Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Jornalistas independentes da Bolívia enfrentam polarização social após a saída do ex-presidente Evo Morales



A polarização persiste na Bolívia após a renúncia e saída do país do ex-presidente de esquerda Evo Morales e o estabelecimento do governo de transição conservador da presidente interina Jeanine Áñez. Enquanto isso, os jornalistas que permanecem no país precisam lidar com essa situação de ajuste.

Para o jornalista Raúl Peñaranda, diretor do portal Brújula Digital, as pressões, críticas e ameaças de autoridades estatais cessaram em comparação com as práticas governamentais anteriores.

“Vejo que a situação da imprensa e dos jornalistas independentes na Bolívia melhorou acentuadamente com a queda de Evo. Pelo menos isso mostra que você respira um ar de liberdade”, disse Peñaranda ao Centro Knight.

“Por si só, a liberdade de expressão neste momento, como tal, não está sendo tão oprimida como no governo anterior, onde havia mecanismos para interferir nas esferas, especialmente na organização de jornalistas, comunicadores, incluindo a propriedade da mídia”, disse José Luis Aguirre, diretor do Serviço de Treinamento em Rádio e Televisão para o Desenvolvimento (Secrad) da Universidade Católica Boliviana (UCB).

Embora o jornalista boliviano Juan Araos, diretor de conteúdo do jornal Los Tiempos de Cochabamba, concorde que as pressões sobre a imprensa independente não provêm mais do governo, ele explicou que o ambiente social polarizado que resultou da fraude eleitoral em outubro passado está colocando novos desafios ao trabalho jornalístico.

“Pode-se pensar que o assunto é silencioso para os jornalistas, mas não é. (...) Como a situação foi polarizada, os setores que por esses 14 anos foram considerados oposição, agora são oficiais e têm uma absoluta animosidade com o presidente Morales, e colidem com a mídia que é noticiada [notícias relacionados ao ex-presidente]”, disse Araos ao Centro Knight.

Jornalistas independentes não são mais perseguidos pelo governo, “não há mais entrevistas coletivas para silenciar alguns jornais", agora são as pessoas, os leitores, que estão muito polarizados e acabam afetando o trabalho da imprensa, disse Araos.

“Não é como se estivéssemos tomando um copo de leite. Não. Ainda estamos sob pressão, ainda estamos com problemas, obviamente não tanto quanto antes, porque antes era o governo. O que aconteceu aqui [na Bolívia] foi muito difícil, as pessoas ficaram muito afetadas, muito chocadas. Há muita polarização”, acrescentou.

Como exemplo disso, o jornalista mencionou os excessos do grupo chamado Resistência Juvenil de Cochala contra a imprensa durante uma vigília em frente à Assembleia Legislativa Departamental, quando os membros eleitorais foram eleitos em dezembro de 2019.

Havia um cordão humano de membros daquele movimento que “atrapalhava o trabalho dos jornalistas que queriam entrevistar os candidatos, e não os deixaram. Esse problema surge da questão da polarização”, afirmou Araos. Este movimento cidadão que discorda da posição do governo de Morales, diz em seu perfil no Twitter que pretende lutar pela democracia na Bolívia.

A polarização social provocou confrontos entre grupos a favor e contra Morales e fez com que muitos meios de comunicação, como rádios comunitárias e povos nativos, sofressem danos à sua infraestrutura durante os protestos do final do ano, a ponto de parar de transmitir.

Recentemente, em 14 de janeiro, a Associação Nacional da Imprensa da Bolívia (ANP) informou que grupos de cidadãos interferiram no trabalho dos jornalistas, impedindo-os de tirar fotos. Um jornalista disse à organização que policiais vizinhos testemunharam o evento. 

Edison Lanza, Relator Especial para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), publicou no Twitter: "A obrigação do Estado é proteger jornalistas e punir agressores".

As rádios comunitárias que Evo deixou

As rádios comunitárias dos povos indígenas (RPO), criadas por Morales, têm transmitido mensagens de ódio e chamadas à guerra civil em vários locais do país, disse ao Centro Knight o atual vice-ministro de política de comunicações do Ministério da Comunicação da Bolívia, Martín Díaz Meave.

“Aqui no ministério muitas queixas foram recebidas, particularmente, sobre esses apelos à guerra civil. Muitos rádios economicamente dependentes do governo que estava emitindo mensagens pedindo guerra civil, com ameaças pessoais, incluindo a figura da presidente (Jeanine Áñez), da posição do novo governo”, disse Díaz. 

No início de janeiro, a então ministra da Comunicação, Roxana Lizárraga, disse que o rádio Kawsachun Coca não cumpria o papel de uma RPO, de informar e educar, e a acusou de transmitir "vozes sediciosas que continuam chamando o confronto", de acordo com Página Siete.

Ela disse que o governo não suspendeu as operações da estação.

"Isso é liberdade de expressão, mas também a liberdade de expressão tem seus limites e também devemos agir de frente quando houver problemas que possam de alguma forma enganar o povo da Bolívia, buscando proteger governos corruptos, proteger o tráfico de drogas, também eles terão que agir contra isso", disse Lizárraga.

As operadoras de rádio informaram nas redes sociais que seu equipamento de transmissão havia sido confiscado pelo Ministério da Comunicação por uma "suposta manutenção", segundo a Página Sete.

Lanza, o Relator Especial, tuitou: "Os 'limites' propostos pelo Ministro das Comunicações da Bolívia às rádios devem ser compatíveis com a ampla proteção da liberdade de expressão sob a Convenção Americana".  

Depois de deixar a Bolívia, uma gravação de Morales pedindo a formação de milícias armadas vazou pela rádio Kawsachun Coca Trópico, informou a Reuters. O ex-presidente disse à agência de notícias que os bolivianos tinham o direito de se defender do novo governo e que, em seu discurso, ele não quis dizer "armas, mas estilingues".

Essas RPOs operaram durante o governo de Evo Morales como retransmissoras da rádio do governo nacional, a Radio Illimani, anteriormente chamada Radio Patria Nueva, disse o jornalista Peñaranda.

"As RPOs nem sequer eram consideradas rádios de povos nativos, mas localizavam-se em lugares estratégicos do país e transmitiam a rádio do governo, que era uma rádio favorável a Morales sem nenhum pluralismo, mas eram praticamente repetidores".

Essas RPOs lutam e competem há anos com as tradicionais rádios comunitárias bolivianas que transmitem conteúdo local e cumprem os requisitos da Lei 164, a Lei Geral de Telecomunicações, Tecnologias da Informação e Comunicação, segundo Aguirre, que foi responsável por 12 anos pelo escritório boliviano da Associação Mundial de Rádio Comunitária (Amarc).

“Infelizmente, o governo anterior usou muitas rádios comunitárias politicamente com uma estratégia muito simples: se você se alinhou com a ideia do partido, eles forneceram infraestrutura, recursos financeiros e até um transmissor. Dessa forma, a Lei 164 foi aprovada, que especifica que uma rádio comunitária deve apresentar um projeto de rádio educacional”, acrescentou o vice-ministro Diaz.

No entanto, Díaz negou que o governo de transição tenha tentado censurar as estações de rádio comunitárias após o fechamento das informações de estações de rádio publicadas por alguns meios de comunicação bolivianos, como o jornal La Razón, em dezembro de 2019. “Esse argumento foi usado para atacar o governo, como se ele quisesse silenciar essas rádios”, disse ele.

“Há rádios que foram destruídas, queimadas, há apresentadores e técnicos que foram ameaçados, etc. Então, em meados de novembro, quando os protestos terminaram, várias dessas rádios relataram ao governo os danos sofridos. As regularizações levaram algum tempo porque também levou algum tempo para o país voltar ao normal”, disse ele.

O vice-ministro explicou que, em muitos casos, não era possível realocar novos itens do orçamento para as rádios afetadas, porque era o fim do ano e não dispunha dos recursos necessários para isso. "Então, essas rádios que deveriam transmitir conteúdo local precisavam começar a tocar ou repetir o sinal da rádio Illimani".

“Retomamos o contato com a Associação Mundial de Rádio Comunitária (Amarc), onde vários de seus membros, de maneira muito discricionária, renovaram sua licença, e o que fizemos foi regularizar a situação de todos eles, e esse é um trabalho que ainda está em andamento”, afirmou o vice-ministro.

Por outro lado, Aguirre, diretor do Secrad, fez uma demarcação entre as RPOs e as rádios comunitárias tradicionais do país. As RPOs eram emissoras da rádio estatal Patria Nueva, não transmitiam conteúdo local, mas não as estações de rádio comunitárias membros da Amarc, disse Aguirre.

“As rádios comunitárias tradicionais operam na Bolívia desde o final da década de 1970. Nossas rádios comunitárias rurais sempre foram perseguidas e apreenderam seus equipamentos porque, nos regulamentos de telecomunicações anteriores, elas não eram reconhecidas, apenas dois tipos de operadores eram classificados: o operador estatal e o operador comercial privado, onde a figura da comunidade não aparece”, afirmou Aguirre.

Com a Lei 164, promulgada em 8 de agosto de 2011, o então presidente Evo Morales criou as RPOs e deu status legal às estações de rádio comunitárias tradicionais. Graças a essa lei, o espaço do rádio foi redistribuído, dando 17% às rádios dos povos nativos e outros 17% às rádios sociais da comunidade.

Segundo Aguirre, uma das virtudes dessa lei é ter concedido pela primeira vez às rádios comunitárias tradicionais seu reconhecimento legal, no entanto, ele disse que isso se devia a anos de esforço e trabalho do Amarc.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook