Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Durante eleições municipais na Colômbia, jornalistas são proibidos de entrevistar eleitores e entrar em centros de votação: FLIP



A imprensa colombiana precisou superar vários obstáculos para cobrir as eleições municipais e regionais de 27 de outubro na Colômbia, segundo a Fundação para a Liberdade de Imprensa (FLIP) da Colômbia.

A FLIP registrou nove casos de restrição à imprensa pela Polícia Nacional. Em alguns casos, a aplicação da lei não permitiu que jornalistas entrassem nas seções eleitorais com suas equipes de trabalho ou exigiu credenciais da imprensa.

Dos jornalistas Orlando Carvajal e Juan Pablo Cohen, policiais retiveram seus cartões de cidadania por várias horas e os impediram de gravar registros audiovisuais em um centro de votação na cidade de Cúcuta, no norte do país, informou a FLIP em comunicado. Cohen também foi ameaçado de pagar uma multa por uma suposta falta de respeito pela autoridade, informou a organização.
 

Já do jornalista Cristian Cuellar, da estação de rádio Unicauca Estéreo, a polícia nacional exigiu uma credencial de imprensa mesmo quando ele foi identificado com os logotipos de seu meio, segundo a FLIP. Em Bucaramanga, Ana León, jornalista de La Silla Vacía, foi convidada pelos policiais a apagar seus registros de vídeo e sofreu ameaça detenção, informou a organização. Em San José del Guaviare, funcionários do cartório proibiram jornalistas da Rádio Caracol de conduzirem entrevistas com eleitores e júris de votação, documentou a FLIP.

Segundo o jornalista Jonathan Bock, coordenador do Centro de Estudos da Liberdade de Expressão da FLIP, houve muita confusão devido à publicação de dois decretos do Ministério do Interior dias antes das eleições. Ambos pretendiam, de acordo com seus textos, estabelecer uma série de regras que contribuam para o desenvolvimento normal das eleições e para o equilíbrio informacional, entre outras.

Em 23 de outubro, o Ministério do Interior publicou o Decreto de 1924, cujo artigo 13 estipulava que, no dia das eleições, a imprensa deveria ser credenciada para cobrir o dia das eleições usando telefones celulares e câmeras de vídeo e foto nos centros de votação. Dois dias depois, o Ministério publicou outro decreto, 1967, para corrigir o Artigo 13 do anterior, permitindo que a mídia cobrisse as eleições com suas equipes de trabalho e telefones celulares, mas com o devido credenciamento de imprensa.

A esse respeito, a FLIP publicou em uma declaração que "a exigência de alguma identificação não pode se tornar uma desculpa para impedir o acesso de qualquer tipo de mídia às estações de voto."

Bock disse ao Centro Knight que, na Colômbia, não é obrigatório que um jornalista apresente uma credencial de imprensa para realizar seu trabalho, uma vez que a Constituição exige apenas que ele apresente seu cartão de cidadania como identificação. Portanto, o segundo decreto não corrigiu significativamente o estipulado pelo primeiro, explicou.

"É uma série de medidas que vai mais longe por ignorância, talvez porque simplesmente copiem e colem regras anteriores, porque a verdade é que não encontraríamos outro significado", disse Bock. Por exemplo, ele acrescentou: “as instruções do Registro do [Estatuto Civil Nacional] eram claras de que os jornalistas poderiam entrar [nos centros de votação] com suas câmeras. Então, nós realmente não entendemos muito bem.”

Outra restrição à imprensa durante as eleições como resultado do decreto de 1924 foi a proibição da mídia de divulgar informações não confirmadas por fontes oficiais e de realizar pesquisas, sondagens ou projeções eleitorais.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook