Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Policiais prendem jornalista venezuelano que informou sobre a situação COVID-19 no país



*Essa reportagem foi atualizada

A casa do jornalista venezuelano Darvinson Rojas foi invadida e ele foi detido por agentes das Forças de Ação Especiais (FAES) da Polícia Nacional Bolivariana (PNB) em 21 de março, em Caracas. Jornalistas e grupos de liberdade de expressão no país dizem que foi por uma reportagem sobre o coronavírus na Venezuela.

Darvinson Rojas. (Twitter)

As FAES são um esquadrão de elite da polícia criado pelo atual governo, acusado de ser um grupo de extermínio, segundo a BBC.

"Ontem (23 de março), por volta das 18h, apesar de a família passar o dia todo no tribunal com os advogados do Espacio Público, eles esperaram que o jornalista fosse transferido para o Palácio da Justiça, segundo o que o defensor público nos disse", mas eles não o viram até a tarde de 24 de março, disse Carlos Correa, diretor do Espacio Público, ao Centro Knight.

Na audiência de 23 de março, Rojas foi acusado de instigação ao ódio e instigação pública, informou via Twitter o Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa de Venezuela (SNTP). "Durante a audiência clandestina e ilegal que realizou neste 23 de março, a promotoria imputou também [o crime de] terrorismo, mas a acusação foi rejeitada", escreveu o sindicato no tuíte.

O jornalista não pôde ter muito contato com seus parentes ou advogados, disse Correa. Da mesma forma, Correa confirmou que será processado por denunciar o COVID-19 e supostamente poderia continuar seu processo em liberdade com algumas restrições, como ser proibido de saída do país ou de falar publicamente sobre seu caso.

Se os membros de sua família conseguirem apresentar todos os documentos exigidos para a fiança, ele poderá ser libertado, explicou Correa.

"Aparentemente, hoje (24 de março) eles os apresentariam, mas com essa situação do coronavírus, o tribunal encarregado terá uma audiência em 2 de abril", disse Correa. "Estamos simplesmente com um nível de incerteza, não se sabe se eles o manterão preso até essa data", acrescentou.

O SNTP também indicou que a cobertura de Rojas do COVID-19 no país e suas mensagens nas mídias sociais a esse respeito supostamente levaram à sua apreensão.

Em sua conta no Twitter, Rojas gravou com áudio e fotografias o momento em que agentes das FAES cercaram sua casa e entraram.

Da mesma forma, via Twitter, o SNTP informou que Rojas foi detido por cerca de "15 oficiais encapuzados e armados que, além disso, prenderam Jesús Rojas e Mirian Sánchez, pais do jornalista". O SNTP também informou que os homens encapuzados espancaram o pai do jornalista durante a operação e que computadores e telefones celulares foram levados.

Segundo o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), os pais do jornalista foram libertados logo após a detenção de Rojas.

O pai do jornalista informou mais tarde naquele dia, via Twitter, que seu filho está preso na sede das FAES, no município de La Quebradita. "Eu considero as FAES responsáveis pela vida de meu filho Darvinson Rojas, por seu estado de saúde", tuitou o pai do jornalista.

No entanto, o SNTP informou em 22 de março que Rojas não estava mais detido na sede da polícia de La Quebradita, mas na sede das FAES no município de Caricuao, de acordo com sua família e organizações de defesa.

Antes de sua prisão, Rojas disse via Twitter que o FAES o informou de que havia recebido uma ligação anônima sobre um caso COVID-19 em sua casa, então pediram que ele os acompanhasse.

De acordo com uma declaração da Anistia Internacional sobre a prisão de Rojas, as FAES "têm um histórico terrível de cometer graves violações dos direitos humanos". "Exigimos sua libertação imediata e incondicional", escreveu a organização ao presidente venezuelano Nicolás Maduro por carta formal.

"Em tempos de crise mundial de saúde pública, o direito das pessoas à liberdade de imprensa é mais vital do que nunca", escreveu a organização. "Os jornalistas, principalmente os que relatam a crise, devem ser protegidos, não presos."

O Monitor das Vítimas é um projeto da organização Mi Convive e da plataforma de mídia digital venezuelana Runrun.es, na qual cidadãos e jornalistas investigativos participam para contribuir para a redução da violência em Caracas. Por meio do projeto, a equipe coleta informações sobre atos violentos na cidade.

"Exigimos sua libertação imediata e garantias para a liberdade de expressão de Darvinson, bem como a de todos os jornalistas na Venezuela, para manter a população devidamente informada, pois é um elemento essencial para interromper a pandemia do COVID-19", disse o Monitor das Vítimas para o Efecto Cocuyo.

O CPJ exigiu a libertação imediata de Rojas. “A detenção violenta de um jornalista e a interrogação sobre suas fontes em um problema vital de saúde pública, como o surto de COVID-19, tem um efeito inegável de arrepiar que desencorajará outros jornalistas de reportar sobre a pandemia”, disse Natalia Southwick, CPJ South e Central. Coordenador do Programa América.

*Esta nota foi atualizada para incluir informações sobre as acusações contra o jornalista.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook