Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

México, Brasil e Porto Rico levam para casa prêmios 'Javier Valdez' de jornalismo investigativo latino-americano



Uma das maiores celebrações e reconhecimentos dos melhores jornalistas investigativos da América Latina ocorreu na capital do México em novembro deste ano.

A edição 2019 do Prêmio Latino-Americano de Jornalismo Investigativo 'Javier Valdez' reconheceu jornalistas do Quinto Elemento Lab (México), TV Globo (Brasil) e do Centro de Jornalismo Investigativo (CPI) de Porto Rico, pela excelência em jornalismo.

O prêmio foi concedido no âmbito da Conferência Latino-Americana de Jornalismo Investigativo (Colpin, na sigla em espanhol) 2019, organizada anualmente há 18 anos pelo Instituto de Imprensa e Sociedade (IPYS) do Peru, juntamente com a Transparency International, em aliança com outras instituições e organizações do país anfitrião.

O Instituto Mexicano de Acesso à Informação e Proteção de Dados Pessoais (INAI) e a organização de liberdade de expressão Artigo 19 O México participaram desta edição. A conferência ocorreu na Cidade do México de 7 a 10 de novembro na sede do INAI.

O primeiro colocado nos prêmios “Javier Valdez” foi a organização jornalística mexicana Quinto Elemento Lab, por sua reportagem “El país de las mil fosas” (O país dos dois mil túmulos).

Esta investigação revelou a descoberta de dois mil enterros ilegais em 24 dos 31 estados do México, durante a guerra do governo contra o narcotráfico (2006 e 2016). Um grupo de 20 pessoas, incluindo jornalistas, programadores e artistas visuais, trabalhou na investigação sob a coordenação de Marcela Turati, Mago Torres e Alejandra Guillén. Segundo o Quinto Elemento Lab, durante a realização desta reportagem um novo poço foi localizado em média a cada dois dias.

O segundo lugar do prêmio “Javier Valdez” foi um empate entre dois trabalhos do mesmo meio de comunicação, a TV Globo do Brasil, pelas obras jornalísticas: “Expondo João de Deus: o curador internacional que enganou o mundo”, de Camila Appel e Pedro Bial; e "O outro lado de João de Deus", de James Alberti, Maurício Ferraz, Evandro Siqueira, Wagner Suzuki e Guga Pacheco.

Ambas as reportagens investigam a vida do curador João de Deus, que nas décadas anteriores estava vinculado a práticas filantrópicas, de acordo com o IPYS, e agora é acusado de estupro, assassinato, envolvimento com tráfico de drogas e mineração ilegal. Depois da publicação das reportagens, o curandeiro foi preso e enfrenta julgamentos por vários crimes.

O terceiro lugar foi concedido ao Centro de Jornalismo investigativo (CPI) de Porto Rico, por sua reportagem "Los Rickyleaks". Nesta série de reportagens jornalísticas, o CPI publicou o vazamento de uma conversa no Telegram do então governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló.

Nessa conversa, Rosselló conversou aliados e funcionários do governo que revelaram uma suposta rede de tráfico de influências e conflitos de interesse dentro do governo. Depois dessa reportagem, os porto-riquenhos saíram às ruas para protestar e Rosselló foi forçado a renunciar.

O prêmio recebe o nome de Javier Valdez, um renomado jornalista mexicano que denunciou minuciosamente o narcotráfico na região e foi morto a tiros em Sinaloa em 15 de maio de 2017.

O júri do prêmio foi composto por Lise Olsen (EUA), Giannina Segnini (Costa Rica), Ewald Scharfenberg (Venezuela), Fernando Rodrigues (Brasil) e Santiago O'Donnell (Argentina). Entre os finalistas, eles também selecionaram 12 trabalhos de investigação que receberam menção honrosa. Eles incluíam:

Nicaragua – “Laureano Ortega y el millonario negocio de la ópera” (Laureano Ortega e o negócio milionário de ópera) do Artículo 66.

  • Cuba – “El programa Mais Médicos”, do Diario de Cuba .
  • Venezuela - “La fuga del oro venezolano” (o vôo do ouro venezuelano), de Runrunes.
  • Equador - “A receita do arroz verde”, de MilHojas.
  • Uruguai - “Los archivos del lavado” (Os arquivos de lavagem), de Sudestada.
  • Colômbia - “Operação silenciosa”, da Semana.
  • México - “Operação Safiro” (Operação Safira), dos mexicanos Contra a Corrupção e a Impunidade (MCCI) e o jornal Reforma.
  • Bolívia - “Viaje ao mercado negro da onça-pintada” (Viagem ao mercado negro da onça-pintada), do RAI-MongabayLatam.
  •  República Dominicana - “Tráfico impune” (Tráfego impune), do Diario Libre.
  • Guatemala - “As Olimpiadas da corrupção” (As Olimpíadas da Corrupção), de No-Ficción.
  • Panamá - El caso Pandeportes, de La Prensa.
  • Brasil - “A terra dos enforcados”, da Veja.

Mais de 190 trabalhos de 16 países se inscreveram para os prêmios. Os vencedores recebem U$ 25.000 graças ao patrocínio da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Durante a Conferência Latino-Americana de Jornalismo Investigativo (Colpin) de 2019, Ismael Bojorquez, diretor da RioDoce, fez um discurso em homenagem a Javier Valdez, na frente da esposa do jornalista, Griselda Triana, que não conseguiu conter as lágrimas.

"E eu queria dizer a Javier que esse país que ele nos deixou dois anos e meio atrás é ainda pior", disse Bojorquez. "E diga a Javier: 'De jeito nenhum!' como disse ele. A cidade [Culiacán] está pior agora, mas também para dizer a Javier que o que ele fez com todos nós, você e você também. (…) Ele cometeu todos nós que acreditamos nisso com este ótimo trabalho e belo trabalho, as coisas ainda podem ser mudadas.”

No final da conferência, o IPYS, o INAI e o Artigo 19 do México estabeleceram uma aliança para continuar promovendo o jornalismo investigativo na América Latina.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook