Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Fotógrafo venezuelano é libertado após 16 meses em prisão militar, mas ainda enfrenta acusações




*Esta nota foi atualizada

As autoridades libertaram o fotógrafo freelancer venezuelano Jesús Medina Ezaine da prisão militar de Ramo Verde no final da noite de 6 de janeiro.

Ele precisa comparacer a um tribunal a cada oito dias e não pode sair do país, de acordo com a Associação Nacional de Jornalistas em Caracas. 

Jesús Medina (Twitter)

Sete presos políticos também foram libertados nessa noite, de acordo com a organização de direitos humanos Foro Penal, segundo reportagem do El Nacional.

"Eu agradeço à nação venezuelana por acompanhar o meu caso e fazer barulho para conseguir minha libertação", publicou Medina no Twitter, junto com um vídeo no qual ele reiterou sua gratidão. “Peço desculpas ao país por não ter conseguido fazer mais em busca da nossa liberdade. Informar não é crime! ”

Em 29 de agosto de 2018, Medina estava com dois repórteres peruanos em uma estação de metrô de Caracas quando foi detido por agentes. Ele foi acusado de lavagem de dinheiro, associação criminosa, incitação ao ódio e obtenção de lucro ilegal contra atos da administração pública, informou o El Nacional na época.

Houve 10 adiamentos para uma audiência em seu caso e ele sofreu com consequências nocivas à sua saúde, segundo a BBC.

Após sua libertação, o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) pediu às autoridades que retirem as acusações contra Medina.

“Jesus Medina não deveria ter passado nenhuma noite na prisão. É inaceitável que as autoridades venezuelanas o tenham mantido por dezesseis meses sem julgamento”, disse Natalie Southwick, coordenadora dos programas do CPJ para a América Central e América do Sul, em um comunicado. "As autoridades devem retirar imediatamente todas as acusações contra Medina e parar de deter jornalistas críticos."

O fotógrafo e jornalista foi preso anteriormente na Venezuela em outubro de 2017, juntamente com dois repórteres internacionais, enquanto se apresentavam na prisão de Tocorón. Ele foi libertado dois dias depois.

No mês seguinte, ele desapareceu e reapareceu dois dias depois, dizendo que foi torturado e ameaçado de morte. No final daquele mês, ele disse que deixou o país devido a ameaças por seu trabalho.

Medina trabalhou no site Dolar Today, que publica taxas de câmbio do mercado negro. Ele era um dos três jornalistas da América Latina presos por seu trabalho, de acordo com um relatório especial do CPJ de 1º de dezembro de 2019. Os dois outros jornalistas encarcerados são o cubano Roberto de Jesús Quiñones e o hondurenho David Romero Ellner.

*Esta nota foi atualizada para incluir as medidas restritivas contra Medina após a sua libertação.

 

 



Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook