica aos veículos e jornalistas também deve ser livre – é normal que sua atuação passe pelo escrutínio dos participantes da esfera pública. Mas a própria democracia passa a ser alvo quando críticas se transformam em ataques, ainda mais se estes são amplificados por ocupantes de cargos públicos e representantes eleitos”, afirmou a associação.

A Abraji também expressou solidariedade às jornalistas da revista AzMina e repúdio “ao assédio digital de que são vítimas”. “A associação apela ainda aos Ministérios Públicos Federal e paulista que não deem seguimento a eventuais representações criminais contra as profissionais e a revista, em cumprimento a seu papel de salvaguardar a liberdade de expressão”, escreveu a Abraji.

A Federação Nacional de Jornalistas (Fenaj) também manifestou solidariedade às jornalistas responsáveis pela reportagem e repúdio à atitude da ministra.

A FENAJ coloca-se ao lado das jornalistas vítimas dos ataques e reafirma a importância da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa para a consolidação da democracia. Às autoridades públicas, exigimos que preservem os direitos constitucionais, garantindo aos jornalistas o direito ao livre exercício da profissão para o cumprimento do dever de informar, sem qualquer impedimento.”

RSF também condenou os ataques à equipe da revista e afirmou que “o pluralismo e a liberdade de opinião estão cada vez mais ameaçados no Brasil”.

“Assim como os ataques contra o The Intercept Brasil, o caso é sintomático das dificuldades encontradas por jornalistas que trabalham sobre temas considerados sensíveis no país, onde campanhas de intimidação e perseguição contra a imprensa se tornaram frequentes e se intensificaram com a chegada ao poder do presidente Bolsonaro em janeiro de 2019”, afirmou a organização, acrescentando que o Brasil “ocupa o 105° lugar, entre 180 países, após ter caído três posições no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa de 2018, elaborado pela RSF”.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook