Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Aliança de 12 meios de notícias locais quer abordar grandes questões no México




Pouco antes que as “caravanas” no México se tornassem manchetes no mundo todo, um grupo de jornalistas espalhados por todo o país bolou um plano - os repórteres acompanhariam os refugiados e migrantes do começo ao fim da viagem.

Os repórteres cobriram quase todas as etapas da jornada de quase 2.500 milhas de Chiapas a Tijuana, marcando seu projeto mais abrangente desde o início do Tejiendo Redes (Tecendo Redes), uma aliança de 12 organizações de mídia locais em todo o México.

O grupo comemorou recentemente seu primeiro aniversário e alguns repórteres consideram a cobertura da caravana um exemplo de seu sucesso e uma inspiração para os próximos anos.

"Começamos a ver as condições que estavam mudando nessa situação sem precedentes ... de um fluxo massivo de pessoas se deslocando por todo o país", disse o diretor de La Verdad en Juárez, Rocío Gallegos, ao Centro Knight. "Acho que a localização estratégica dos meios de comunicação da aliança foi fundamental para poder mostrar a situação vivida [em relação às] condições de direitos humanos".

A aliança obteve outra grande conquista em seu primeiro ano. Em novembro, o Google anunciou que a aliança é um dos ganhadores do Desafio de Inovação da Google News Initiative, uma competição global que visa apoiar modelos inovadores de publicação de mídia. A aliança foi uma das duas organizações de notícias do México que recebeu o prêmio.

Os meios que atualmente fazem parte da aliança incluem: Chiapas Paralelo (Chiapas), Lado B (Puebla), Pie de Página (Cidade do México), Voz Alterna (Veracruz), Raíchali (Chihuahua), Amapola e Trinchera (Guerrero), ZonaDocs (Jalisco), La Verdad (Cidade Juárez), Página 3 (Oaxaca), Inndaga (Sinaloa), Perimetral.press (Jalisco).

Segurança no México

A Tejiendo Redes começou em junho de 2018. De Chiapas a Sinaloa, a aliança uniu meios de comunicação locais em oito estados do México. Por meio dessa nova conexão, os repórteres esperavam poder continuar produzindo jornalismo independente e vigilante, apoiando-se mutuamente e trabalhando em colaboração.

Os repórteres disseram que uma das razões para iniciar a aliança era prática: há força nos números. As regiões em que muitos deles vivem podem ser perigosas para jornalistas.

O México é um dos países mais mortais do mundo para jornalistas. De fato, este ano o México é o país mais perigoso do mundo para profissionais de mídia, com pelo menos dez jornalistas mortos até o momento, de acordo com a organização de liberdade de expressão Artigo 19 do México. E regiões remotas podem ser ainda mais arriscadas para jornalistas.

The Tejiendo Redes network of media in Mexico (Graphic: Tejiendo Redes)

"A aliança de meios impulsiona a imprensa livre nos estados do México, onde a violência é endêmica em muitas regiões, onde enfrentamos ataques e assassinatos de colegas", disse Gallegos. "Mas acho que isso nos ajudou a andar de mãos dadas e nos fortaleceu a continuar fazendo jornalismo - a continuar fazendo o jornalismo que promove mudanças em nosso país."

Mas não é apenas a segurança pessoal dos repórteres que a aliança espera garantir. Eles também querem poder cobrir integralmente e com precisão as condições de violência e direitos humanos nessas regiões inseguras.

O México está no caminho para ter o ano mais mortífero desde que o governo começou a acompanhar os números em 1997. O crime é mais pronunciado nas regiões do norte; embora Chiapas, onde trabalha a jornalista de Chiapas Paralelo, Ángeles Mariscal, também esteja atualmente sob um alerta de viagem emitido pelo governo dos Estados Unidos devido a crimes na região.

Mariscal disse que, entre outras coisas, condições violentas e a economia precária nessas áreas foram motivações para ingressar na aliança. Os repórteres querem fazer justiça às pessoas e histórias em suas comunidades, disse Mariscal. Ela acrescentou que eles acreditam que podem fazer isso se unindo.

"Acredito que, porque estamos juntos, podemos ser mais fortes", disse Mariscal ao Centro Knight. “Basicamente, [os meios na aliança] se dedicam à construção de sociedades melhores. Sociedades melhores nos lugares imediatos onde vivemos.”

Motivações financeiras

Além de proporcionar mais segurança aos jornalistas e permitir que eles cubram melhor os conflitos violentos, a aliança também pretende ajudar os meios locais a se manterem no azul durante um momento econômico difícil para as organizações de notícias.

Mariscal disse que coisas simples como manutenção e administração básicas de sites podem ser difíceis de gerenciar, especialmente para meios de notícias localizados em regiões mais rurais como Chiapas.

As agências que fazem parte da aliança esperavam que o compartilhamento de recursos e a divisão de algumas responsabilidades beneficiassem todos os meios, de acordo com Jade Ramírez Cuevas, jornalista de Periodistas de a Pie e que se concentra em liberdade de expressão para a aliança. Até agora, ela disse que isso tem funcionado.

"[A rede] garante ... que a liberdade de expressão exista nesses meios independentes, graças à aliança que distribui e compartilha conhecimentos, habilidades, segredos de alternativas de financiamento para como fazer algum tipo de investigação ou encontrar recursos", disse Ramírez Cuevas. "A aliança gera uma troca de conhecimento e experiência em todas as áreas do trabalho jornalístico."

Eles esperam aumentar seus esforços de captação de recursos no próximo ano como parte de seu projeto do Google.

Em 2020, os jornalistas dizem que, com a ajuda da empresa de tecnologia, vão explorar diferentes opções de sustentabilidade. Com o apoio do Google, a aliança está trabalhando no desenvolvimento de uma plataforma de assinatura comum para os meios de comunicação do grupo.

Ernesto Aroche, codiretor, repórter e editor do Lado B em Puebla, disse que a estabilidade financeira é crucial para manter sua independência. No México, o governo é um dos principais contribuintes financeiros para muitos meios de comunicação por meio de publicidade oficial. Como resultado, esses meios de comunicação, às vezes, não têm muita liberdade sobre o conteúdo que produzem.

Aroche disse ao Centro Knight que jornalistas que fazem parte da Tejiendo Redes acham importante garantir que não haja um vínculo econômico entre os meios e as pessoas e instituições de poder. Eles não querem depender de fundos federais.

"Durante décadas, o jornalismo mexicano tem dependido do dinheiro do governo, o que implica controle político da mídia, um problema que é pior no contexto local", escreveu a aliança em sua proposta de projeto do Google.

Aroche disse que acredita que a aliança pode alcançar essa independência e ter sucesso financeiro porque as comunidades valorizam as reportagens locais que eles estão produzindo.

“Queremos fortalecer o jornalismo por meio do relacionamento com o público, evitando o controle exercido pelos poderes políticos e econômicos por meio do pagamento de publicidade oficial”, escreveram na proposta do projeto.

Com frequência, disse Aroche, os jornalistas se concentram apenas no que está acontecendo na Cidade do México, onde quase todos os principais meios de comunicação estão baseados, junto com a maioria das instituições federais.

Esse não é o caso dos repórteres da aliança que falaram com o Centro Knight.

"Queríamos mudar a narrativa ... as coisas não acontecem apenas na Cidade do México", disse Aroche. “Por muitos anos, meios de comunicação e jornalistas realmente se separaram [dos leitores]. Estamos interessados ​​em como restabelecer essa ligação. Estamos interessados ​​em conhecer e ouvir os problemas das pessoas. ”

Abordar as grandes questões

Além de encontrar métodos para se manter financeiramente estável, fomentando vínculos mais fortes com os leitores, os repórteres da aliança disseram que também querem se concentrar em mais esforços de colaboração, como a reportagem sobre a caravana.

The Tejiendo Redes team (Photo: Lucia Vergara)

"O objetivo é começar com um trabalho de investigação que nos permita responder a problemas nacionais", disse Aroche.

Gallegos ecoou essa ideia dizendo que o grupo quer enfrentar coletivamente questões graves que o México enfrenta.

"Nossa cobertura é focada em revelar situações de violência, de violações de direitos humanos", afirmou Gallegos. "Estamos falando sobre tornar visíveis os danos ao meio ambiente e tornar visíveis os casos de corrupção."

Futuro de Tejiendo Redes

Uma coisa é certa: Tejiendo Redes está apenas começando. De fato, alguns repórteres da aliança esperam que a ideia de uma aliança entre meios locais se espalhe para outras regiões do México.

Os jornalistas disseram que não pensam em outros meios como competição. Pelo contrário, alguns dos repórteres disseram que estão de acordo com a ideia de trazer mais meios locais no grupo.

“Por que não adicionar mais meios de comunicação que tenham a mesma missão de fazer jornalismo e fazer jornalismo que empodere os cidadãos? Um jornalismo livre. Um jornalismo que busca tornar visíveis as condições de muitas regiões do país ”, afirmou Gallegos.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook