texas-moody

Blog

knight-center-journalism

Aprendizado é chave para cobrir a deficiência a partir de soluções, dizem palestrantes em conferência sobre diversidade no jornalismo

Cobrir deficiência a partir das soluções. Esse foi o tema da última sessão da Primeira Conferência Latino-Americana sobre Diversidade no Jornalismo, que aconteceu nos dias 26 e 27 de março totalmente online.

A conferência foi organizada pelo Centro Knight graças ao apoio da Google News Initiative.

Priscila Hernández, acadêmica e jornalista, colaboradora da revista Nexos do México e responsável pela moderação do painel, começou com uma pequena explicação sobre a necessidade de cobrir o assunto de uma forma que permita encontrar uma solução para rever "a quantidade de erros" que o jornalismo comete. Segundo Hernández, é necessário fazer um exercício inicial para pensar como, “nas nossas redações, abordamos a questão da deficiência”, ou seja, entender que “as nossas redações constroem o jornalismo a partir de preconceitos”.

Para Hernández, se questionar se encara o tema como uma condição ou doença, se isso produz medo ou tristeza e até mesmo qual foi a sua  história pessoal com a deficiência pode começar a abrir esse caminho de entendimento. “Tenho um convite pessoal para que este espaço [o painel] sirva para saber como nossos preconceitos, medos, ignorância podem ser posteriormente publicados em nossas histórias e em nossas notas”, disse Hernández.

Ela acrescentou que, de acordo com sua análise, atualmente a deficiência é coberta segundo dois extremos: como caridade e piedade –olhando para baixo, ou como super-heróis– para cima.

"O erro é que perdemos as nuances [...], estamos perdendo a perspectiva dos direitos humanos", disse Hernández, que deu alguns conselhos para melhorar a cobertura. O primeiro deles, aceite que você não conhece o assunto e peça ajuda.

A necessidade de aprender é um conceito partilhado pelos três painelistas. Para a jornalista Andrea Medina, fundadora do Integrados Chile, site que busca empoderar pessoas com deficiência por meio da informação, seu próprio processo começou por se reconhecer como pessoa com deficiência.

Medina explicou o modelo de sociedade perfeito que chamou de “modelo de direitos”, em que prevalece a inclusão “onde todos e cada pessoa está na sociedade independentemente de tudo. Todos somos reconhecidos como diversos e por isso são geradas adequações ou ajustes razoáveis ​​para que possamos participar em igualdade de condições”.

disability

Priscila Hernández, Daniela Farfán, Andrea Medina, Verónica Hernández e Andrea Burga. (Captura de tela)

Na busca por esse modelo, Medina garantiu que a imprensa tem um papel importante na eliminação de barreiras e na divulgação sobre como essas barreiras são eliminadas. Um primeiro ponto, disse ela, é o uso da linguagem. “Não sei se você pode voar, eu não posso”, disse ela brincando, se referindo à expressão “pessoas com capacidades diferentes”, usada por alguns meios de comunicação. Ele propôs mudar essa frase e palavras como "deficiente" ou "inválido" para "pessoas com deficiência" ou "em situação de deficiência". E palavras como "louco" ou "demente" para "pessoa com deficiência mental", entre outros exemplos.

Também apontou algumas ações específicas que as redações poderiam realizar em prol desse modelo de direitos. Considerar a acessibilidade não apenas como uma questão física, como uma rampa, mas outras ações, como incluir a interpretação da linguagem de sinais em eventos ou locais. Ou considere uma redação feminista com equidade, onde pessoas com deficiência sejam protagonistas.

O blog ConCapacidad, da jornalista peruana Andrea Burga Villanueva, nasceu devido à invisibilidade que a questão da deficiência tem em seu país, segundo ela. Durante seu processo de formação profissional, a jornalista também se reconhecia como uma pessoa com deficiência e via como seus colegas e até professores entendiam muito pouco sobre o assunto. "Isso me levou a dizer 'eu quero falar sobre isso'".

No entanto, ao tentar encontrar um emprego como jornalista na imprensa tradicional, descobriu que eles não queriam contratá-la. "Me diziam 'não estamos preparados para contratar uma pessoa cega, não temos as medidas'". Ela até se lembrou de como uma editora lhe disse que, se ela trabalhasse lá, seria notícia. “Fiquei com a ideia de que, para ela e para o jornal, eu era mais notícia e não uma criadora de conteúdo”, disse.

Em meio a essa "frustração" nasceu o blog, onde aborda a questão da deficiência com uma abordagem interseccional, ou seja, onde a pessoa com deficiência também pode ser entendida como mulher indígena, como integrante da comunidade LBGTI, entre outros. É por isso que cobre questões que são invisíveis mesmo dentro da cobertura da deficiência: o acesso a anticoncepcionais por mulheres com deficiência, por exemplo, "porque às vezes são vistas como assexuadas", disse ela.

Especialmente durante a pandemia, Burga percebeu como algumas questões são ainda mais invisíveis: embora tenha sido enfatizado que as mulheres tiveram que trabalhar ainda mais, não se fala sobre como as mulheres com deficiência também assumiram o papel de cuidadoras, afirmou. Ou, por exemplo, como as coisas do cotidiano, como fazer compras no mercado, se tornaram um desafio para as pessoas com deficiência, porque a pandemia obrigou que isso fosse feito pela internet, mas as plataformas não são destinadas a pessoas com deficiência.

Um dos aspectos que Burga vê com mais preocupação é o uso das pessoas com deficiência como piada. Como exemplo, ela mostrou uma capa de revista mostrando gente baixinha com rostos de candidatos presidenciais com a frase "pequeninos, mas ousados". “Como um artifício para ridicularizar os candidatos presidenciais. É assim que a questão da deficiência continua a ser vista em meu país ”, disse ela.

Verónica González, coordenadora de comunicação da Agência Nacional de Deficiência da Argentina, que foi durante vários anos jornalista e apresentadora na televisão pública do seu país, sabia, desde que era estudante de jornalismo, que um de seus objetivos era ajudar a quebrar estereótipos.

No entanto, um dos temas que ela mais defende é a possibilidade de cobrir temas jornalísticos que vão além da deficiência. Ela, por exemplo, conseguiu trabalhar em questões como gênero e direitos humanos.

“Não podemos pensar que a única questão que os jornalistas com deficiência podem trabalhar é a deficiência. Podemos trabalhar em qualquer assunto”, afirmou.

González detalhou alguns de seus processos de trabalho como jornalista, como, por exemplo, em meio a investigações que tiveram uma alta carga judicial, trabalhou com um colega que lia os autos para ela.

“Não estou dizendo isso para explicar minha experiência de trabalho. É pensar que uma redação inclusiva é possível. E que é possível incorporar uma pessoa com deficiência que possa trabalhar em igualdade de condições com as outras”, disse González. "No final das contas, eu queria fazer uma cobertura de qualidade, trabalhar com investigações e produzir informações que sirvam e sejam úteis sobre questões de comunicação."

Um dos aspectos com que os palestrantes concordaram é a dificuldade que as pessoas com deficiência têm para entrar na mídia tradicional. Para Andrea Medina, isso está relacionado com o fato que a maioria das pessoas "não está formada em um contexto inclusivo em que veem as pessoas com deficiência como iguais", e nesse sentido é difícil criar “ambientes inclusivos em todos os contextos ao longo da sua vida”.

Verónica González acredita ainda que elas precisam ser ouvidas. Segundo González, muitas vezes lhe disseram que ela não podia cobrir certos temas, pensando na sua segurança. Ela disse que há uma espécie de infantilização, ao colocá-las na posição de "meninas eternas" que devem ser cuidadas. "Nunca vou me colocar em risco por uma cobertura", disse ela. “Não é preciso que cuidem de nós, nós sabemos o que podemos fazer e o que não podemos. E em qualquer caso, tomaremos as precauções necessárias ”.

O painel contou com a intérprete de Libra Daniela Farfán.

Se você perdeu a conferência, pode ver o evento inteiro no canal do YouTube do Centro Knight, e o painel sobre deficiência aqui.

Assine nossos boletins

Inscrever-se