Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Jornalista venezuelana Ana Belén Tovar é libertada após cinco meses de detenção



Após cinco meses de prisão, Ana Belén Tovar, editora da Entorno Inteligente e gerente de operações da Venmedios, foi libertada Ela estava detida desde novembro passado, durante um ataque às instalações da Entorno Inteligente, de acordo com relatos da mídia venezuelana. Desde sua prisão, as organizações de direitos humanos e liberdade de expressão exigiram a liberdade de Tovar. 

Tanto as associações como algumas publicações venezuelanas e seus advogados argumentam que a jornalista foi detida arbitrariamente e sua detenção estava cheia de "irregularidades." 

Tovar foi libertada em 6 de maio na sede da Direção Geral de Contra-Inteligência Militar (DGCIM) em Boleíta, Caracas, segundo o El Nacional. 

"As autoridades proibiram tirar fotografias no momento do sua liberação", postou no Twitter a associação civil Espacio Público, que defende a liberdade de expressão na Venezuela. 

O DGCIM deteve Tovar, juntamente com quatro de seus colegas e seis trabalhadores da Caraota Digital e da VPI, após um ataque em 19 de novembro de 2019. Segundo a mídia venezuelana, os jornalistas detidos do Caraota Digital e do VPI estavam cobrindo o ataque aos escritórios do Entorno Inteligente. 

El Nacional informou que todos os que foram detidos foram libertados no dia seguinte, exceto Tovar.  

De acordo com o jornal venezuelano TalCual, a ordem de busca e apreensão da DGCIM foi apresentada para "'apreender evidências' de um ato 'de interesse criminal', especificamente documentação aludindo a 'publicações contra altos funcionários ou qualquer outra evidência que possa esclarecer o caso' que é investigado.'” 

O jornal informou que “nos autos se referem a publicações relacionadas ao ministro Vladimir Padrino López, 'e seu ambiente familiar, por causa de sua posição, difamar, ofender e desenvolver uma matriz de opiniões falsas, entre seus objetivos , gerar conteúdo em detrimento das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB), também desacreditar todos aqueles que compõem esta instituição militar [sic] '”. 

Os advogados de Tovar afirmam que sua prisão foi um "processo cheio de irregularidades que foi estabelecido a partir de uma operação ilegal", informou o El Nacional. Em 25 de abril, o Colégio Nacional de Jornalistas da Venezuela, seção de Caracas, defendeu a liberdade do jornalista nas redes sociais e declarou que o processo "era caracterizado por arbitrariedade e ignorância da lei". 

Segundo o Fórum Penal, uma associação civil de direitos humanos, o número de presos políticos na Venezuela em 4 de maio de 2020 é de 367. 

 



Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook