Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Veículos de Brasil e Peru dão espaço a vozes de trabalhadores na linha de frente e de pessoas em quarentena durante a pandemia



Após as perturbações causadas pela pandemia do COVID-19 nas rotinas diárias de pessoas em todo o mundo, alguns meios de comunicação latino-americanos estão dedicando espaços para as vozes daqueles que querem compartilhar suas histórias, principalmente as do que estão na linha de frente.

"Profissionais essenciais contra o coronavírus", da Folha de S. Paulo. (Captura de tela.)

No início de abril, o jornal brasileiro Folha de S. Paulo decidiu usar a plataforma criada por sua equipe de conteúdo interativo para contar como os imigrantes viviam em São Paulo, desta vez para compartilhar as histórias de trabalhadores essenciais sem os quais as pessoas em quarentena não poderiam sobreviver.

“O projeto 'Profissionais essenciais contra o coronavírus' foi publicado pela primeira vez em 3 de abril com o perfil de quatro profissionais: um farmacêutico, um policial, um motorista de aplicativo e um varredor de rua”, Dhiego Maia, repórter da Folha de S. Paulo, disse ao Centro Knight.

A série foi criada pela editora de diversidade do jornal, Alexandra Morais, cujo editoria foi criada em 2019 para refletir a diversidade da vida social e cotidiana do país na redação. Segundo Maia, desde o início, a intenção da série era reproduzir a história do entrevistado, "na íntegra e em uma sequência lógica", sobre o seu cotidiano durante a pandemia.

“Também não iniciamos o projeto com médicos e enfermeiros, profissionais naturalmente já destacados nessa guerra pela vida. A idéia era lançar luz sobre as funções esquecidas, mas igualmente importantes para a saúde da metrópole, como a pessoa que coleta nosso lixo”, acrescentou.

Maia tem a árdua tarefa de procurar as histórias daqueles que aliviam, de alguma forma, o sofrimento da maioria. Segundo Maia, contar essas histórias do local em que elas acontecem as enriquece bastante. Juntamente com a fotógrafa Karime Xavier, e com todos os protocolos de segurança e distância, Maia entrevista os personagens com os quais ele contata ou que são mencionados por instituições públicas e privadas.

O formato das histórias, disse Maia, está visualmente relacionado ao formato das redes sociais para atrair o leitor. As histórias dos entrevistados, publicadas mais ou menos a cada dois dias, são apresentadas com dez fotografias, acompanhadas por dez frases de 230 caracteres cada.

"Esse tamanho do texto é essencial para não prejudicar a visualização do conteúdo no celular", disse Maia. “Somos uma das nações que mais consomem redes sociais no planeta; portanto, quando nosso leitor abre a plataforma, principalmente no celular e se depara com um modelo muito semelhante ao das redes sociais, ele clica e lê tudo."

“Trabalhadores essenciais contra o coronavírus” terá um capítulo especial na série que mostra o trabalho por trás das câmeras das entrevistas e seus personagens. “Essa seleção apresentará as histórias mais impactantes, os riscos que Karime e eu enfrentamos e a sensação de caminhar em outra São Paulo - vazia e triste.”

Ojo Público e os diários da quarentena

Os jornalistas do Ojo Público, um site de jornalismo investigativo peruano, começaram a pensar em um espaço para dar voz ao cidadão comum logo após as medidas de isolamento começarem a mitigar a propagação do vírus, Nelly Luna, cofundadora e editor geral do Ojo Público, disse ao Centro Knight.

“Diário da quarentena: Histórias de todos”, do Ojo Público. (Captura de tela).

Diário da quarentena: Histórias de todos” foi lançado em 12 de abril. “O objetivo era abrir um espaço de encontro para diferentes vozes, de suas vidas diárias, seus medos e esperanças. Como essas vozes não estavam representadas na mídia, duas semanas após o início da quarentena, preparamos o projeto em conjunto com o editor de audiência, Carlos Bracamonte, que foi o promotor mais entusiasmado desse processo ", afirmou Luna.

Nesse espaço, segundo Luna, as histórias são publicadas todos os dias e na primeira pessoa de "pais que estavam desempregados devido à crise, adultos mais velhos que agora vivem sozinhos e precisam comer ou simplesmente se manter ativos". Além disso, ela acrescentou, estão as histórias de “pequenos comerciantes que estão assistindo os negócios que construíram ao longo dos anos morrerem, pessoas ansiosas que tiveram que suspender suas terapias ou famílias que também veem a quarentena como uma oportunidade de estar juntos, ou mulheres que agora têm atividade: trabalham de casa, dão aulas virtuais e fazendo tarefas domésticas.”

Na conta de e-mail criada para o projeto, Luna disse que eles recebem dezenas de testemunhos, alguns curtos, outros extensos, às vezes até recebem os diários completos que algumas pessoas começaram quando a quarentena começou. "Percebe-se a necessidade de falar sobre o assunto, sobre o isolamento e como isso está afetando a todos nós", afirmou.

“Não é você dizendo a eles quais tópicos são mais relevantes, é agora eles dizendo o que mais importa para eles. É um maravilhoso gesto de confiança," disse Luna. "Isso me encoraja muito, no primeiro dia em que os e-mails começaram a chegar, eu os li a noite toda e chorei, senti que deveríamos fazer mais. Uma mistura de desamparo e ao mesmo tempo, incerteza sobre o que responder. A incerteza é a sombra gigante sob a qual temos que trabalhar e viver juntos hoje em dia.”.

As histórias recebidas são lidas e respondidas pelo editor de audiência, responsável pela verificação dos dados e da identidade do remetente. Algumas pessoas que trabalham em entidades públicas pedem para não colocar seus sobrenomes por medo de retaliação, disse Luna. Em seguida, eles são selecionados, editados, respeitando a oralidade dos autores, e a artista gráfica da equipe, Claudia Calderón, cria uma ilustração para cada um. "Todo e-mail que chega nos pergunta e nos obriga a pensar na necessidade de reafirmar o compromisso e o contrato social do jornalismo como serviço público," afirmou Luna.

“Como repórteres, estamos acostumados a muitas situações de estresse, longas horas de trabalho e carga emocional, mas abrir este diário abre uma situação diferente para nós, é como se você estivesse compartilhando o isolamento simultaneamente com cada um deles. ... A responsabilidade é triplicada," disse ela.

Na linha de frente do Salud con Lupa

Para o Salud con Lupa, um site jornalístico peruano especializado em questões de saúde, a publicação dos depoimentos surgiu da necessidade dos próprios protagonistas, médicos, enfermeiros e funcionários de hospitais e centros de saúde que estão na linha de frente do combate ao coronavírus.

“Na linha de frente”, do Salud con Lupa. (Captura de tela).

“O Salud con Lupa começou a receber e-mails e mensagens em suas contas de mídias sociais de profissionais de saúde e pessoal de limpeza que estavam relatando situações muito graves. Em muitos casos, as pessoas preferiram o anonimato porque, em meados de abril - quando começaram a filtrar imagens e testemunhos em vídeos nas redes sociais - EsSalud, o Ministério da Saúde e outras instituições de saúde as proibiram de falar com a mídia sob ameaça de sanções ou demissões", disse Fabiola Torres, fundadora e diretora do site, ao Centro Knight.

A documentação das histórias da linha de frente que eles recebem tem três objetivos: dar-lhes espaço para compartilhar suas experiências em primeira pessoa, coletar suas queixas e, por sua vez, escrever histórias narrativas de longo formato ou histórias informativas que ofereçam soluções para esses problemas e documentar as histórias de lutas extraordinárias e exemplares nos centros de saúde das quais pouco se sabe.

Para editar suas histórias, Torres disse que conta com a ajuda de um médico independente, Daniel Rojas, que entrevista o pessoal de saúde que os procura para compartilhar suas histórias. Ele ajuda a equipe a editar os testemunhos, verificando se as informações e os dados estão corretos antes da publicação.

“Ouvir ou ler as vozes daqueles que estão na linha de frente nos permite falar sobre as histórias de vida, sobre o que estamos passando para entender a dimensão da pandemia. Nenhuma figura ou estatística conta uma história. As estatísticas que as autoridades nos informam diariamente não dizem nada se não entendermos as histórias," disse Torres.

Existem alguns testemunhos muito difíceis e outros que dão mais esperança, disse Torres, citando a história da enfermeira que "recuperou o ânimo quando seu paciente na UTI levantou a mão para cumprimentá-la depois de dias acamado."

No futuro, a série Salud con Lupa seria um livro que contenha uma antologia de todos os testemunhos publicados, como uma "maneira de documentar" um momento histórico que não devemos esquecer, mas aprender com essas lições para evitar repetir erros," disse Torres.

Os planos de curto prazo são de que esse espaço se torne um projeto colaborativo que inclua testemunhos de funcionários da linha de frente de outros dez países latino-americanos, como parte de um esforço de cobertura regional liderado por Salud con Lupa, disse Torres.

 



Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook