Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Site equatoriano cria memorial virtual para que familiares possam se despedir de vítimas da pandemia de COVID-19



Dos países da América do Sul, o Equador é o que tem o maior número de infectados e mortes per capita devido ao novo coronavírus.

No "Equador, hoje, se uma pessoa morre em um hospital, seus parentes não podem se despedir ou vê-la", disse Isabela Ponce, diretora e fundadora do site equatoriano GK, ao Centro Knight. "Quem morreu deve ser enterrado, (...) sem que ninguém esteja lá", afirmou.

Design da página de início do Voces para la Memoria de GK. (Cortesia).

A cidade onde GK iniciou, Guayaquil, apareceu nas manchetes internacionais com reportagens descrevendo como os corpos dos mortos eram deixados nas ruas devido ao colapso de hospitais, necrotérios, cemitérios e funerárias.

Por isso, GK está preparando um memorial virtual colaborativo "Voces para la Memoria", para que os equatorianos possam se despedir de seus entes queridos, que morreram durante a emergência de saúde causada pelo COVID-19, segundo Ponce.

A plataforma será lançada na terceira semana de abril, com pelo menos 20 homenagens. "A ideia é que seja atualizado semanalmente", disse Ponce.

"Todos os dias, quando ouvimos que o número de mortos pelo COVID-19 está aumentando no Equador e no mundo, sabemos que estamos enfrentando uma situação que supera todos os nossos limites", disse Gabriela Valarezo, diretora de arte da GK, ao Centro Knight.

Até a tarde de 7 de abril, o Serviço Nacional de Gestão de Risco e Emergência do Equador registrava 3.995 casos e 220 mortes. Guayaquil, a segunda principal cidade do país depois de Quito, registra 1.846 casos, segundo dados oficiais, mais da metade dos casos de todo o país.

“No entanto, esses números não refletem o lado humano das mortes: o sentimento de perda de um ente querido e as limitações para que a família se despeça hoje em dia. Nesse espaço, queremos prestar homenagem às vítimas e permitir que suas famílias tenham um local onde possam se lembrar delas ", afirmou Valarezo.

Parentes dos falecidos devem preencher um formulário para poder fazer parte do memorial virtual do GK e devem incluir um áudio com uma mensagem para o seu ente querido. “Então terá áudio e fotografia, com um pequeno texto. A ideia é que apresentar como foto-áudios para ver a imagem da pessoa enquanto escutamos a mensagem do membro da família”, disse Ponce.

No Equador, o primeiro caso de COVID-19 foi anunciado em 29 de fevereiro pela Secretaria-Geral de Comunicação. Cerca de duas semanas depois, o governo declarou uma emergência de saúde, em 12 de março, segundo a EFE.

Diante da curva crescente de contágios no país, especialmente em Guayaquil, o governo impôs o toque de recolher desde 26 de março, das 14h até 5h, para restringir a circulação da população e evitar uma onda maior de casos, segundo o jornal equatoriano El Comercio. O presidente Moreno também anunciou multas e sanções para aqueles que não cumprirem a medida.

No entanto, Ponce considera que a resposta do governo à pandemia não está à altura das circunstâncias, uma vez que a linha de emergência estabelecida pelo Ministério da Saúde Pública para atender casos suspeitos do COVID-19 "entrou em colapso muito rapidamente".

Segundo o jornal argentino Página 12, em Guayaquil, muitas casas funerárias pararam de funcionar por medo de contágio, e os corpos dos mortos ficam em casa dias até serem recolhidos pelo sistema público. "Embora a falta de recursos nos bairros populares faz com que os velórios sejam realizados nas casas, algo assim nunca aconteceu antes", disse Billy Navarrete, secretário executivo do comitê permanente de defesa dos direitos humanos em Guayaquil, segundo Página 12.

Em sua conta no Twitter, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) disse acompanhar "com grande consternação as dificuldades relatadas em Guayaquil para remover, cremar e enterrar os corpos de pessoas que morreram durante a pandemia do COVID-19".

"Na crise, os falecidos se tornaram números, e é doloroso para os membros da família não se despedirem com mais calma, mostrando o amor que tinham por seus entes queridos", disse Ponce. "Nesse caso, queremos que o Voices for Memory preencha esse vazio, nem que seja um pouquinho", acrescentou.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook