Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Jornais centenários do Brasil tentam unir patrimônio histórico a transformações digitais e aproximação com leitores



“Mídia de legado” é a tradução literal de uma expressão em inglês que designa os meios de comunicação estabelecidos antes de a internet revolucionar a circulação global de informações. A expressão parece particularmente adequada a jornais que ultrapassam um século de vida e buscam se adaptar à era digital construindo novos caminhos no jornalismo sobre as bases do patrimônio acumulado em mais de 100 anos de história.

No Brasil, hoje, há 26 jornais centenários em circulação, segundo apurou o Centro Knight a partir de levantamento da Associação Nacional de Jornais (ANJ). Para se manter relevantes, eles buscam se manter fiéis à sua história e conectados aos seus leitores de décadas, enfatizando seu pertencimento à comunidade, enquanto também se esforçam para consolidar sua operação online e conquistar leitores jovens, já pouco afeitos ao papel.

Há pouco mais de dois anos, a lista da ANJ contava 31 deles. Desde então, vários sucumbiram perante as transformações do jornalismo pós-disrupção digital. E as dificuldades afetam todos, independentemente do porte do jornal ou de a cobertura ser local ou nacional, conforme disse ao Centro Knight a jornalista e pesquisadora Hérica Lene, professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Lene coordenou a pesquisa “Jornais centenários do Brasil, como e por que sobrevivem em tempos de convergência midiática?” e entre 2015 e 2018 entrevistou gestores de 19 jornais que circulam há mais de 100 anos no país.

“Todo mundo está na mesma: ninguém sabe exatamente para onde ir com a mudança da indústria do jornalismo”, disse ela. “É um novo modelo que se está buscando, porque é uma fala comum deles que a publicidade do impresso, como era, sustentava o negócio. O online sozinho não se sustenta em termos de publicidade, e o impresso está em crise justamente pela concorrência do conteúdo online. Eles vão para a internet, mas a internet por si só não sustenta o negócio.”

Além do capital simbólico

Prestes a completar 111 anos de história, o Comércio do Jahu se tornou em maio um dos centenários que recentemente fechou as portas no país.

Fundado em 31 de julho de 1908, o jornal cobria os acontecimentos da região de Jaú, cidade de 120 mil habitantes no interior do Estado de São Paulo, e foi encerrado em suas versões impressa e online no dia 5 de maio de 2019. A edição especial de encerramento se dedicou a destacar o patrimônio construído pelo Comércio do Jahu em pouco mais de um século e seus laços com a comunidade, que manifestou pesar pelo fim do jornal em depoimentos de leitores, anunciantes, colunistas e repórteres.

“O Comércio sempre acompanhou, ao longo de todos os anos, a vida política, cultural, social e esportiva da cidade. E se tornou patrimônio de Jaú, referência em informação, para o município e a região. Como jornal local, com circulação nas cidades circunvizinhas, era essa a principal cobertura, com análise. A população se viu órfã do trabalho realizado pelo Comércio”, disse Ana Karina Victor, diretora de redação do jornal pelos últimos 13 anos, ao Centro Knight.

A decisão de encerrar o Comércio se deu após o jornal passar cerca de quatro anos com dificuldades para se manter, contou ela. Várias soluções foram discutidas entre a redação e os proprietários do jornal, como manter as edições impressas, porém com menor periodicidade, e até acabar com o impresso, mas manter o jornal online. No entanto, os proprietários acabaram decidindo encerrar de vez as atividades do Comércio, disse Victor. (O Centro Knight tentou contato com os proprietários do jornal, mas não teve retorno.)

“A situação não é diferente do que ocorre com outros veículos de comunicação: um número menor de pessoas que se dispõem a comprar o jornal na banca, fazer assinaturas do impresso ou digital. Além do mercado retraído de publicidade”, principalmente no interior, disse ela.

“Abre um vácuo sempre que um jornal fecha, abre mais um espaço no deserto de notícias. No caso de jornais centenários é um abalo muito maior”, disse Marcelo Rech, presidente da ANJ, ao Centro Knight.

Marcelo Rech (Photo: Pedro França/Agência Senado)

Para ele, o grande ativo de qualquer empresa, seja ela jornalística ou não, é a confiança, e essa relação é algo que os jornais centenários tiveram um bom tempo para construir com seus leitores. “Quando a gente fala de informação, ter 100 anos de história ou mais é um ativo, é um patrimônio que estabelece uma relação de confiança raríssima”, disse Rech.

A pesquisadora Lene observou em sua pesquisa que, de fato, esse patrimônio dos jornais centenários ajuda a mantê-los funcionando e os diferencia de outras publicações. “Esse capital simbólico é muito importante em termos de valorização do jornalismo enquanto local de checagem, de informação; as pessoas confiam nessas marcas, que carregam essa credibilidade” cultivada ao longo de décadas, disse ela.

No entanto, essa não é uma garantia de sobrevivência, como demonstra o caso do Comércio do Jahu, pois o que esses jornais enfrentam é “uma crise do modelo da indústria jornalística”, ressaltou a pesquisadora. Segundo ela, um traço em comum aos jornais centenários que ela analisou é a dificuldade de manter a edição impressa, “pelos custos e pela concorrência com o conteúdo da internet”, além de equipes reduzidas em redações que já foram mais povoadas do que são hoje.

A pesquisa de Lene também apontou que a maior parte destes jornais têm como foco a cobertura local e aposta na proximidade com a comunidade em que estão inseridos. “Eles tentam dar um enfoque bastante regional [na cobertura], porque o jornalismo online dá o nacional e o internacional, e a valorização do regional é o que ajuda a sustentar esses jornais”, disse ela.

Tradição e fidelidade

O centenário Correio do Povo, que tem sede em Porto Alegre e já leva 124 anos como um dos principais jornais do Rio Grande do Sul e do país, é um exemplo dessa valorização do regional identificada por Lene em sua pesquisa. No caso, o jornal se dedica com especial atenção à cobertura do que acontece no Estado e faz a cobertura nacional a partir do ponto de vista gaúcho.

Correio do Povo (Courtesy)

Telmo Flor trabalha no Correio desde 1986, ano em que o jornal voltou a circular após dois anos sem ser publicado, e é hoje seu diretor de redação. Ele disse ao Centro Knight que o Correio “é um jornal tradicionalíssimo, principalmente no interior do Estado, com uma profunda ligação com os leitores. A fidelidade aqui é enorme.”

Segundo ele, trata-se de uma característica dos leitores do Correio, e de algo “também muito típico do Rio Grande do Sul”. “Os gaúchos gostam de honrar seus seus traços culturais, e acho que o Correio faz um pouco parte disso.”

A tradição do Correio é lembrada diariamente não só aos leitores, por meio de uma seção que resgata o que saiu no jornal de 100 anos atrás, mas também aos colaboradores que trabalham na redação.

“A gente costuma dizer que o Correio tem uma ‘constituição’. Temos na redação um fac-símile da primeira página do primeiro exemplar do jornal, lá em 1895, e tem um editorial ali que é bastante moderno. É muita história, mas para nós é verdade, está ali, dito: nós somos apartidários, nós somos modernos... É uma tradição junto com modernidade que é boa para o nosso negócio também”, disse Flor.

O jornal, que é parte do Grupo Record de Comunicação desde 2007, teve circulação diária média de 66.950 exemplares impressos (9o lugar nacional) e 41.326 digitais (8o lugar) no primeiro semestre de 2019, segundo dados do Instituto Verificador de Circulação (IVC) disponibilizados ao Centro Knight.

O Correio tem sua receita “cada vez mais vinculada diretamente ao leitor”, disse Flor, com assinaturas e vendas avulsas igualando a publicidade como fonte de divisas para a publicação. E também aqui a história do jornal desempenha um papel.

“Cada vez mais temos consciência de que o que podemos oferecer de diferencial no mercado é credibilidade, e que não é uma credibilidade conquistada ontem ou anteontem com alguma matéria. É uma credibilidade de 124 anos e que sim, parece meio anacrônico, mas nós gostamos disso. Sabemos que as pessoas pagam o jornal por gosto, afinal o sujeito tem por aí milhões de linhas de informação todos os dias, de graça, pela internet. Por que ele paga aqui? Porque ele acredita no jornal, porque nós oferecemos um jornalismo de qualidade. Tentamos todo dia honestamente fazer isso, e o leitor percebe. Então nós passamos para o leitor essa ideia de que estamos a serviço dele e tentando sempre fazer o melhor”, disse ele.

Estar a serviço do leitor, para o Correio, significa estar presente não só em Porto Alegre, mas em outras nove cidades do interior do Rio Grande do Sul. O jornal tem correspondentes em Uruguaiana, Pelotas, Santa Cruz do Sul, Caxias do Sul, Santa Rosa, Frederico Westphalen, Novo Hamburgo, Canoas e Santa Maria, “que representam o nosso vínculo com as comunidades do interior também”, disse Flor. Para ele, isso também é parte do legado de mais de um século do jornal.

Telmo Flor, editorial director of Correio do Povo (Courtesy)

O Correio aposta na tradição também em sua operação online. Segundo seu diretor, o jornal busca preservar no ambiente digital o modo de fazer jornalismo que consolidou o impresso.

“Dos jornalões, quem sobrevive no meio digital com algum sucesso? O New York Times, o Wall Street Journal, o Zero Hora, o Correio do Povo, O Globo. É quem tem história para contar, ou seja, tem credibilidade. E não é só porque eles são famosos, é porque também preservam suas vinculações comunitárias. No nosso caso, acreditamos que temos que preservar nossa vinculação com o sujeito da outra ponta, que é o leitor, e tentamos todo dia fazer isso, imagino que com algum sucesso. A gente se esforça”, ressaltou.

Em busca da “geração entrante”

Nos centenários que buscam também se consolidar online, a aposta é na proximidade da relação com o público leitor, por meio de redes sociais, por exemplo, e em produzir conteúdo para a internet em diferentes linguagens, constatou a pesquisadora Lene. E para uma publicação que nasceu e se consolidou em uma era em que jornal era sinônimo de impresso, essa transição não é pouca coisa.

“O desafio é falar com o público mais jovem, porque os mais jovens não leem jornal de papel”, disse Lene. “O grande desafio deles é tentar atrair esse público, que lê pela internet e não tem ligação afetiva com a marca do jornal nem com o papel. O público desses jornais que gosta de jornal de papel está envelhecendo; como eles atraem os jovens?”

Maria Luiza Borges, director of digital content at Jornal do Commercio System (Photo: Brenda Alcântara/Jornal do Commercio)

O pernambucano Jornal do Commercio (JC), sediado no Recife, tem tentado responder a essa pergunta e seguir se renovando após 100 anos de história, completados em abril desse ano.

O Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, conglomerado de mídia proprietário do jornal, tem também uma rádio, a Rádio Jornal, que opera no Recife e em outros cinco municípios de Pernambuco; dois canais de TV locais, a TV Jornal Recife e a TV Jornal Caruaru; e o portal online NE10, onde está hospedado o conteúdo de todos os meios da empresa.

“O Jornal do Commercio é o principal, é a origem de tudo”, disse Maria Luiza Borges, diretora de conteúdos digitais do conglomerado, ao Centro Knight. “Essa marca nos referencia, mas a cada dia a gente está procurando trabalhar de forma totalmente integrada.”

Essa integração, que começou em 2016, significou o compartilhamento de conteúdo entre todas as plataformas do Sistema, conforme explicou Borges. Os profissionais da redação produzem conteúdo para todos os meios do conglomerado. “Apesar de o jornal ser a grande referência, porque é de onde vem a nossa marca, hoje a gente não consegue falar mais, por exemplo, de um repórter do Jornal do Commercio, porque nada que um repórter faz vai ficar restrito ao jornal”, disse ela.

Esse processo levou à redução da equipe, com pelo menos dois momentos de demissões de membros da redação nos últimos dois anos, disse Borges. E, segundo ela, a operação do Jornal do Commercio, separada dos outros meios do Sistema, ainda é deficitária. A receita do jornal, que se divide quase igualmente entre publicidade e assinaturas, não cobre os custos de produzir “jornalismo com critério” e sustentar a estrutura necessária para imprimir o jornal em papel, afirmou.

“Se não estivéssemos vivendo como sistema, a situação hoje seria muito mais complicada. A capacidade de visualizar o Sistema Jornal do Commercio como órgão único de geração de conteúdo foi que nos deu um fôlego para chegar onde chegamos. Não estamos dando lucro, mas pelo menos aqueles anos de vultosos prejuízos ficaram para trás”, disse ela.

Segundo dados do IVC, o Jornal do Commercio teve no primeiro semestre de 2019 média de circulação impressa diária de 15.792 exemplares (21o lugar no ranking nacional de impressos medidos pelo IVC). A circulação digital teve média no período de 8.491 exemplares (16o lugar). O jornal é o único de Pernambuco a figurar nas listas do IVC.

Borges comentou que tem pessoas “com 20, 30 anos” de assinatura do Jornal do Commercio, e que o jornal se preocupa em valorizar esses leitores fiéis. Mas um dos principais esforços no momento é “cuidar das novas gerações”.

“Tem um fenômeno, que é muito do nosso tempo, de uma geração entrante que tem pouca fidelidade ao jornalismo de qualidade. Ela vai ler o que passar na timeline ou o que o amigo mandar, seja por mensageiro, seja na timeline do amigo, seja no Instagram da prima e por aí vai. Então é um mega desafio para a gente conversar com esses entrantes, porque daqui a dez anos são eles que teoricamente deveriam estar consumindo jornalismo de qualidade. E se a gente não sensibiliza e não mostra pra eles que é duro fazer, produzir e trazer essa informação de qualidade, a gente muito provavelmente vai ter o esvaziamento da nossa audiência”, analisou.

Nesse esforço, o Jornal do Commercio prepara sua renovação digital e buscou ouvir representantes dessa geração em grupos focais reunindo tanto jovens leitores do jornal como “gente que nos lê acidentalmente, porque um link passou por acaso na timeline deles”, disse Borges. O objetivo foi ouvir desses jovens “o que geraria valor para a vida deles, o que podemos entregar que faça sentido para eles”.

Newsroom of Jornal do Commercio in Brazil (Photo: Leo Motta/Jornal do Commercio)

Além disso, o Jornal do Commercio tem buscado fortalecer sua operação online participando de projetos financiados por Google News Initiative (GNI) e Facebook Journalism Project, iniciativas de fomento ao jornalismo por parte das gigantes das plataformas digitais. O Jornal do Commercio é parte do Comprova, projeto que reúne 24 veículos no combate à desinformação; participou dos aceleradores de produção de vídeo e de notícias locais do Facebook; e acabou de ser selecionado no Desafio de Inovação do GNI com um projeto de verificação de fatos.

“Temos tentado ir além das formas tradicionais de financiamento, temos ido atrás de projetos bem específicos porque ajudam nessa travessia”, disse Borges, em referência aos desafios simultâneos da geração de receita e da produção de conteúdo online. “Como diz um amigo meu, são vários pratos rodando e nós tentamos dar conta de todos eles. Ou é isso ou despenca tudo, né”, riu.

O ativo da marca centenária

Para Rech, da ANJ, jornais são “amálgamas da comunidade” e, ao longo de décadas, criam uma “liga de pertencimento” à comunidade que acaba transcendendo o produto comercial oferecido. No caso dos centenários voltados ao jornalismo regional, esse aspecto se exponencia, pela extensão do tempo e pela concentração do espaço da cobertura.

O grande diferencial dos centenários, destacou ele, é a “construção gradual, sólida, permanente, da credibilidade e da confiança”. “Do ponto de vista da informação hoje, essa é a maior necessidade, a maior demanda e o atributo mais reconhecido”, afirmou.

Destacar a própria história na tentativa de sensibilizar os leitores para a importância do jornal e seu legado “nem sempre comove”, acredita Rech, que também é vice-presidente editorial e institucional do Grupo RBS.

“Já vender a noção de confiança, de reciprocidade, de que ‘estamos aqui há muito tempo fazendo jus à confiança da comunidade e estaremos aqui por muito mais tempo fazendo jus à comunidade’, é um ativo único, relevantíssimo, inigualável. Não pode ser comprado na prateleira, não está à venda. Uma tecnologia, a capacidade de divulgar informação mais rápida, isso está na prateleira, eu diria. A confiança, a credibilidade, não. Isso não se compra, isso se constrói”, disse ele.

E embora as transformações no jornalismo e o imperativo do digital assombrem meios impressos de todas as idades, os centenários têm inclusive uma significativa vantagem nesse cenário, acredita o presidente da ANJ.

“Nós não estamos no ramo da impressão de papel. Estamos no ramo da produção de informação confiável, cuja difusão se dá em diferentes plataformas, entre as quais a impressa. Para nós, o que é fundamental é a marca estabelecida, e os centenários têm uma vantagem, porque são marcas muito estabelecidas, muito enraizadas. E o reconhecimento da marca é o grande ativo da relevância.”




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook