Knight Center
Knight Center

Blog JORNALISMO NAS AMERICAS

Equador é um dos países mais restritivos para a imprensa na América Latina, diz CPJ




O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), o Grupo Andino de Liberdades Informativas (GALI) e a organização Fundamedios apresentaram, na quinta-feira 1 de setembro de 2011, uma análise sobre a liberdade de expressão no Equador. O relatório acusa o presidente Rafael Correa de transformar o país em um dos mais restritivos para a imprensa em toda a região em menos de cinco anos.


Clipped from: www.cpj.org (share this clip)

O relatório ressalta ações do presidente Correa que ameaçam os meios de comunicação do país. Alguns pontos levantados no relatório são:

• Forçar emissoras de rádio e TV a transmitir longas mensagens oficiais com críticas à mídia, assim como o uso presidencial das "redes", ou mensagens oficiais cuja divulgação é obrigatória em casos de emergência ou crise, mas que têm sido usadas para embates políticos.

• O uso das leis contra a difamação para mandar jornalistas para a prisão e cobrar deles indenizações milionárias.

• A organização Fundamedios registrou mais de 380 violações à liberdade de expressão no Equador entre janeiro de 2008 e julho de 2011.

• A criação de um conselho regulador poderia não só censurar a mídia, como atacar suas finanças ao proibir que os donos de veículos de comunicação sejam acionistas de outras empresas.

• O governo do Equador é dono de um dos maiores impérios de mídia da América Latina, pois administra e opera 15 emissoras de rádio e TV, além de veículos impressos.

O relatório também traz recomendações para que o governo do Equador possa garantir a liberdade de expressão no país.

Abaixo, veja um vídeo que acompanha o relatório:

Confrontación en Ecuador bajo Correa from Committee to Protect Journalists on Vimeo.




Assine nossa newsletter semanal “Jornalismo nas Américas”

Boletim Semanal (Português)
Boletín Semanal (Español)
Weekly Newsletter (English)
 
Marketing by ActiveCampaign

Facebook