Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Homem é condenado a 14 anos de prisão por envolvimento em assassinato de radialista brasileiro



Um júri popular condenou um homem a 14 anos de prisão por envolvimento no assassinato do radialista Jefferson Pureza, morto no dia 17 de janeiro de 2018 na cidade de Edealina, no Estado de Goiás, região Centro-Oeste do Brasil.

O julgamento realizado no dia 4 de outubro no Fórum de Edeia, cidade a 30 km de Edealina, condenou Leandro Cintra da Silva, de 25 anos, a 12 anos e quatro meses de prisão por homicídio qualificado e um ano e oito meses de prisão por corrupção de menores, relatou a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). 

Jefferson Pureza. (Facebook).

Em abril de 2018, Cintra foi indiciado pelos dois crimes após a polícia concluir que ele intermediou a negociação entre o vereador José Eduardo Alves da Silva, acusado de ser o mandante do crime, e três adolescentes.

Um dos menores teria executado Pureza, outro teria pilotado a moto que os levou até a casa do radialista e um terceiro teria indicado os dois primeiros para o serviço, segundo a Abraji, que acrescentou que os três estão cumprindo medidas socioeducativas.

Os julgamentos de Alves da Silva e de Marcelo Rodrigues dos Santos, que também é acusado de ter intermediado o crime, ainda não foram marcados, mas devem ocorrer até dezembro, disse a entidade.

O assassinato de Pureza foi o primeiro caso a ser investigado pelo Programa Tim Lopes de Proteção a Jornalistas. Lançado pela Abraji em setembro de 2017, o programa combate a impunidade nos crimes contra jornalistas ao investigar assassinatos e tentativas de assassinato de profissionais da imprensa, além de dar continuidade às reportagens interrompidas pelos autores dos crimes.

Segundo a investigação da Abraji, Pureza fazia constantes referências em seu programa de rádio a supostas irregularidades cometidas na administração do ex-prefeito João Batista Gomes Rodrigues, conhecido como Batista Boiadeiro (PTB). 

O vereador Alves da Silva, acusado de ser o mandante do assassinato do radialista, foi secretário de Ações Urbanas na gestão de Batista Boiadeiro e disse à polícia que Pureza se referia a ele como “vereador da transferência de votos”, acusando-o de ter transferido eleitores de outras cidades para conseguir ser eleito em Edealina, conforme reportou a Abraji.

No entanto, a suposta motivação do vereador para o crime também se daria por um relacionamento de Pureza com uma ex-esposa do vereador, segundo concluiu a polícia, que sustenta que Alves da Silva pagou R$ 5 mil e um revólver aos adolescentes acusados de executar o assassinato.

Quando foi assassinado, Pureza trabalhava nas obras para reconstruir a sede da rádio Beira Rio FM, que transmitia seu programa “A Voz do Povo”. A rádio havia sido destruída por um incêndio em novembro de 2017, o segundo pouco mais de um ano. Amigos do radialista afirmaram à imprensa que ele recebeu ameaças por conta de seu trabalho durante mais de um ano antes de ser executado.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook