texas-moody

Blog

knight-center-journalism

Jornalista de dados reporta sobre mulheres desaparecidas no México usando treinamento e financiamento da Microsoft e do Knight Center

Há quase dois anos, a investigação de desaparecidos no México se tornou quase uma obsessão para o jornalista Itxaro Arteta, do site Animal Político. Portanto, quando a Microsoft e o Centro Knight para o Jornalismo nas Américas abriram as inscrições para uma oportunidade de financiamento e treinamento em jornalismo de dados, Arteta não teve dúvidas de qual seria sua proposta de participação.

A jornalista não só venceu, mas depois de pouco mais de quatro meses de trabalho e treinamento, esta segunda-feira, 5 de julho, publicou seu projeto de jornalismo de dados sobre mulheres desaparecidas no México na última década, número que já ultrapassa os 14 mil.

“A intenção era apenas ver o que acontecia com as mulheres e descobrir que os padrões são um pouco diferentes dos dos homens, o que não é o mesmo”, disse Arteta à LatAm Journalism Review (LJR) . “E a partir daí muitas perguntas abertas, que na verdade algumas permanecem sem resposta. Apenas uma investigação oficial poderia responder a algumas perguntas."

El proyecto de periodismo de datos de Itxaro Arteta

Projeto de Jornalismo de Dados de Itxaro Arteta do Animal Político. (Captura de tela)

Para encontrar esses padrões, Arteta teve que baixar manualmente 960 tabelas de dados relacionados a esses desaparecimentos. Fez isso porque a base de dados aberta, tornada pública em 2019 pela Comissão Nacional de Pesquisa, não voltou a ser encontrada após a chegada da nova administração.

Conforme explicou, existe atualmente uma página web que pode ser pesquisada, mas o banco de dados aberto (com registros de quase 200 mil desaparecimentos de mulheres e homens, segundo Arteta) que tinha quase 100 mil linhas e 70 colunas não se vê na sua totalidade.

Embora Arteta mais uma vez tenha recorrido ao Instituto Nacional de Acesso à Informação (INAI) - como fazia anos atrás -, entidade que exigia que a Comissão Nacional de Busca entregasse a base de dados, ela nunca a recebeu. Segundo ele, recebeu três bases de dados incompletas, que contabilizaram 50.000 desaparecimentos.

“Esse foi um obstáculo que foi muito triste porque não consegui superá-lo e o que fiz foi fazer um download manual dos dados, mas é muito limitado apenas por idades, estados, condições - ou seja, se a pessoa foi localizada ou não,” disse Arteta.

Mesmo assim, ela baixou dados suficientes para encontrar e contar histórias sobre "um problema social generalizado" que não parece estar acabando.

Com suporte de Verne Roberts, da Enlighten Agency, um parceiro técnico da Microsoft com sede na Nova Zelândia, Arteta criou visualizações que mostram dados específicos para mulheres mexicanas. Por exemplo, ele conseguiu identificar que os estados mexicanos com o maior número de mulheres desaparecidas não são necessariamente os mesmos em que há mais homens desaparecidos. E talvez um dos dados que mais o impactaram tenha a ver com o desaparecimento de adolescentes. Na última década, o desaparecimento de 9 mulheres adolescentes entre 12 e 17 anos tem sido relatado diariamente.

“Há um pico extraordinário nas mulheres adolescentes, mulheres entre 12 e 17 anos. Aos 15 anos, é como o pior, três vezes maior que o número de homens desaparecidos. Essa foi uma das primeiras descobertas e pontos de partida”, disse Arteta.

Além da análise dos dados, Arteta conversou com pelo menos 15 fontes, incluindo autoridades, especialistas e parentes de pessoas desaparecidas ou que denunciaram o desaparecimento. Ela estava conduzindo sua investigação em todo o estado do México (a entidade federal) porque este é o único estado do país que possui um alerta de gênero para o desaparecimento de mulheres, bem como um mecanismo de busca. O alerta de gênero serve para reconhecer que existe uma situação grave de violência contra a mulher no local, bem como para dar um orçamento para ações específicas para acabar com essa violência, explicou Arteta.

Cartel en marcha de madres de hijos e hijas desaparecidas

Cartaz de marcha de mães de filhos e filhas desaparecidos (Wotancito, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons)

“Espero que eles [recebam] muito bem o projeto. Espero que seja justo: [que pode] fornecer uma chance de ver muitas informações que o governo tentou fazer [e que] estavam muito erradas. […] Em vez disso, dizer que o jornalismo está fazendo um trabalho que deveria ser feito pelas autoridades”, disse Arteta.

A proposta do Animal Politico é um dos vários projetos de jornalismo de dados que a Microsoft conduziu em parceria com organizações como o Centro Knight, de acordo com Vera Chan, que supervisiona as relações de jornalismo global no Microsoft News.

"Nossa missão é ajudar nossos parceiros de notícias e a indústria em geral a tirar vantagem da tecnologia que pode aprimorar a experiência do jornalista", disse Chan. “Com o crescimento exponencial dos dados, muitas vezes a história fica enterrada em linhas e mais linhas de números. Para usar ferramentas robustas e acessíveis, os jornalistas podem interrogar e comunicar melhor o significado subjacente dos dados no nível pessoal e comunitário. Tão importante quanto é que o público vá além de uma imagem estática e explore os dados, para que possa acompanhar a narrativa e também apresentar suas próprias observações.

Para Arteta, encontrar padrões ocultos a levou a se perguntar sobre as muitas histórias perdidas, que não foram vistas por não terem figuras diferenciadas entre homens e mulheres.

“Gostaria que isso também nos levasse à reflexão. Há problemas que talvez não estejamos vendo ao fazer assim com o general, e isso pretende ser como uma lupa com a qual vemos os elementos diferenciadores e vemos o que acontece no México com a violência contra as mulheres, que é um fenômeno generalizado problema social", acrescentou.

Entre os aspectos que Arteta mais destacou na sua formação e trabalho com a Microsoft está a utilização da ferramenta Power BI, um painel de business intelligence que nos últimos anos tem sido utilizado como ferramenta de jornalismo de dados devido à sua facilidade de utilização. “Isso foi muito interessante porque é a possibilidade de analisar grandes quantidades de dados de uma forma muito prática. E no final é um pouco de fazer o trabalho de três pessoas, porque não é só de repórter, mas também de designer e programação”.

Justamente a possibilidade de contar histórias tão importantes de uma forma interessante e interativa é uma das principais lições que a experiência lhe deixou.

“Eu acredito muito nisso. Quando se trata de contar uma história para as pessoas que não é apenas um texto - que pode ser interessante e bem escrito - mas [oferecer] essa experiência que com a mentoria da Microsoft desde o início o objetivo era criar um produto que fosse uma experiência para você usuário, uma experiência informativa”, disse.

Itxaro Arteta

Itxaro Arteta (Cortesia)

Os gráficos, explicou Arteta, não são apenas visualmente atraentes e interessantes, eles oferecem informações precisas.

“É dar às pessoas a possibilidade de encontrar a própria história que lhes interessa. Talvez se você quiser ver onde mora. Talvez se você quiser saber a idade dela ou pensar em uma filha, por exemplo. Ou seja, se tenho uma filha de 14 anos, veja como está a situação no México do desaparecimento de meninas de 14 anos”, disse. "Acho que aproveito isso [da experiência], para dar uma nova opção de contar uma história ou de ler uma história."

“Sempre convido qualquer jornalista para entrar no jornalismo de dados porque acredito que isso abre um mundo de possibilidades, de não ficar apenas em ver uma pequena parte, mas em poder expandi-la e ter uma base sólida para dizer 'isso é porque eu tenho os dados que estão lá'”.

Jornalistas interessados ​​em aprender mais sobre jornalismo de dados podem se inscrever no próximo curso gratuito do Centro Knight em espanhol, com o apoio da Microsoft, "Introdução ao Jornalismo de Dados: Encontrando e Processando Grandes Volumes de Informação" . Este Massive Open Online Course (MOOC) começa em 19 de julho e vai até 15 de agosto de 2021.

Assine nossos boletins

Inscrever-se