texas-moody

Blog

knight-center-journalism

Repórteres e cientistas apontam como melhorar a cobertura de COVID-19 em webinar global do Centro Knight, UNESCO e OMS

Com participantes de 85 países, um grupo destacado de jornalistas científicos, cientistas e outros especialistas compartilhou dicas e conselhos sobre como cobrir melhor a pandemia de COVID-19 e combater a desinformação sobre vacinas, variantes e tratamentos.

O webinar "Variantes, Vacinas e Medicamentos: O que os jornalistas precisam saber para melhorar a cobertura da COVID-19", organizado pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas em parceria com a UNESCO e com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS) , foi transmitido ao vivo na quinta-feira, 27 de janeiro, pelo Zoom e pelo YouTube.

A transmissão do Zoom, originalmente em inglês com tradução simultânea em outros quatro idiomas, foi assistida por 770 participantes de 85 países.

Image 1 - COVID webinar

Os três painéis do webinar foram moderados por Deborah Blum, diretora do Programa Knight em Jornalismo Científico do MIT (acima à esquerda). (Foto: Captura de tela)

As gravações do webinar estão disponíveis no canal do Centro Knight no YouTube em inglês, espanhol, francês, português e árabe . Todas as informações sobre o evento, incluindo os detalhes do programa e dos palestrantes, estão disponíveis em  inglês, espanhol, francês, português e árabe no site JournalismCourses.org do Centro Knight.

Os três painéis que compuseram o seminário foram moderados por Deborah Blum, diretora do Programa Knight de Jornalismo Científico do Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Na sessão de abertura, Gabby Stern, diretora de comunicação da OMS, fez uma série de perguntas que ela disse que gostaria de se fazer como repórter e que os jornalistas de hoje deveriam se fazer ao cobrir a pandemia de COVID-19:

1. Vale a pena ir atrás desta história e publicá-la o mais rápido possível ou estou correndo para publicar algo porque me sinto pressionado a produzir algo e colocar meu nome nela e/ou porque outro meio de comunicação publicou essa história e meus editores ou eu queremos tê-la também?

2. Tenho a missão de encontrar um tipo específico de conflito ou falha e produzir uma história com uma mini exclusiva, em vez de entrar no processo de pesquisa com os olhos e o intelecto bem abertos para o que posso ou não encontrar?

3. Esta situação é real e importante, ou estou sendo vítima de uma fonte ou fontes agindo de má fé que podem estar me usando para desacreditar ou prejudicar as pessoas que estou cobrindo?

4. Tenho uma verdadeira compreensão das dinâmicas de poder e estruturas de incentivo em jogo aqui, em termos de meu papel e relacionamento com minhas fontes, bem como as pessoas que estou cobrindo?

5. Dediquei tempo e capacidade mental suficientes para entender as pessoas que estou cobrindo, além de suas declarações públicas e outras coisas fáceis de entender?

6. Trabalhei duro para entrar nos bastidores, dentro de salas de reuniões e corredores para entender quem está observando quem?

7. Dediquei tempo para entender os papéis, estruturas de governança, autoridades legais, alavancagem e/ou restrições que capacitam ou limitam as pessoas e instituições que estou cobrindo?

“São perguntas que poucos repórteres fazem ao escrever sobre a pandemia ou sobre política. E o resultado disso são artigos que são chamativos e legais, mas são basicamente bugigangas alegres, os chamados furos que atraem outros repórteres a perder horas em abismos sem sentido e até prejudiciais, quando poderiam estar fazendo contribuições genuinamente valiosas para um mundo conturbado", disse Stern.

Medo, desconfiança e desinformação

O primeiro painel, “Desinformação e dados em evolução”, contou com Davey Alba, repórter do The New York Times especializada em desinformação na internet, dos Estados Unidos; Mandi Smallhorne, Presidente da Associação Sul-Africana de Jornalistas Científicos e Vice-Presidente da Federação Mundial de Jornalistas Científicos; Jane Qiu, jornalista científica freelancer para veículos como Nature, The Lancet e National Geographic, da China; e Federico Kukso, autor e jornalista científico independente, membro do conselho da Federação Mundial de Jornalistas Científicos, da Argentina.

Os palestrantes falaram sobre os danos reais que a desinformação e a disseminação de notícias falsas causaram, inclusive custando vidas durante a pandemia de COVID-19.

A desinformação sobre vacinas, por exemplo, alimentou o medo de milhares de pessoas que optaram por não se vacinar. Essa é uma questão que os jornalistas devem tratar com cuidado para evitar contribuir para o crescimento desses medos, disse Davey Alba, que acrescentou que o conteúdo enganoso sobre a COVID-19 que inunda as redes sociais desde 2020 teve um alto impacto nas decisões tomadas pelos usuários.

“Sabemos que essas coisas se tornam virais, encontram um público e atingem um grande número de pessoas. Também sabemos, de um ponto de vista mais anedótico, que quando as pessoas chegam aos hospitais com COVID e se recusam a se vacinar, o que estão falando são as mentiras que viram na internet”, disse Alba. “Há evidências muito fortes de que as pessoas estão acreditando em algumas das coisas que veem online e isso é um fator na vacinação, e isso é algo que todos os especialistas em desinformação com quem conversei estão dizendo."

Isso, na opinião de Mandi Smallhorne, tem a ver com a desconfiança que muitas pessoas têm em relação à comunidade científica. Na África, essa desconfiança decorre em grande parte de ações que governos e empresas farmacêuticas tomaram no passado, como testar vacinas contra a poliomielite ou HIV sem o conhecimento das pessoas, o que fez com que elas desconfiassem da ciência ocidental.

De acordo com Smallhorne, os jornalistas devem focar sua cobertura na tentativa de descobrir as razões por trás desses medos e desconfianças que fazem os leitores acreditarem nas informações falsas que veem online.

Kukso Webinar 1

A ciência não é uma parte importante das agendas dos governos ou da mídia na América Latina, disse o jornalista argentino Federico Kukso. (Foto: Captura de tela)

“Certamente, uma coisa que aprendi como jornalista nesta época e acho que todos deveriam aprender, não é olhar para essas pessoas e pensar 'eles são idiotas por acreditarem nessas coisas', mas olhar para eles e se perguntar 'o que faz você acreditar nisso? O que você está alimentando? Por que você não gosta de pessoas inteligentes? O que há em sua história e passado que torna as pessoas inteligentes tão repulsivas para você? O que há no passado dos quenianos que os faz se sentir menos confiantes na ciência médica?", disse.

Na América Latina, a desconfiança e os medos que facilitam a crença em notícias falsas têm a ver com o fato de que a ciência não é uma parte importante das agendas dos governos ou da mídia, segundo Federico Kukso.

Isso se soma ao fato de que os jornais da região raramente contratam jornalistas científicos. Portanto, não é incomum que esses veículos caiam no que Kukso chamou de “hype”: exagerar na informação ou não dar a ela sua dimensão justa, como tem acontecido na América Latina com questões como o uso de hidroxicloroquina, vacinas ou tratamentos de plasma convalescente.

“No mês passado, quando começou a haver muitas infecções na América Latina, muitas pessoas começaram a dizer que as vacinas não estavam funcionando, principalmente porque a mídia tende a descrever as vacinas como escudos que protegem você do vírus”, afirmou Kukso.

O jornalista recomendou tentar ser mais moderado nas informações publicadas, ter cuidado com as fontes e evitar exageros.

"Tenha em mente que existem grandes empresas por trás dos comunicados de imprensa", disse ele. “Todos nós queremos ouvir ou ler notícias de que algum medicamento ou algum tratamento acabará com essa pandemia para sempre, mas acho que no final isso acaba corroendo a confiança das pessoas na ciência”.

A confusão em torno das variantes

Um dos tópicos que mais gerou desinformação durante a pandemia é o das variantes do SARS CoV-2. O segundo painel do webinar, "Mutações e Variantes", foi formado pelas cientistas Purvi Parikh, alergista e imunologista do Allergy and Asthma Associates Institute de Murray Hill, nos Estados Unidos; e Angela Rasmussen, virologista da Organização para Vacinas e Doenças Infecciosas da Universidade de Saskatchewan, no Canadá; bem como pelo jornalista científico da Science Magazine na Alemanha, Kai Kupferschmidt.

O objetivo do painel foi ajudar os participantes a aprofundar seus conhecimentos sobre as mutações que o vírus da COVID-19 sofre, as variantes que aparecem e as diferenças entre elas.

Os palestrantes concordaram que os jornalistas devem partir da ideia de que é normal que um vírus de RNA como o SARS CoV-2 sofra mutações em diferentes variantes e que não é surpreendente que novas formas desse vírus continuem a aparecer no futuro.

As origens exatas do vírus e de suas variantes ainda são desconhecidas, portanto, a mídia deve ter um cuidado especial nas palavras que escolhe para explicar esse tópico e evitar contribuir para a desinformação.

Um exemplo de informação enganosa nesse sentido é o argumento de que a distribuição equitativa de vacinas é uma forma de impedir o aparecimento de novas variantes. Embora esteja comprovado que a aplicação equitativa das vacinas reduziria a taxa de letalidade do vírus, verificou-se que novas variantes também surgiram em países com altas taxas de vacinação, explicou Kai Kupferschmidt.

“Enquanto não soubermos como essas variantes evoluem, sinto que estamos indo longe demais se dissermos que sabemos como impedi-las de evoluir. Este é um daqueles exemplos em que contamos as histórias e não entendemos por que as contamos", disse Kupferschmidt. "Às vezes usamos esse argumento para defender o acesso equitativo às vacinas [...] mas isso não significa que seja verdade e acho que, a longo prazo, perdemos muita credibilidade em todos esses debates."

COVID Webinar Panel 2

Os palestrantes do segundo painel discutiram as mutações pelas quais o vírus da COVID-19 passa, suas variantes e as diferenças entre elas. (Foto: Captura de tela)

Outro exemplo frequente de termos que transmitem a mensagem errada é dizer que a variante Ômicron é menos perigosa que as anteriores. Embora as pessoas vacinadas tenham se mostrado menos propensas a chegar aos hospitais após serem infectadas com Ômicron, dizer que essa variante causa uma doença "mais leve" não é uma verdade absoluta, disse Purvi Parikh.

“Até a palavra 'suave' me dá arrepios às vezes porque é errado. Passa a mensagem errada para o público em geral de que [a Ômicron] não é algo para ser levado a sério”, explicou a cientista.

Kupferschmidt disse que a forma como as vacinas são discutidas, sua distribuição e suas características afetam a narrativa em torno do tema, e que a resistência ao recebimento dos imunizantes pode ter vários motivos e, portanto, é uma questão que deve ser abordada com muito cuidado.

Como exemplo, ele citou que a forma como os efeitos colaterais da vacina AstraZeneca foram discutidos em alguns países europeus levou à criação de uma narrativa de que um produto de baixa qualidade estava sendo doado para países de baixa renda, quando essa vacina mostrou ser eficaz.

Para Kupferschmidt, os jornalistas devem se esforçar para levar informações de qualidade sobre vacinas à população para combater a polarização gerada a esse respeito.

“Precisamos trabalhar para neutralizar essa polarização porque estou preocupado que, mesmo para outras vacinas, mas especialmente para as vacinas contra o coronavírus, a polarização tornará quase impossível usar essas vacinas da melhor maneira possível e para as pessoas as enxergarem racionalmente", disse ele.

Medicamentos e vacinas

No terceiro e último painel, "Vacinas e Medicamentos", um grupo de editores e especialistas ofereceu um contexto global sobre novos desenvolvimentos médicos para combater o SARS CoV-2. Entre os palestrantes estavam Margaret Harris, porta-voz da OMS sobre COVID-19; Akin Jimoh, editor da Nature Africa, na Nigéria; Amy Maxmen, repórter sênior da Nature, nos Estados Unidos; Josh Michaud, vice-diretor de saúde global da Kaiser Family Foundation, nos Estados Unidos; e Mohammed Yahia, editor executivo da Nature Research no Oriente Médio, do Egito.

Yahia falou das consequências da má comunicação em torno das vacinas contra a COVID-19 no Egito, tanto da mídia quanto das autoridades. Ele disse que até alguns membros da comunidade médica expressaram suas dúvidas sobre as vacinas e seus efeitos colaterais nas redes sociais, o que contribuiu para a formação de um discurso antivacina.

“Isso criou uma espécie de medo entre a população, então, quando a disponibilidade [das vacinas] melhorou, muitas pessoas hesitaram em tomá-las”, disse Yahia. “Historicamente, nunca houve um movimento antivacina como tal no Egito, as pessoas levam as vacinas infantis muito a sério, todo mundo as toma e todo mundo acredita em sua eficácia. [...] Mas com esta vacina em particular era apenas diferente, as pessoas não queriam tomá-la por causa de toda a comunicação ao seu redor."

Os jornalistas precisam saber como escolher as fontes certas de informação sobre a COVID-19 e responsabilizar os políticos e as autoridades de saúde pelo tipo de informação que distribuem, afirmou Akin Jimoh, acrescentando que, na Nigéria, o que os políticos que desconheciam o vírus disseram sobre a COVID-19 causou danos irreparáveis ​​em termos de desinformação.

“Quando enfrentamos a COVID, temos que olhar para aqueles que entendem melhor a COVID, porque quando você responsabiliza o governo, você também deve responsabilizar a comunidade científica”, disse o jornalista. "Em vários países, os políticos foram os primeiros a falar sobre a COVID, como no caso do ex-presidente dos Estados Unidos."

COVID jab

O discurso de políticos que desconhecem o COVID-19 causou muitos danos na Nigéria em termos de desinformação, disse o editor da Nature Africa, Akin Jimoh.

Jimoh disse que a mídia em seu país fez um bom trabalho na cobertura do surgimento do HIV na década de 1990, apesar de também ser um vírus desconhecido e haver muitas informações falsas sobre supostas curas, mesmo de instituições científicas e governo.

“Nós, da mídia, nos lançamos contra essas instituições na forma como abordamos a situação, responsabilizando a comunidade científica e o Ministério da Saúde pelo tipo de informação que tínhamos”, disse o editor. “Quando o HIV chegou, não tínhamos redes sociais. Tivemos que recorrer ao que tínhamos como jornalistas, ir a revistas científicas para escrever as histórias."

Mas apesar de todas as informações enganosas e confusas que existem sobre o assunto, os jornalistas devem estar cientes de que há um problema de distribuição de vacinas e logística para aplicá-las e também devem responsabilizar as autoridades por isso.

“Sinto que, mesmo com todas as questões que foram discutidas aqui sobre desinformação e como a mídia às vezes parece inflar qualquer coisa em troca de alguns cliques – o que tem sido desastroso –, a oferta ainda é um problema, temos que ser claros", disse Amy Maxman. “Na Nigéria, 2% das pessoas estão totalmente vacinadas, e não é porque há vacinas suficientes para que todos recebam duas doses e um reforço e simplesmente ninguém as queira. Há um problema de logística e também uma enorme escassez de suprimentos.”

Para a repórter, a mídia deveria questionar os governos sobre por que não são fabricadas mais vacinas para países em desenvolvimento.

A esse respeito, Josh Michaud acrescentou que, enquanto em 2021 as histórias se concentravam principalmente na falta de vacinas, em 2022 a narrativa poderia ser diferente. Embora seja esperado que haja mais e novas vacinas, a demanda também crescerá devido ao surgimento de novas variantes.

“O desafio é mais complexo porque agora temos que prestar mais atenção ao aspecto da distribuição e aos desafios que os outros palestrantes mencionaram a esse respeito, temos que combater a resistência [à vacina] e a desinformação”, disse Michaud.

Margaret Harris destacou o trabalho que a OMS tem feito na distribuição não só de vacinas, mas também de outros insumos para combater a COVID-19, como testes, equipamentos de proteção e oxigênio. Mencionou também que o forte sistema de distribuição de vacinas do UNICEF tem contribuído para uma melhor operação, em termos de logística, do sistema COVAX (COVID-19 Vaccines Global Access), a aliança global para apoiar o desenvolvimento, a fabricação e a distribuição de vacinas contra a COVID-19, lançada em abril de 2020 pela OMS, pela Comissão Europeia e pela França.

“Estamos muito mais felizes em ver o quão longe chegamos, mas ainda não podemos sentar e relaxar. Agora que o suprimento está chegando, também precisamos garantir que os países recebam um bom aviso prévio e estejam prontos para usar todas as vacinas que receberem”, afirmou.

Covax-1024x768

A porta-voz da OMS sobre COVID-19 disse que o robusto sistema de distribuição de vacinas do UNICEF contribuiu para um melhor funcionamento do sistema de entrega de vacinas COVAX. (Foto: Facebook do UNICEF)

Assine nossos boletins

Inscrever-se