texas-moody

Blog

knight-center-journalism

Inscreva-se no novo curso sobre diversidade, equidade e inclusão (DEI) e aprenda a incorporar abordagens em sua redação

Um relatório de 2021 do Reuters Institute concluiu que, embora exista uma conversa global e alguma ação em torno da diversidade nas redações, “uma mudança substancial ainda é necessária”.

Para ajudar os jornalistas da região nessa empreitada, o Centro Knight para o Jornalismo nas Américas está oferecendo o curso "Como promover diversidade, equidade e inclusão (DEI) no jornalismo latino-americano".

O curso, que é em espanhol e patrocinado pela Google News Initiative (GNI), acontecerá de 28 de fevereiro a 27 de março de 2022. A participação requer inscrição e um número limitado de alunos será aceito. Inscreva-se agora!

DEI MOOC Banner

“Esta é uma continuação de uma série de projetos que o Centro Knight vem oferecendo para ajudar os jornalistas da América Latina interessados ​​em desenvolver suas próprias iniciativas para garantir que a diversidade, a equidade e a inclusão sejam consideradas em seus meios de comunicação, nas redações e nas notícias que eles produzem”, disse o professor Rosental Alves, fundador e diretor do Centro Knight. “Somos gratos pelo apoio generoso da Google News Initiative que torna este programa possível.”

“Estamos orgulhosos de mais uma vez estar em parceria com o Centro Knight. As questões de diversidade, equidade e inclusão são uma prioridade para a Google News Initiative”, disse Juan Manuel Lucero, líder do Google News Lab para a América Latina de língua espanhola. “Acreditamos que uma parte importante da inovação está relacionada a esses temas e que a maioria das redações latino-americanas está interessada neles. Acreditamos que este curso pode ajudar a fornecer mais ferramentas às pessoas interessadas ​​em trazer esses temas para as redações.”

Ao longo de quatro semanas, os alunos aprenderão sobre DEI e obterão conhecimentos e habilidades que podem incorporar dentro de suas próprias organizações ou de forma independente.

“Queremos que a cobertura jornalística seja mais diversificada, mais inclusiva, mais equitativa”, disse Mariana Alvarado, jornalista mexicana e coordenadora do curso. “Mas também queremos que as redações sejam locais de trabalho mais inclusivos, porque acreditamos que, para cobrir a diversidade, precisamos ter uma redação mais diversificada.”

Há quatro instrutores para o curso, cada um ensinando um módulo diferente.

No módulo 1, Lucia Solis, jornalista peruana e editora de gênero, revisará conceitos básicos de diversidade dentro de uma perspectiva de direitos humanos. Ela também analisará sua importância, desafios e mitos no jornalismo latino-americano. Ela também vai rever o conceito de DEI.

No módulo 2, María Teresa Juárez, roteirista mexicana e especialista em treinamento para jornalistas, analisará o desenvolvimento do jornalismo com uma abordagem antirracista e com foco em deficiências. Ela compartilhará novas narrativas e melhores práticas no jornalismo sobre questões de diversidade e inclusão.

No módulo 3, Pilar Cuartas, jornalista colombiana especializada em investigações e gênero, falará sobre fazer jornalismo com perspectiva de gênero e abordar questões de diversidade sexual. Ela identificará como evitar erros e discriminação.

E no módulo 4, Belén Arce Terceros, comunicadora argentina, falará sobre como fazer redações mais diversificadas e inclusivas e como replicar o conhecimento aprendido no curso.

Segundo Alvarado, as instrutoras foram escolhidas com base na experiência na área do DEI, bem como no compromisso com a formação de outras pessoas.

As instrutoras ministrarão o curso com videoaulas, apresentações, leituras, fóruns de discussão e questionários.

O curso será assíncrono, o que significa que os alunos podem realizar as atividades e tarefas nos dias e horários que melhor se adequarem às suas programações. Existem, no entanto, prazos sugeridos para que os alunos não fiquem para trás.

Aqueles que completarem com sucesso os requisitos do curso receberão um certificado de conclusão. O certificado não está associado a nenhum crédito acadêmico, mas é concedido pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas para atestar a participação no curso online.

Antes de criar este curso, o Centro Knight fez uma pesquisa com jornalistas, gestores, editores e estudantes latino-americanos sobre temas relevantes sobre diversidade para redações. Com mais de 400 respostas de 15 países, a pesquisa informou este próximo curso.

O curso faz parte dos esforços do Centro Knight na área de DEI e jornalismo nos últimos anos. Em fevereiro de 2021, o Centro Knight e o GNI ofereceram o curso em espanhol “Diversidade nas Notícias e nas Redações” com o instrutor Marco Avilés. Agora, ele está disponível para ser feito gratuitamente a qualquer momento como um curso autodirigido.

As organizações realizaram a primeira Conferência Latino-Americana sobre Diversidade no Jornalismo no mês seguinte. O evento se concentrou nos temas de gênero, orientação sexual, questões raciais e étnicas e deficiências.

E então, o Centro Knight, novamente com a ajuda da GNI, publicou o e-book “Diversidade no Jornalismo Latino-Americano”, com reflexões de 16 jornalistas de sete países que discutiram como tornar as redações e a cobertura jornalística mais inclusivas. O livro está disponível para download gratuito no site do Centro Knight.

Alvarado disse que na região muitas vezes é considerado tabu falar sobre gênero, diversidade sexual, raça ou deficiências. No entanto, houve uma mudança na última década para lidar com essas questões. Ainda assim, ela disse que uma cobertura mais diversificada vem principalmente de meios nativos digitais de nicho.

“Com todo o nosso trabalho até este ponto, estamos pressionando para que a diversidade seja realmente uma questão importante”, disse a jornalista.

Para participar desse trabalho, inscreva-se agora neste novo e empolgante curso. As instrutoras estão esperando!

Assine nossos boletins

Inscrever-se